Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

PORQUÊ TANTA CRISE?

 (*)

É sabido, cansados de saber, que a crise provém, em primeiro lugar, pelo desaforo dos gastos públicos, de dinheiro fácil, do descontrole, mas principalmente pela roubalheira que o “sistema” financeiro internacional, com o beneplácito dos governos – de TODOS os governos - pratica impunemente em cima de todos e qualquer um sem querer saber das consequências.

 

O “pai” da crise, é, evidente, a Suíça. Foi lá que os gangsters inventaram as contas secretas, e por onde começou a sugar-se o dinheiro dos países. Há muitos anos, e ninguém teve coragem de lhes ir em cima, porque, porque?, todos estavam mancomunados no roubo.

Até que surgiram os chamados “paraísos fiscais”. Lembro uma conversa que tive uma vez, a seguir ao 25barra4, com alguém que estava ligado aos serviços secretos ingleses, em que fiquei a saber que os americanos pretendiam criar um desses paraísos nos Açores, para fazerem concorrência à Suíça. Como ficou... não sei. Ficou pelo menos na Madeira! O que é sabido é que paraísos existem em toda a parte, e segundo pesquisa na Internet são os seguintes:

 

Andorra; Anguilla; Antígua e Barbuda; Antilhas Holandesas; Aruba; Bahrein; Barbados; Belize; Campione d'Italia; Chipre; Singapura; Comunidade das Bahamas; Djibouti; Dominica; Emirados Árabes Unidos; Estados Unidos (não ocorre cobrança de imposto de residente que tem capital emprestado em outro país, estimulando o investidor a aplicar os juros em sua economia); Federação de São Cristóvão e Nevis; Gibraltar; Granada; Hong Kong; Região Autónoma da Madeira; Ilha de Man; Ilha Niue; Ilhas Bermudas; Ilhas Cayman; Ilhas Cook; Ilhas do Canal (Alderney, Guernsey, Jersey e Sark); Ilhas Marshall; Ilhas Maurício; Ilhas Montserrat; Ilhas Turks e Caicos; Ilhas Virgens Americanas; Ilhas Virgens Britânicas; Labuan; Líbano; Libéria; Liechtenstein; Luxemburgo (no que respeita às sociedades holding regidas, na legislação luxemburguesa, pela Lei de 31 de julho de 1929); Macau; Maldivas; Malta; Mónaco; Nauru; Panamá (facilidades para instalação de estaleiros); Paraguai (isenção de impostos para empresas que lá se instalarem e é permitida a repatriação total de lucros); República da Costa Rica; Samoa Americana; Samoa Ocidental; San Marino; Santa Lúcia; São Vicente e Granadinas; Sealand; Seychelles; Suíça (níveis moderados de tributação e segredo bancário); Sultanato de Omã; Tonga; Uruguai (imposto de 0,3 % para sociedade anónima de investimentos financeiros); Vanuatu (também Novas Hébridas).

 

Se algum dos leitores tiver um troquinho sobrando... a dificuldade é escolher o paraíso!

 

Uma alegria! Não há por que ter medo das autoridades (?) monetárias porque os donos da grana podem andar a passear com ela de um lugar para outro sem que sejam apanhados!

 

Vejam só quanto anda por esses paraísos, enquanto nós estamos entre purgatório e inferno, no artigo abaixo.

 

E... alguém vai fazer alguma coisa? Boa piada. Ninguém atira pedras ao ar!

 

*****

Do jornal “O Globo”, 23/07/2012

Bruno Villas Boas

 

Os milionários brasileiros têm uma fortuna estimada em US$ 520 biliões, o equivalente a mais de R$ 1 trilião, depositada em paraísos fiscais, o quarto maior volume de recursos do mundo, atrás apenas dos chineses (US$ 1,8 trilião), russos (US$ 798 biliões) e sul-coreanos (US$ 779 biliões).

 

Para se ter uma ideia dessa “sangria”, o dinheiro brasileiro expatriado para centros de sonegação fiscal seria suficiente para pagar metade da dívida pública federal (R$ 1,9 trilião) e supera a arrecadação de impostos federais no ano passado (R$ 993 bilhões).

Os números estão num estu­do brasileiro divulgado ontem pela organização inglesa Tax Justice Network. O levantamento revela ainda que milionários de 139 países tinham entre US$ 21 e US$ 32 triliões depositados "offshores" ao fim de 2010.

 

O valor equivale ao Produto Interno Bruto (PIB, soma de bens e serviços produzidos) dos Estados Unidos e Japão somados.

"O estudo examinou um enorme 'buraco negro' da economia mundial que nunca foi mensurado, a riqueza privada offshore, um vasto volume de ganhos que não são tributados", expli­cou o economista americano James Henry, ex-chefe da con­sultoria McKinsey, contratado para comandar a pesquisa.

 

Somente 100 mil milionários, que formam uma elite financeira global, respondem por US$ 9,8 triliões do dinheiro depositado em paraísos fiscais. O tamanho da fortuna chama a atenção em um momento que os países pre­cisam arrecadar impostos e cor­tar seus gastos para enfrentar a crise financeira internacional.

 

O estudo revelou ainda que 50 bancos privados movimen­taram US$ 12,1 triliões entre as fronteiras dos países em 2010, para os seus clientes. Os destaques ficam para três gi­gantes globais: UBS, Crédit Suisse e Goldman Sachs.

 

"O sector offshore — especia­lizado em sonegação fiscal — é desenhado e operado não por obscuros bancos sem nome, em ilhas sumptuosas, mas pelos maiores bancos privados do mundo, escritórios de direito e de contabilidade sediados em capitais como Londres, Nova York e Genebra", diz Henry.

 

O trabalho não detalha a par­ticipação desses bancos na so­negação de impostos no Bra­sil. O documento teve como fonte dados do Fundo Monetá­rio Internacional (FMI), Banco Mundial e Banco de Compensações Internacionais (BIS).»

 

 

 

E, cadê Angola? E Guiné Equatorial?

 

O quadro acima denota uma situação muito curiosa: quanto menos confiança nos governos mais grana se pôe a andar. Infelizmente o Brasil ficou em quarto lugar!

 

Nem nas Olimpíadas ganharia uma medalha!

 

Rio de Janeiro, 23/07/2012

 

 Francisco Gomes de Amorim

 

(*)http://www.google.pt/imgres?um=1&hl=pt-PT&sa=N&biw=1311&bih=617&authuser=0&tbm=isch&tbnid=8qbBPKH5g_4QnM:&imgrefurl=http://democraciapolitica.blogspot.com/2011/12/inutil-moralidade-seletiva-da-midia.html&docid=5xcd8BD7QHSraM&imgurl=https://1.bp.blogspot.com/-oDM0yDrtx18/TuX8zC9LgEI/AAAAAAAAIX0/Jq_OLLF5yyk/s1600/paraiso%252Bfiscal.jpg&w=400&h=353&ei=hQQqUIqnOa-20QXu1ICYCg&zoom=1&iact=hc&vpx=112&vpy=137&dur=397&hovh=211&hovw=239&tx=117&ty=89&sig=109766553202599468647&page=1&tbnh=131&tbnw=147&start=0&ndsp=20&ved=1t:429,r:0,s:0,i:72

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D