Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

MILAGRE NO LAGO PARANOÁ

 

 

 

Para quem não sabe, o Lago Paranoá é um lago artificial em Brasília, no Distrito Federal, Brasil.

 

***

Há já alguns anos o homem surgia de mansinho, ninguém sabe de onde, e ia sentar-se junto ao lago. Ali ficava longe da confusão, do incessante barulho do trânsito, e a procurar ouvir cada pequenino chuá-chuá que as marolinhas daquelas águas vinham fazer junto aos seus pés.

Ainda relativamente jovem, deslocava-se com dificuldade, sempre com uma pequena vara na mão, dando a entender àqueles que o observavam com mais cuidado que devia ser cego.

Alimentava-se de algum pão, uns restos de quentinhas que algumas almas mais atentas lhe levavam, e à noite saia da borda do lago e desaparecia no tumulto. Ninguém sabia quem era, nem onde dormia, mas de dia a sua presença, sempre no mesmo lugar, era como um imóvel.

 

 

 

Um dia o Senhor olhou aquele homem, abandonado, e compadeceu-se. Demóstenes, era o seu nome, ouviu um suave chamado, e uma voz macia, perguntou-lhe como se chamava. Demóstenes Lula de Dirceu. Nome estranho diz o Senhor. Foi meu pai, que faleceu era eu ainda menino, que me deu este nome complicado. Demóstenes, porque um dia alguém lhe falou que devia por-me esse nome, de um grande orador grego, e que talvez assim eu pudesse chegar a ser deputado ou senador! Meu pai, pescador, pobre, no dia em que nasci pescou lá no sul do país uma grande lula e achou que era um bom sinal do bom Deus e decidiu que me chamaria Demóstenes Lula. Meu pai gostava muito de lulas! Escorregadias, difíceis de preparar e cozinhar, mas bem fatiadas, e fritas... E a minha mãe, que também já cá não está, sabia através de uma vizinha, senhora professora, que o mais lindo poema de amor composto no Brasil se chamava Marília de Dirceu. E acabei com o nome complicado que, quando criança, na escola e ainda os meus olhos viam, os coleguinhas me chamavam um monte de nomes para implicarem comigo.

Pouco depois do meu pai morrer comecei a ver mal, os médicos disseram que nada podia ser feito, deixei a escola e a minha mãe cuidava de mim. Mas tanto desgosto levou-a também e acabei, com pouco mais de dez anos, sózinho!

Agora estou nesta terra, todos os dias fico na borda da água que me traz algum fresco e vivo dos restos que algumas pessoas me trazem. Sobretudo crianças. Já ouvi até uma dizer aos pais que deviam levar-me lá para casa que ela cuidaria de mim. Só criança, mesmo. Lembro da resposta dos pais: está louca, minha filha! Um homem cego, imprestável, sabe-se lá se até é ladrão! Nunca mais apareceu.

Demóstenes, disse o Senhor, Eu me compadeci de ti e vou repor a tua visão. Quando daqui sair tu vais voltar a ver, bem. Como está um dia de sol terás que andar com os olhos bastante cerrados; com o pouco de dinheiro que sei que tens contigo, compra logo uns óculos escuros.

E lembra-te deste conselho: fala pouco, e dirás sempre que não viste nada, que não sabes de nada, que não conheces ninguém. Nesta terra é a melhor maneira de te dares bem.

A seguir, um silêncio profundo, Demóstenes começa por ver um clarão, muito sol, muito reflexo na água, e não sabia se havia de gritar de alegria ou de se ajoelhar agradecido. Olhou, com dificuldade ainda, à sua volta e não viu ninguém.

Olhos semi-cerrados corre à procura dum camelô que venda óculos a cinco reais, que logo encontrou.

Ainda pediu um troco aqui outro além e foi sentar-se num café – há tantos anos que ele desejava tomar um café, sentado numa mesa – e saboreou, confuso, o arôma, o gosto e sobretudo o que se estava a passar com ele.

Ouvido atento, que tantos anos foi o único sentido de orientação que possuia, além dum raro cheiro a churrasco que nunca alcançara, ouve com facilidade as conversas que se passam ao seu redor.

