Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

RESSACAS LUSITANAS

 

 

Esta minha condição de luso-afro-brasileiro, o coração dividido de forma irregular, cabendo a velha família e amigos à área lusa, o sentimento de humildade a África (não entram políticos, presidentes, nem generais – exceto dois de quem sou muito amigo), e ao Brasil a alegria de viver , com a alegria e generosidade deste povo, único, o garante do “Quinto Império, do reino do Menino Imperador, seria demasiado trágico conviver com a bandalha que por aqui reina - nas eleições, tribunais, política em geral, polícia, bandidos, etc. – faz de mim um saudoso deslocado onde quer me encontre!

 

A ida a Portugal está a ficar cada vez mais dolorosa – e muito dispendiosa - não exatamente pelo desastre em que se encontra a economia e a falta de esperança dos portugueses, mas por ver os meus maiores amigos e irmãos a deteriorarem-se com os anos que lhes (e nos) vão pesando, implacáveis, seguindo a mais certa lei da natureza, talvez a mais triste para quem ainda consegue resistir.

Graças ao Bom Deus ainda há muitos de boa disposição e saude, mas... por quanto tempo ainda? O encontro com estes torna-se um momento de Graça, de alegria e saudade. Mas são momentos fugazes que se procura aproveitar ao máximo.

 

Nesses poucos momentos a desgraça do país fica de fora. A alegria do encontro supera crises. Mas logo a seguir, os olhos tão abertos e atentos quanto possível, a realidade do país começa a ferir-nos a alma.

 

Este ano a venda de automóveis novos caíu cerca de quarenta por cento, e os usados, alguns são quase oferecidos para que os proprietários se livrem de pagar os impostos.

 

Nas inúteis estradas, belissimas, que cruzam o país de todas as pontas a qualquer outra ponta, lá passa, de quando em vez, um carro, a indicar-nos que a atividade naquelas bandas quase zerou, se alguma vez justificou aquele absurdo investimento! As estradas vazias e as cidades entupidas!

 

Este ano a seca assolou e violentou fortemente a produção agrícola, produções de alguns artigos não ultrapassando quinze a vinte por cento do que seria normal! E o desemprego na faixa de um quarto da população ativa. Quem pode, e quase sempre os jovens, os mais bem preparados, os que deveriam ser os construtores do futuro, emigram, à procura de um lugar ao sol.

 

Os governantes, aliás, como habitual, des-governantes, ineptos, vaidosos, sem capacidade moral para tomar as rigorosas atitudes que poderiam ajudar o país a sair da crise, a fazer discursos sobre discursos, pronunciamentos baratos e ocos!

E nada de fazer sentar no banco dos réus os responsáveis pela catástrofe. A camarilha continua a encobrir-se mutuamente. Os telhados são todos de vidro.

 

Não se tratam doenças graves com paliativos, aspirinas e sais de fruta! O país está gravemente enfermo, e os ignorantes burocratas decidem o que a história já demonstrou inúmeras vezes ser o caminho contrário: aumentar impostos e reduzir salários. E depois os crâneos da economia apregoam que com estas novas medidas a arrecadação vai aumentar. E não pára de cair. E muito.

 

Inflaram a máquina administrativa, deixaram enriquecer políticos e ladrões de bancos, acabaram com a marinha, não tem petroleiros para assegurar ao país o necessário abastecimento em caso de maior convulsão mundial, abandonaram os agricultores, a quem as chamadas grandes superfícies – supermercados – esmagam o preço de compra e pagam quando lhes apetece, mais enforcando ainda o produtor rural que está a desaparecer – e prometem que o próximo ano será de recuperação! Por este andar nem cinquenta anos!

 

Portugal sempre foi um país de maravilhoso peixe e mariscos. Hoje encontram-se à venda camarões da Tailândia, ostras do Vietnam e legumes importados! Os nossos pescadores não têm qualquer apoio.

 

Ao povo foi roubada uma violenta parte dos seus parcos proventos; e com os preços, impostos e tarifas a subir, há já uma multidão em situação de pobreza, como polícias, a quem depois de pagarem as despesas base – aluguer ou prestação da casa, água, luz, gás, transportes, etc. – não sobram mais de € 60 ou € 100 para dar de comer e vestir a um família de pai, mãe e dois filhos.

 

Raros são os casais que conseguem manter um deles empregados, e muitos estão ambos no desemprego. Quando o subsídio de desemprego termina, e é rápido... só resta a fome!

 

O panorama é triste.

 

E no desespero, sem saberem o que fazer, há uns cérebros à procura de se “vingarem” do famigerado acordo ortográfico (pelo pressuposto!) e criam fantasmagóricos nomes para repartições públicas que são um monumento à presunção: “Instituto da Mobilidade e Transportes” (como se transportes fossem imóveis), “Instituto da Seguridade Social” que pertence ao Ministério da Segurança Social, e um departamento chamado “Gestão de Empregabilidade e Empreendorismo”! Uma delícia de semântica!

 

Com isto perde-se tempo, gasta-se dinheiro em novos e reluzentes impressos, e os responsáveis por tamanha pequenez de espírito, seguem ufanos... e estúpidos.

 

Curioso como isto tudo se reflete direta e indiretamente na vida das pessoas.

 

Encontrámos muita gente de Angola, Cabinda, Guiné, Cabo Verde, etc., a maioria a trabalhar em pequenas lojas ou restaurantes. Estes nos recebiam sempre com aquele sorriso bonito, simples, para quem a vida dura não parece afetar o seu hunor. Em muitos portugueses também, mas alguns há que teimam em transferir para cima do cliente a sua preocupação das contas a pagar, a raiva do governo, etc., mas que acabam sorrindo se lhes retribuimos o seu mal estar com simpatia e uma ou outra palavra de alegria.

 

Portugal está cansado, são quase nove séculos de lutas, riqueza, pobreza, riqueza, pobreza, e desiludido com a promessa do éden da União Europeia. Cansado.

 

Mas o principal de tudo isto, o mais dificil de solucionar nesta crise, e a razão única de qualquer crise: encontrar gente capaz, humilde, trabalhadora, anarquista se quiserem, mas que acabem com a mamata destas ineptas governanças.

 

Podem até acabar com o presidente da república que não faz rigorosamente nada nem representa o povo face ao governo e parlamento. Parlamento que é também um aglomerado de conluios e desgraças!

 

Mesmo com tudo isto Portugal continua a ser o país, do MUNDO, onde melhor e mais barato se come, e bebe!

 

Que tem um sol maravilhoso, que se pode e deve tornar o paraíso turístico não só da Europa mas de muitos outros países.

 

Falaremos disto na próxima vez.

 

Rio de Janeiro, 08-10-2012

 

 Francisco Gomes de Amorim

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D