Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

REPETIÇÃO

 

A Paula passou cá por casa, de passagem para a manif. Iria buscar a Binha para virem apanhar o comboio em S. Pedro. Lembrei a única manif. da minha vida, em que fui com a minha colega Alice, de ideais políticos opostos mas de idêntico equilíbrio e humor nos conceitos existenciais, apanhar o comboio em S. Pedro, para o Ministério da Educação, numa expressão do nosso repúdio pelas políticas educativas, mas desandámos antes em direcção à Baixa,acabando na pastelaria Central a comer marinos, uns bolinhos fofos da Central que o meu amigo Dr. Juiz Brites Ribas me levara a conhecer, anos antes, nas longas passeatas que demos na Lisboa dos seus velhos amores, tendo-nos conhecido numa bicha em volta da Fil, naquele ano de 75, onde íamos receber o vencimento moçambicano da altura, e onde trocáramos evocações, ficando ele agradado por ter encontrado em mim a faceciosa Regina de Sousa da Página da Mulher do Jornal Notícias de Lourenço Marques.

 

Também a minha filha e colegas, embora inicialmente aliadas ao grupo recalcitrante, acabariam no Corte Inglês a admirar as montras, deixando aos novos o trabalho da reclamação que o ideal democrático estabeleceu por cá e de que todos colhemos o usufruto, com os aumentos que tivemos nos nossos vencimentos, que os governantes ordenavam para nos calar as bocas ambiciosas, encobrindo os seus próprios jogos económicos, à custa de empréstimos sucessivos que a banca europeia fornecia e de que agora exige o pagamento que, naturalmente, não nos convém fazer, habituados que estamos à sedução de uma falsa abastança de que somos obrigados a prescindir.

E a Paula foi armada de uma rede de caçar borboletas, aonde juntou os textos e frases da sua reclamação. Estivera com o Ricardo, que escolhera a praia do seu comodismo, mas que em vinte minutos compusera um texto de protesto para a rede da irmã, que intitulara os seus textos de “O VAZIO”. Eis os textos, na sua sequência temporal:

 

“Muito maior açougue é o de cá, muito mais se comem os brancos."

                         (Padre António Vieira, séc. XVII, “Sermão de Santo António aos Peixes”, cap. IV)

 

“Se me lembro, Élia, tiveste

De belos dentes a posse:

Numa tosse dois se foram,

Foram-se dois noutra tosse.

 

Segura, noites e dias,

Podes tossir a fartar;

Podes, que tosse terceira

Já não tem que te levar. “

                         (Bocage - séc. XVIII)

 

 

“A única ocupação mesmo dos ministérios era esta - «cobrar o imposto» e «fazer o empréstimo». E assim havia de continuar…

(…) desse modo o país ia alegremente e lindamente para a bancarrota.

- Num galopezinho muito seguro e muito a direito… Ah, sobre isso ninguém tem ilusões… Nem os próprios ministros da fazenda! A bancarrota é inevitável; é como quem faz uma soma…"

                        (Eça, séc. XIX, “Os Maias, cap. VI)

 

 

“Eles comem tudo e não deixam nada…”

                        (Zeca, séc. XX)

 

“A morte saiu à rua num dia assim …só olho por olho e dente por dente vale… dente por dente assim, que um dia rirá melhor quem rirá por fim…”

                        (Zeca, séc. XX)

 

“E enquanto eles andam para trás e para a frente, para a esquerda e para a direita, nós não passamos do mesmo sítio.”

                        (Manuel, in Felizmente há Luar, de Luís de Sttau Monteiro - séc XX)

 

 

“Era uma vez um rei que fez promessa…

Era uma vez uma gente que construiu…

Era uma vez…”

                        (José Saramago, Memorial do convento - séc. XX)

 

Por um franguinho sem penas

Tive muito que penar.

Arranquei-as uma a uma

Vejam onde fui parar!

Veio o tipo da finança,

Queria o meu lucro cobrar,

Não se pode encher a pança

Sem outros alimentar.

A seguir veio o primeiro,

Que se diz ser rato velho.

As penas colou por inteiro,

Tornou-se o frango em coelho.

Proibiu-me que o trincasse,

Como se de sacro bicho se tratasse.

Roubei uma perna, fugi,

E vim comê-la p’r'aqui.

                        (Ricardo Lacerda - em dia de Manif, século XXI)

 

Quanto ao meu filho João, foi com um amigo no cortejo das reclamações, com a compostura do seu descontentamento.

Pobres destes nossos filhos e pobres dos filhos deles!

 

Estamos no século XXI, mas não independentes, como o fomos, aparentemente, por bula papal a partir de 1143, com um interregno de sessenta anos pelo meio, que homens patriotas desfizeram. Vivemos hoje e viveremos na dependura , vae victis!, condenados às marchas dos nossos contentamentos e também dos nossos descontentamentos. As marchas dão vazão às nossas alegrias e às nossas raivas. Os caminhos dos media fazem o resto. Mais na sombra, sensíveis unicamente ao eu e ao tu, insensíveis à palavra pátria e à ordem para a respeitar, em qualquer nação que se preze. Vae victis!

 

 Berta Brás

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D