Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Culturas... ou inculturas?

 

 

Muito se criticam entre si os povos de culturas diferentes! Cada um acha que a sua cultura ou o seu Deus é que estão certos, criticam, ridicularizam, e, quantas vezes tentam interferir, e interferem, na vida dos outros. A bem ou na espada!

A história mostra-nos dezenas, centenas de casos de intolerância!

Nós, ocidentais, continuamos indignados com algumas práticas selváticas, ainda em rigoroso vigor nalguns países, como a excisão feminina (ou circuncisão feminina). Uma forma de bestialidade é o domínio do homem sobre a mulher, que resignadas e medrosas sofrem toda a espécie de abuso.

Outra situação que não compreendemos é o usa da burca. A mulher obrigada a usar aquela carapaça, nos dias quentes, deve estufar.

Por outro lado há outros hábitos como o ichad (que deu origem a écharpe), aquele véu com que as mulheres árabes cobrem a cabeça deixando o rosto à vista, que podem considerar-se perfeitamente normais.

 

(*)

Todos os povos – mulheres – do mediterrâneo usavam, e muitas ainda usam esse lenço, como é fácil encontrar nas mulheres mais idosas, em Portugal, na Grécia, na Espanha. Não é uma invenção árabe, mas um costume que vem de muito antes do islamismo.

Nos séculos anteriores, do XX para trás, a evolução da moda fez muitas mulheres trocarem esse lenço por chapéus, e os homens, os turbantes também por chapéus vários, como as cartolas, os “coco”, palhinha, etc.

No princípio do século XX, em Portugal, os homens ficavam excitados só ao verem o tornozelo das mulheres, ao subirem, por exemplo, para uma carruagem!

Mas enquanto a “evolução” não começou a despir homens e mulheres, sobretudo as mulheres, o interesse pelo sexo oposto era muito mais respeitoso. Era bonito.

Consta que um dos problemas que derrubou o Império Romano, foi a bandalheira de costumes em que se envolveram os seus maiores. Prostituição descarada, adultério, sodomia, eram exibidos como demonstração de “status”!

O mais grave de tudo isto é a destruição do núcleo central de qualquer sociedade: a família.

Causa até mau estar assistir-se hoje ao estímulo do sexo desenfreado, sexo livre, como se isso fosse um “valor adquirido”! Cada um dispor do seu corpo para fins unicamente de prazer... quando dá prazer! Isso é liberdade? Ou liberdade não será cada um impor a sua moral?

Qualquer revista, mesmo que o assunto seja literatura ou filosofia, “obriga-se”, para chamar a atenção dos idiotas, a trazer na capa a figura duma mulher despida ou mostrando estupidamente o quanto de silicone conseguiu colocar no peito! E não só no peito: na bunda, nas coxas, nas rugas da cara, e que as operações plásticas acabam por desfigurar.

Calcula-se que largas centenas de milhares de mulheres fizeram implantes nos peitos. Para quê tudo isso? Mas não são só as mulheres!

A quantidade de homens que fazem plástica, usam botox, ou implantes para mostrar braço e perna fortes, músculos abdominais (de mentirinha), passa dos 20% de todo esse grande negócio. Alguns conhecidos actores de cinema, hoje parecem mais bonecos de cera do que gente.

Mas há outros hábitos culturais, difíceis até de qualificar.

Há dias, em Brasília, na piscina de um clube, um funcionário da Embaixada do Irão, enquanto nadava na piscina, com crianças, foi metendo a mão nas pernas de garotinhas de 10 a 12 anos. Uma, já de 14, foi queixar-se ao gerente do clube que logo interditou a piscina. E começa a polémica. O iraniano tem imunidade diplomática. O governo brasileiro reclamou e a Embaixada dos aitolás respondeu que não via nada de mal no assunto: era só uma questão de “culturas diferentes”! O caso está a ser investigado para ver se pode indiciar o miserável. Parece que entretanto ele já deu o fora para casa, onde, para manter a sua “cultura” viva deve ir meter a mão nas saias da mãe... do Hamanidejah ou do aitolá!

Outra “cultura” interessante é a dos americanos. Maravilha.

Para que não pensem ser invenção minha, passo a transcrever uma notícia escrita por uma jornalista americana:

 

Quanta bobagem

 DORRIT HARAZIM

Será difícil para qualquer país, mesmo do quinto mundo, con­seguir superar a mais recente estultice dos Estados Unidos. Berço do politicamente correcto e in­cubadora das versões mais xiitas da prática, a nação americana acaba de ultrapassar um novo patamar.

Uma directriz da Secretaria de Ensino de Nova York enviada semanas atrás a várias empresas que elaboram testes educacionais pa­ra a prefeitura, parece saída de um programa de humor. Ela lista meia centena de palavras, tópicos ou referências que devem ser evitados, diz a instrução, "para não provocar emoções desagradáveis nos estu­dantes".

