Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

PORQUÊ TANTA CRISE?

 (*)

É sabido, cansados de saber, que a crise provém, em primeiro lugar, pelo desaforo dos gastos públicos, de dinheiro fácil, do descontrole, mas principalmente pela roubalheira que o “sistema” financeiro internacional, com o beneplácito dos governos – de TODOS os governos - pratica impunemente em cima de todos e qualquer um sem querer saber das consequências.

 

O “pai” da crise, é, evidente, a Suíça. Foi lá que os gangsters inventaram as contas secretas, e por onde começou a sugar-se o dinheiro dos países. Há muitos anos, e ninguém teve coragem de lhes ir em cima, porque, porque?, todos estavam mancomunados no roubo.

Até que surgiram os chamados “paraísos fiscais”. Lembro uma conversa que tive uma vez, a seguir ao 25barra4, com alguém que estava ligado aos serviços secretos ingleses, em que fiquei a saber que os americanos pretendiam criar um desses paraísos nos Açores, para fazerem concorrência à Suíça. Como ficou... não sei. Ficou pelo menos na Madeira! O que é sabido é que paraísos existem em toda a parte, e segundo pesquisa na Internet são os seguintes:

 

Andorra; Anguilla; Antígua e Barbuda; Antilhas Holandesas; Aruba; Bahrein; Barbados; Belize; Campione d'Italia; Chipre; Singapura; Comunidade das Bahamas; Djibouti; Dominica; Emirados Árabes Unidos; Estados Unidos (não ocorre cobrança de imposto de residente que tem capital emprestado em outro país, estimulando o investidor a aplicar os juros em sua economia); Federação de São Cristóvão e Nevis; Gibraltar; Granada; Hong Kong; Região Autónoma da Madeira; Ilha de Man; Ilha Niue; Ilhas Bermudas; Ilhas Cayman; Ilhas Cook; Ilhas do Canal (Alderney, Guernsey, Jersey e Sark); Ilhas Marshall; Ilhas Maurício; Ilhas Montserrat; Ilhas Turks e Caicos; Ilhas Virgens Americanas; Ilhas Virgens Britânicas; Labuan; Líbano; Libéria; Liechtenstein; Luxemburgo (no que respeita às sociedades holding regidas, na legislação luxemburguesa, pela Lei de 31 de julho de 1929); Macau; Maldivas; Malta; Mónaco; Nauru; Panamá (facilidades para instalação de estaleiros); Paraguai (isenção de impostos para empresas que lá se instalarem e é permitida a repatriação total de lucros); República da Costa Rica; Samoa Americana; Samoa Ocidental; San Marino; Santa Lúcia; São Vicente e Granadinas; Sealand; Seychelles; Suíça (níveis moderados de tributação e segredo bancário); Sultanato de Omã; Tonga; Uruguai (imposto de 0,3 % para sociedade anónima de investimentos financeiros); Vanuatu (também Novas Hébridas).

 

Se algum dos leitores tiver um troquinho sobrando... a dificuldade é escolher o paraíso!

 

Uma alegria! Não há por que ter medo das autoridades (?) monetárias porque os donos da grana podem andar a passear com ela de um lugar para outro sem que sejam apanhados!

 

Vejam só quanto anda por esses paraísos, enquanto nós estamos entre purgatório e inferno, no artigo abaixo.

 

E... alguém vai fazer alguma coisa? Boa piada. Ninguém atira pedras ao ar!

 

*****

Do jornal “O Globo”, 23/07/2012

Bruno Villas Boas

 

Os milionários brasileiros têm uma fortuna estimada em US$ 520 biliões, o equivalente a mais de R$ 1 trilião, depositada em paraísos fiscais, o quarto maior volume de recursos do mundo, atrás apenas dos chineses (US$ 1,8 trilião), russos (US$ 798 biliões) e sul-coreanos (US$ 779 biliões).

 

Para se ter uma ideia dessa “sangria”, o dinheiro brasileiro expatriado para centros de sonegação fiscal seria suficiente para pagar metade da dívida pública federal (R$ 1,9 trilião) e supera a arrecadação de impostos federais no ano passado (R$ 993 bilhões).

Os números estão num estu­do brasileiro divulgado ontem pela organização inglesa Tax Justice Network. O levantamento revela ainda que milionários de 139 países tinham entre US$ 21 e US$ 32 triliões depositados "offshores" ao fim de 2010.

 

O valor equivale ao Produto Interno Bruto (PIB, soma de bens e serviços produzidos) dos Estados Unidos e Japão somados.

"O estudo examinou um enorme 'buraco negro' da economia mundial que nunca foi mensurado, a riqueza privada offshore, um vasto volume de ganhos que não são tributados", expli­cou o economista americano James Henry, ex-chefe da con­sultoria McKinsey, contratado para comandar a pesquisa.

 

Somente 100 mil milionários, que formam uma elite financeira global, respondem por US$ 9,8 triliões do dinheiro depositado em paraísos fiscais. O tamanho da fortuna chama a atenção em um momento que os países pre­cisam arrecadar impostos e cor­tar seus gastos para enfrentar a crise financeira internacional.

 

O estudo revelou ainda que 50 bancos privados movimen­taram US$ 12,1 triliões entre as fronteiras dos países em 2010, para os seus clientes. Os destaques ficam para três gi­gantes globais: UBS, Crédit Suisse e Goldman Sachs.

 

"O sector offshore — especia­lizado em sonegação fiscal — é desenhado e operado não por obscuros bancos sem nome, em ilhas sumptuosas, mas pelos maiores bancos privados do mundo, escritórios de direito e de contabilidade sediados em capitais como Londres, Nova York e Genebra", diz Henry.

 

O trabalho não detalha a par­ticipação desses bancos na so­negação de impostos no Bra­sil. O documento teve como fonte dados do Fundo Monetá­rio Internacional (FMI), Banco Mundial e Banco de Compensações Internacionais (BIS).»

 

 

 

E, cadê Angola? E Guiné Equatorial?

 

O quadro acima denota uma situação muito curiosa: quanto menos confiança nos governos mais grana se pôe a andar. Infelizmente o Brasil ficou em quarto lugar!

 

Nem nas Olimpíadas ganharia uma medalha!

 

Rio de Janeiro, 23/07/2012

 

 Francisco Gomes de Amorim

 

(*)http://www.google.pt/imgres?um=1&hl=pt-PT&sa=N&biw=1311&bih=617&authuser=0&tbm=isch&tbnid=8qbBPKH5g_4QnM:&imgrefurl=http://democraciapolitica.blogspot.com/2011/12/inutil-moralidade-seletiva-da-midia.html&docid=5xcd8BD7QHSraM&imgurl=https://1.bp.blogspot.com/-oDM0yDrtx18/TuX8zC9LgEI/AAAAAAAAIX0/Jq_OLLF5yyk/s1600/paraiso%252Bfiscal.jpg&w=400&h=353&ei=hQQqUIqnOa-20QXu1ICYCg&zoom=1&iact=hc&vpx=112&vpy=137&dur=397&hovh=211&hovw=239&tx=117&ty=89&sig=109766553202599468647&page=1&tbnh=131&tbnw=147&start=0&ndsp=20&ved=1t:429,r:0,s:0,i:72

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D