Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

O ÚLTIMO TESTE

 

 (*)

 

Vivemos actualmente um dos momentos mais decisivos da nossa vida democrática. Se conseguir passar o teste, Portugal poderá finalmente graduar-se como democracia sólida e actual. É espantoso que, envolvidos em enredos e tricas passageiros, as grandes referências da política nacional não estejam a dar-se conta desse significado.

 

A vida política do nosso país tem passado por épocas tristes e numerosos percalços. Em particular, no que toca ao regime democrático, a experiência foi perturbadora. As revoluções de 1820, 1834 e 1910 geraram catástrofes nacionais de gravidade crescente. As únicas experiências estáveis desse sistema, o Liberalismo regenerador e rotativista da segunda metade do século XIX e a Nova República Velha dos anos 1920, afundaram-se num marasmo de clientelismo, fraude, corrupção, caciquismo e inoperância. Até 1974 todas as tentativas tinham tido resultados péssimos. A única conclusão sensata seria dizer que o nosso povo não consegue viver em democracia.

 

Hoje podemos afirmar que Portugal passou o teste. O regime de Abril conseguiu aquilo que os séculos anteriores tinham falhado. Temos um regime político sólido, aberto e estável, que presidiu a mais de três décadas de progresso. Somos um país respeitado no exterior, membro activo dos melhores clubes internacionais. Apesar da recessão, dívida, queixas, suspeitas e até crimes e abusos, não estão em risco os pilares fundamentais da nossa liberdade e progresso. Passámos por crises fortes e graves dificuldades, como todas as nações do mundo, mas nunca voltámos aos pesadelos de caos ou podridão que assolaram décadas antigas, e que hoje vemos em alguns dos parceiros. Somos um país desenvolvido, sólido e dinâmico.

 

Conseguir este resultado não foi fácil e exigiu conquistas a vários níveis. Primeiro no campo cultural, onde se teve de expulsar os demónios da ignorância, tacanhez, extremismo e intolerância. Depois na estrutura social, vencendo antigas barreiras e preconceitos que nos dividiam. Em terceiro lugar houve conquistas decisivas a nível político, ultrapassando velhas quezílias, como as lutas entre absolutistas e liberais e entre monárquicos e republicanos, que ensanguentaram o País por mais de um século. Finalmente na área económica foi encontrado um equilíbrio que permitia a liberdade de iniciativa promovendo os direitos sociais básicos.

 

Em todos estes campos as vitórias nunca são definitivas e cada geração tem sempre de reajustar a situação. De qualquer modo, o nosso regime já mostrou que consegue resistir e funcionar razoavelmente. Nos quase 40 anos desde a revolução dos cravos somos um país normal e sereno. Só falta passar um quinto teste.

 

Uma das principais razões dos nossos anteriores fiascos democráticos esteve no campo financeiro. Nunca tivemos até hoje democracia com controlo das contas públicas: nem na Monarquia, nem na Primeira República, nem desde 1974. Com ditadura conseguimos orçamento equilibrado, como mostraram João Franco e António Salazar, mas na democracia ainda não.

 

É verdade que, também neste campo, o actual regime conseguiu resultados melhores que os anteriores. Temos sido poupados aos horrores do descalabro financeiro, sentidos sobretudo nos anos de falência externa: 1837-1841, 1845, 1852-1856 e 1890-1901. Não estamos como a Argentina ou a Grécia. Apesar disso a fragilidade é evidente. Por três vezes recorremos ao apoio internacional em situação desesperada, 1978, 1983 e 2011, e nos períodos intermédios repetidamente o Orçamento do Estado se tornou o tema político central, como fora nas anteriores épocas democráticas.

 

Por isso o momento actual é tão decisivo. Se, sob o programa da troika, Portugal fizer as reformas que coloquem o orçamento numa trajectória sustentável, teremos vencido o último, e em certo sentido o mais perigoso, demónio da nossa vida democrática. Não será fácil nem garantido, mas é esse o desafio central deste ano político. Estranho que ninguém pareça dar por isso. Pelo contrário, vários líderes assumem-se como agentes desse mal.

 

 JOÃO CÉSAR DAS NEVES 

 

in “DN”, 2012-09-03

 

(*)http://www.google.pt/imgres?q=democracia&um=1&hl=pt-PT&biw=1280&bih=919&tbm=isch&tbnid=KrP2kReBNML-YM:&imgrefurl=http://meuspensamentosfluem.blogspot.com/2012/05/estado-forte-e-sociedade-civil-fraca.html&docid=oZ-0WU_J2HaDeM&imgurl=https://1.bp.blogspot.com/-Yn393zLCeWQ/T8GQCz236EI/AAAAAAAAAaY/QWwSHOhE154/s400/democracia20080305psamla_2.jpg&w=400&h=400&ei=nNxKUOSpLePA0QW2pYDABQ&zoom=1&iact=hc&vpx=810&vpy=353&dur=6245&hovh=225&hovw=225&tx=116&ty=114&sig=109573699884915906692&page=2&tbnh=162&tbnw=162&start=21&ndsp=25&ved=1t:429,r:18,s:21,i:261

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D