Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

VIAGEM NA MINHA TERRA – 1

 

 

 

Fui e vim há dias de boleia a Mortágua no carro do Luís Oliveira, editor dos livros de Tomás da Fonseca, o meu Avô. Conduzidos com grande segurança pelo Celso, responsável pelo serviço de distribuição da ANTÍGONA – EDITORES REFRACTÁRIOS, conversámos descontraidamente durante os quinhentos e tal quilómetros que nesse dia o carro percorreu por nós.

 

Com um curriculum de 272 títulos já editados, o Luís Oliveira começa por ler cada obra e só depois decide se a publica ou não pelo que esse método lhe dá para encher uma viagem com ditos, conceitos, anedotas e muita risota. Na volta, à noite, provou ser método excelente para evitar que ao condutor pesassem as pálpebras e o carro se aproximasse em excesso das bermas.

 

Uma das obras que mais citou, editou-a ele em 1980 por tradução do original francês e, apesar de ter apenas 153 páginas, inclui a totalidade das obras de três autores de que eu nunca ouvira falar: Cravan, Rigaut e Vaché.

 

Mesmo referindo apenas as partes que poderiam ser contadas à minha mãe ou à minha sogra, resta matéria mais que suficiente para ficarmos bem dispostos. E isto, quand même et malgré tout, tratando-se de livro que se diz do humor negro. Mas eu creio que se trata sobretudo duma sucessão de humor negro e non sense que nos deixa baralhados umas vezes e outras em que damos por nós fascinados pelas perspectivas em que nunca pensáramos. Mas nós, os que nos cremos sensatos, temos a fundada esperança de acabar os nossos dias de modo muito mais curial do que estes três bons-vivants, o suicídio. Sim, não deve ser fácil viver durante muito tempo alternando, sem soluções de continuidade, entre o non sense e o humor quase sempre negro. Até porque, como diz o Luís Oliveira, «os desejos, quando não organizados e defendidos, enfraquecem, estiolam e morrem. Um homem sem desejo é um homem morto; o suicídio é a mera verificação do óbito».

 

E quem eram estes três «magníficos»?

 

Cravan

 

O poeta com o cabelo mais curto do mundo, inglês de origem, parente de Óscar Wilde de quem se supôs ser filho, boxeur para combater o tédio, disse de André Gide o que o escritor lhe perdoou por razões não totalmente esclarecidas.

 

Editou entre 1912 e 1915 os cinco números da revista «Maintenant» que expunha e vendia ao longo dos grands boulevards de Paris num carrinho que fora de assador de castanhas. Isso, «por ódio às livrarias abafadiças onde tudo se confunde e tudo cai aos bocados ainda em estado novo».

 

Irreverente, insubmisso e totalmente desenquadrado do formalismo social, disse dos pintores modernistas que no Inverno de 1914 se apresentaram na Exposição dos Independentes o que muitos de nós, os socialmente enquadrados, pensamos mas não dizemos. Um deleite, o que nos apresenta da página 45 à 58 desta edição.

 

Dizia ele por essa época que sempre me fez uma enorme espécie como é que os professores de pintura, salvo no caso de ensinarem desenho à vista a um serralheiro, têm podido, desde que o mundo é mundo, topar com um aluno que seja. Goza-se com os clientes das quiromantes ou cartomantes e não se arranja um pouco de ironia para os simplórios que frequentam as academias de pintura. Poderá aprender-se a desenhar, a pintar, a ter talento ou génio? (...) Espanta-me que um vígaro espirituoso não se tenha lembrado de abrir uma academia de literatura.

 

Viera ele hoje ao mundo e veria esses cursos de escrita criativa que por aí pululam a extorquir dinheiro a quem não sabe o que pôr no papel...

 

Abocanhado com frequência por uma vontade inabalável de nada fazer, escolhe a sua pior poesia para figurar no número especial da revista e que assim reza:

 

Deitado na minha cama de madraço,

Como um leão na areia,

P’ra qu’a coisa não saísse feia,

Deixei escorregar um braço.

 

Em resultado de sucessivas inadaptações, escolhe o dia de Natal de 1916 para emigrar para os EUA donde seguidamente salta para o Canadá e para o México onde casa com a poetisa inglesa Mina Loy de quem terá uma filha e onde se dedica a ensinar ginástica. Mas a inadaptação continua e uma certa noite de temporal adentra o Golfo do México num bote e desaparece. Acabada a Grande Guerra, a mulher procura-o debalde por tudo quanto é prisão e hospital em todos os países do mundo. Entrevistada, perguntam-lhe quais os melhores e os piores momentos da vida dela e, sem qualquer hesitação, responde que os melhores tinham sido todos os que estivera com Cravan e os piores todos os que estivera longe de Cravan. BRAVO!

 

Sobre Rigaut e Vaché tratarei mais logo...

 

Lisboa, Outubro de 2012

 

 Henrique Salles da Fonseca

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D