As palavras proibidas são tão anódinas que não mereceriam registro algum. Acopladas ao arrazoado que as acompanha para justificar o veto, contudo, elas adquirem vida no­va e delirante. Alguns exemplos:

"Dinossauros" — segundo os zelo­sos educatecas nova-iorquinos, os simpáticos dinos, que de tão queridos pela garotada já foram rebaptizados pe­lo diminutivo, arriscam evocar a evo­lução das espécies e portanto ferir as susceptibilidades de crianças forma­das dentro dos preceitos do fundamentalismo criacionista.

"Aniversários" — seguidores das Testemunhas de Jeová não costumam celebrar a data, portanto melhor evi­tar. Aproveitando a ocasião, convém também banir menção ao inofensivo (embora irritante) Halloween, o Dia das Bruxas, hoje imitado no Brasil, por sugerir paganismo. E "dança", seja na forma verbal ou substantiva, só se for na modalidade balê.

Na mesma linha, conceitos como "terrorismo" foram previsivelmente considerados por demais assustado­res, e "escravidão", por via das dúvi­das, também merece ficar fora de testes de avaliação.

Segundo a porta-voz da secretaria municipal da pasta, ou­vida pelo "New York Post", alguns desses tópicos, "embora perfeita­mente aceitáveis em ou­tro contexto, não se en­quadrariam numa avali­ação mais ampla da rea­lidade da cidade". Há quem divirja. O que fazer com Mitt Romney, o candidato (quase) oficial do Parti­do Republicano, encar­regado de enxotar o pre­sidente Barack Obama da Casa Branca em Novembro próximo? Uma das ins­truções no novo léxico politicamente correcto recomenda passar ao largo lu­xos e riqueza, piscinas e mansões, pa­ra não melindrar sensibilidades soci­ais. "A intenção é evitar ofender ou prejudicar qualquer aluno por ele ter pouca familiaridade prévia com o te­ma", explicou o porta-voz da Core Knowledge, uma das fundações que elabora testes educacionais no país.

Coincidentemente, dias atrás, Rom­ney liderou o noticiário em boa parte da mídia por algo tão tolo como a directriz sobre os testes, mas que nela en­controu um ponto de intersecção. Se­gundo revelou o jornal electrónico "Po­lítico", o ex-governador de Massachusetts aproveitaria a reforma que pretende fazer numa casa em La Jolla na costa do Pacífico, para instalar um elevador interno e uma lavadora automá­tica para os quatro automóveis que mantém na casa de praia.

Foi um brouhaha. De uma hora para outra todo mundo queria detalhes desse elevador capaz de lhe trazer o carro quase até a mesa de jantar, e Romney arriscou ser crucificado por teimar em ser bilionário e usar o di­nheiro da forma que melhor lhe con­vém. Ou, na ponta oposta do ideário partidário, ser admirado justamente por se ter tornado bilionário e usar a fortuna como quiser. Como opinou o tuiteiro David Waldman na secção de humor que o episódio gerou, "certa­mente há razões sólidas para se ter um elevador doméstico de carros. Você apenas não é rico o suficiente para saber quais são elas". Eike Batista, que até pouco tempo tinha na sala a Mercedes SLTL-McLaren usada pelo filho Thor, além de uma Lamborghini, sabe.

Disparidades sociais são difíceis de deletar com uma canetada. Mais difíceis ainda do que convencer a molecada do Harlem ou do Brooklyn a não se interessar ainda mais pelos hábitos da actriz australiana Nicole Kidman, que recentemente se tor­nou a primeira moradora de Manhattan a ter um elevador que lhe leva o carro até a cobertura que ocupa em Chelsea.

 

Fica para a próxima o comentário sobre o tal de Mitt Romney, que estou a ver na minha bolinha de cristal!

 

Rio de Janeiro, 23/04/2012

 

 Francisco Gomes de Amorim

 

(*)http://www.google.pt/imgres?q=burka&um=1&hl=pt-PT&biw=1366&bih=643&tbm=isch&tbnid=HYdzWokgUzK1zM:&imgrefurl=http://bananapeople.wordpress.com/2011/08/02/burka-cada-vez-mais-restrita-pelo-mundo-sera-que-o-habito-faz-o-monge-mesmo/&docid=dcM51QM-MTx_FM&imgurl=http://bananapeople.files.wordpress.com/2011/08/burka.jpg&w=400&h=385&ei=uUgvUNybLI3s0gW2qoDwDA&zoom=1&iact=hc&vpx=177&vpy=284&dur=446&hovh=220&hovw=229&tx=124&ty=115&sig=109766553202599468647&page=1&tbnh=138&tbnw=147&start=0&ndsp=21&ved=1t:429,r:7,s:0,i:91

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D