Curioso e cheio de vontade de começar algum trabalho que o tirasse da pobreza, pareceu-lhe entender que alguém, ali por perto, numa conversa entre dois homens, precisava duma pessoa, séria, desconhecida, humilde, que pudesse servir de “pombo correio” entre alguns importantes, e até dar seu nome para transações... escusas.

Demóstenes continua a ver ali a mão de Deus que tão logo lhe parece mostrar um caminho fácil.

Quando um deles se levantou e saíu, Demóstenes, humildemente cumprimenta o que ficou e diz-lhe que, mesmo sem ter querido, ouvira a conversa. Óculos escuros, continuando a parecer cego, atraveu-se a dizer que não tinha trabalho porque havia sofrido duma doença rara, mas que agora tinha saúde e precisava trabalhar.

- Você pode andar, a pé, distâncias maiores?

- Sim senhor, felizmente as minhas pernas sempre foram fortes.

- Apareça amanhã, pela manhã neste endereço – e deu-lhe um cartão de visita. E como é o seu nome?

- Demóstenes, meu senhor.

- Demóstenes? Que maravilha! Para o que estamos a pensar você será a pessoa ideal.

Demóstenes, logo que sózinho, levantou um pouco os óculos e leu: “Demóstenes – Senador; Senado Federal”!

Dia seguinte, bem cedo o nosso Demóstenes aguardava já à entrada do Senado. O glorioso senador chegou quase ao fim da manhã e quando o avisaram que estava ali um homem à procura dele, logo o mandou entrar.

- Oiça bem: tudo quanto eu lhe der para fazer fica só entre nós. Bico calado e boca pequena. Vou nomeá-lo para o meu gabinete, com o ordenado de quinze mil reais por mês, dos quais você, quando receber, me entrega quatorze. Quer dizer você fica com mil para si. O que acha?

Demóstenes não entendeu bem a jogada, mas os mil por mês para quem nada tinha, era já por si um milagre.

- Sim, excelência.

- Agora para começar você vai entregar este envelope, vazio, ao sr. Cachoeira. A minha secretária lhe dará o endereço. O sr. Cachoeira saberá o que fazer com o envelope. Passar bem.

- Até mais, excelência.

Demóstenes correu para o endereço indicado. Cachoeira recebeu o envelope vazio, entendeu a mensagem, recheou-o com notas de 50 e 100 reais, e disse-lhe para retornar ao senador.

Além desse tinha mais um outro envelope, também gordo, que mandou para o lulinha.

Por fim disse-lhe para voltar no dia seguinte que teria mais envelopes para distribuir.

- Mas atenção você, não ouviu nada, não sabe de nada, nunca aqui esteve, nem vê nada!

- Não senhor; aliás eu vejo muito mal!

No outro dia o envelope, mais gordo ainda foi para o dirceuzinho.

E nesta vida anda o nosso Demóstenes, ex-cego, correndo para um lado e outro, ganhando só mil por mês, parte gasto em sapatos, até que um dia, até que um dia... é preso pela Polícia Federal!!!

Ele, um homem humilde, simples, que mal ganhava para comer, e continuava a morar quase de favor num canto duma garagem, era acusado de ser sócio de grandes empresas!

- EU ????? Sócio do quê?

- Sim senhor, quer saber?

- Claro que quero saber!

- Sócio duma construtora, Delta, com ações no valor de quinhentos mil reais; e de mais sete empresas diversas que lhe somam um patrimônio de mais de quatro milhões! Onde você arranjou esse dinheiro?

- Você vai ter que se explicar em tribunal e na CPI.

Demóstenes perdeu a fala. Arrenegou o Senhor e a sua fé, o xará senador, cachoeira, lulinha e dirceuzinho.

Além da fala perdeu de novo a visão. Cairam-lhe os óculos da cara. Estava cego!

De repente caíu para o lado; morto.

Na Delegacia foi um pandemônio. Eles sabiam que Demóstenes só podia ser um pobre laranja. Asustaram-no e... perderam a melhor testemunha!

A CPI não ia mesmo dar em nada.

 

Rio de Janeiro, 22/06/2012

 

 Francisco Gomes de Amorim

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D