Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

ECONOMIA E FINANÇAS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PIB per capita português

 

Não é preciso ser especialista de economia para ver alguns erros elementares que têm sido cometidos em Portugal neste domínio.

Quando à maior parte duma população já com um poder de compra relativamente baixo, se reduz brutalmente esse poder de compra, os resultados são indubitavelmente funestos para a economia e as finanças do país.

 

A redução do poder de compra foi, no caso português, resultado de três causas: aumento enorme dos impostos, redução dos salários ou a sua estagnação ou aumentos inferiores à inflação e extinção de serviços públicos, para obrigar a pagar a privados. Vejamos as consequências.

 

Os casos mais graves são os dos cidadãos cujos proventos apenas chegavam, sem folga, para os compromissos assumidos. Além da alimentação e vestuário, era grande encargo o empréstimo para a compra da casa. Um corte enorme nesse orçamento levou à incapacidade de pagar a prestação e, como a casa era a garantia do empréstimo... ficaram sem ela. Compreende-se o que isso causa na degradação duma qualidade de vida que já não era famosa. Numa tentativa de apagar os erros, apregoam que os portugueses se endividaram estouvadamente e estavam a viver acima das suas possibilidades. Não estavam, até lhes reduzirem drasticamente essas possibilidades. De 2005 até agora a redução do poder de compra, resultado das acções referidas não deve ter sido inferior a 50%.

A distribuição da carga fiscal mostra várias distorções, agravando o grupo dos de menos proventos. Em vez de assentar principalmente nos impostos directos, como o IRS, com o princípio de moral social em que quem tem mais paga uma taxa mais alta, sobrecarregam brutalmente os indirectos, como o IVA, em que ricos e pobres pagam a mesma taxa. Como já assinalei - mas os portugueses aceitam isso sem exigir alteração - a moralidade social acima referida, em relação ao IRS, tem um limite, não muito alto. Daí para cima desaparece.

 

A grande quebra no poder de compra da maior parte da população levou a uma grande diminuição no consumo. Essa diminuição tem como resultado o facto de muitas empresas, não podendo vender os seus produtos, começarem por despedir empregados e, em último caso, falirem. Uma consequência disso é uma drástica diminuição da matéria colectável, tanto dos seus antigos empregados como das empresas que desapareceram. Outra consequência é o aumento enorme dos encargos com os desempregados, cujo número mais que duplicou desde 2005, sendo já superior a 15%. Estes males, em reacção em cadeia, vão sendo cada vez mais graves. Pelos vistos, vão continuar.

 

Ao mesmo tempo, o governo muito pouco faz para aumentar o PIB, que só cresceu um pouco acima da média europeia no tempo do Primeiro Ministro Cavaco Silva. Com Guterres passou a crescer menos do que a média europeia e, com Sócrates, passou a diminuir, ou seja, entrámos em recessão. Como o défice orçamental e a dívida são expressos em função do PIB, quanto mais este desce, mais eles são agravados.

 

Não se vislumbram indícios desta reacção em cadeia terminar. Os portugueses só acreditarão na competência dos seus governantes quando o seu poder de compra subir significativamente. Quando, ou se, os portugueses tiverem um governo competente, ele vai ter um trabalho imenso a recuperar das destruições e delapidações destes últimos anos.

 

 Miguel Mota

 

Publicado no Linhas de Elvas de 13 de Setembro de 2012

 

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D