Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

ANGOLA E A SUA ECONOMIA – 6

 

 

O DESEMPENHO DOS SECTORES PRODUTORES DE

BENS TRANSACCIONÁVEIS NA ANGOLA ACTUAL

 

4. Conclusão

 

A não recuperação até agora verificada, decisiva, dos sectores de bens transaccionáveis, parece transcender obviamente as respectivas políticas sectoriais. Trata-se de um problema de lógica global no domínio económico.

 

O que está em causa é que a lógica rendeira estabelecida – incluindo a generalização dos comportamentos de rent seeking – inviabiliza a criação das condições de incremento da competitividade imprescindíveis à recuperação da produção nacional[1]. O indicador da evolução da taxa de câmbio real de Angola na presente década é a expressão inequívoca dessa circunstância[2].

 

Seja como for, não é inclusivamente possível a recuperação produtiva nacional – paradigmaticamente expressa no desempenho dos sectores de bens transaccionáveis – com o actual sistema de preços, distorcido na sua formação, pelo peso dos comportamentos de rent seeking, em última instância contribuintes para a inviabilização da criação de condições de competitividade do país. 

 

Este é o problema central para o qual concorre a lógica económica determinante dos citados comportamentos de rent seeking, a par da adopção e apropriação, na prática, do paradigma neo-liberal[3].

 

Uma verdadeira estratégia de desenvolvimento do país teria necessariamente de equacionar a ultrapassagem, a médio e longo prazo, da lógica rendeira nos vários domínios que não só o da economia.

 

FIM

 

 Emmanuel Carneiro

1992-1993 – Ministro do Comércio e Turismo do Governo de Angola

1993-1994 – Ministro das Finanças do Governo de Angola

1996-1999 – Ministro do Plano e Coordenação Económica do Governo de Angola

 

 

 

 

 

BIBLIOGRAFIA

 

 

Ahmed, A.S., Économie de l’Industrialisation à partir des Ressources Naturelles, Tome I, Publisud, 1989

 

Dilolwa, C.R., Contribuição à História Económica de Angola, I.N.A., Luanda, 1978

 

Carneiro, E., Especialização Rendeira e Extroversão na África Subsariana – Caracterização e Consequências, Principia, Lisboa, 2004

 

Carneiro, E., «Reflexões em torno da actual conjuntura económica da África Sub-Sahariana», Revista Direito e Sociedade, nº2/2007, Catanduva (São Paulo), 2007

 

Carneiro, F., Development Challenges of Resource-Rich Countries: The Case of Oil Exporters, The World Bank, 2007

 

Cottenet, H., « Ressources Exogènes et Croissance Industrielle: le Cas de l’Égypte », Revue Tiers Monde, nº 163/2000, p. 523-546   

 

Elsenhans, H., Development and Underdevelopment – The history, economics and politics of North-South relations, Sage Publications, 1991

 

Ministério da Indústria, Plano de Médio Prazo para o Período 2009-2013

 

UCAN, Relatório Económico de Angola 2006, CEIC/UCAN, Luanda, 2007 

 

Vils, O., «Les Relations État/Société dans les Pays Rentiers ou Post-rentiers: Appropriation des Rentes et Élites Économiques en Jordanie», Revue Tiers Monde, nº163/2000, p. 547-572

 

World Bank (The), World Development Indicators 2006, 2006   



[1] Tenha-se em atenção o que acima foi explicitado acerca dos mecanismos e consequências da “doença holandesa”.

[2] Vide, de forma inequívoca, Carneiro, F., 2007 (p.6). De igual modo o relatório preliminar, de 2006, da missão do FMI de consultas nos termos do Artigo IV refere que “a taxa de câmbio real em fins de 2005 estava 40% acima do respectivo nível dos dois anos precedentes”. O que se acaba de se expor está em total e frontal contradição com os níveis de inflação patenteados pelas publicações oficiais e reproduzidos em UCAN, 2007, pelo que os mesmos enfermarão de uma evidente falta de credibilidade. Estes identificam, para 2005, uma inflação acumulada nesse ano, de 2.75% para os bens não transaccionáveis e de 9.23% para os bens transaccionáveis o que, se não só se afigura como um contra-senso com o acima referido, está frontalmente em contradição com a prática quotidiana.

[3] A imposição, aceitação e apropriação do paradigma neo-liberal traduz-se na adopção geral do objectivo da assunção do que já se apelidou de “equilíbrio de segundo nível da economia rendeira”, isto é, da obtenção de uma estabilidade macroeconómica possível, com a manutenção de uma base material rendeira. Cf. Diallo, M.L., Les Africains Sauveront-ils l’Afrique?, Karthala,1996.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D