Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

MAS DESCULPA

 

 

Por alturas das eleições presidenciais francesas que fizeram ascender François Hollande ao estrelato governativo, colhi, nos habituais comentadores das nossas távolas dos mais variados feitios, os comentários adequados às suas tendências ideológicas específicas, os das direitas mais delicadamente, no receio do seu edifício de austeridade ruir, os das esquerdas congratulando-se, não por convicção real numa mudança eficaz para o povo martirizado, mas pelo que isso significaria de vexame que arrumaria com os do nosso governo que tanto têm martirizado o povo, e que assim receberiam de Hollande o exemplo do que é ser-se bom político, com os mundos e fundos que aquele prometeu ao seu povo, obtidos de uma Merckel não mais reticente, como a que se mostrava com o do governo e do partido anteriores, o safado do Sarkozy.

 

Propunha-se, assim, Hollande, minorar, se não mesmo extinguir, a austeridade confrangedora dos nossos tempos, sobretudo para os franceses há muito reivindicadores da democracia e do liberalismo próprios dos espíritos esclarecidos, e, por isso, menos adaptados às penúrias, embora a sua Révolution não apresentasse os cravos rubros da nossa, por terem preferido o vermelho do sangue derramado em carnificina adequada, que trouxe a paridade entre os cidadãos, como verificamos nas carnificinas dos nossos tempos.

 

Mas foi Vasco Pulido Valente quem soube definir a questão da previsibilidade de uma nova política, com a inteligência e a isenção do historiador e do literato, em texto do Público de 7 de Julho - «Fantasia» - que transcrevo:

 

 A nossa esquerda doméstica anda embalada com a ideia de que o sr. Hollande mudou a “orientação” da “Europa” e criou um “novo consenso” favorável ao crescimento.

Como qualquer pessoa sensata perceberá, tudo isto não passa de uma fantasia. A eleição do Presidente francês e o velho missionarismo e megalomania da França inspiraram algumas personagens do PS e da família mais próxima a esperar uma qualquer “revolução” que os salvasse. Esta história, que vem da noite dos tempos, não conta com os factos nem com a desagradável realidade em que hoje, por nosso mal, vivemos. Para começar, fora algumas frases sem sentido de que se aliviou orgulhosamente em público, Hollande não conseguiu nada. E foi o italiano Monti, um primeiro ministro “ad hoc” que à superfície pareceu abrandar um pouco a Sra. Merckel. Em pontos que de resto não interessam muito a Portugal.

O que não admira. A França está muito mais perto da Itália do que da Alemanha: tem, na prática, uma economia estagnada (com menos de 0,4% de crescimento, em 2012); o desemprego está em 10%; o défice (agora em 5,2%) não descerá provavelmente para os 4,5%, de acordo com um compromisso que o próprio Hollande aceitou; e a dívida cresce sem limite visível. Por cima disto, que bastava e sobrava, o indomável espírito socialista resolveu aumentar o salário mínimo, diminuir a idade da reforma e contratar 60000 professores, como exemplo inaugural de bonança futura. Claro que já se fala num “plano de rigor”, de que fatalmente faz parte o despedimento de 15000 funcionários públicos por ano. O espectáculo Hollande acabou à nascença.

Mas, como sempre, continua em Portugal. Por puro ódio à sra. Merckel, que meia dúzia de patetas chegam a comparar com Hitler, e pela imaginária derrota com que a França socialista (com uma pequena ajuda de Monti) abateu a prepotência teutónica e reaccionária. Isto, em si mesmo, seria inofensivo. Infelizmente, houve por aí muita criatura (às vezes com prestígio público e um módico de responsabilidade) que de facto se convenceu que de uma maneira ou de outra a crise não irá durar ou que daqui em diante não será tão severa. Esta indigna mentira, que se funda em mentiras, só pode aumentar o sofrimento geral e criar ao governo mais dificuldades.

Não acredito que a indiferença portuguesa desta vez, como de costume, a desculpe.

 

Um texto brilhante de lucidez e bom senso. Bom senso que não provaram ontem, na Quadratura do Círculo, nem Pacheco Pereira nem António Costa, mais interessados em denegrir o discurso de Passos Coelho, no Parlamento e a sua acção governativa, sem lhe concederem mérito nem lhe desculpabilizarem o rigor com os considerandos das contingências a que o envolvimento com a Troika fez mergulhar o país, por meio de uma acção governativa pendente de um louvável objectivo de pagar uma dívida facinorosa proveniente de governos anteriores, pagamento considerado como ponto de partida para uma evolução positiva. Lobo Xavier, como sempre cordato e igualmente brilhante, usou argumentos de ponderação indispensáveis, porque sem parti pris.

 

Uma lição de história esta de Vasco Pulido Valente. Só não acredito que tenha razão na sua frase final a respeito da sua não crença na indiferença portuguesa perante a mentira propalada pela esquerda do abrandamento do rigor financeiro graças ao novo governo francês, mentira propalada no intuito de criar mais dificuldades ao governo português.

 

Se os portugueses não se importam de fazer greves nesse mesmo intuito – o de criar dificuldades ao governo, que tem criado muitas dificuldades aos portugueses –como não iriam desculpar essa mentira do novo eldorado que até lhes traz novas esperanças de vida?

 

Amigos, amigos, esperanças à parte.

 

Ai não, que não desculpa!

 

 Berta Brás

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D