Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

HISTÓRIAS VIVIDAS

 

 

Crónica de uma pequena cidade

                       

Debaixo de toldos improvisados, enfeitados com bandeirolas multicoloridas, sentados a uma das mesas que se aglomeravam naquele espaço exíguo, estavam o padre, o juiz e o médico da vila. Era uma noite de final de Junho quando a pequena comunidade estava reunida para comemorar São João e arrecadar dinheiro na quermesse para ajudar nos reparos que a velha Igreja já há anos pedia. O cheiro de pipoca quentinha, algodão doce, quentão e canjicada, pelo ar rescendia. Em algazarra, a rapaziada acompanhava com gargalhadas, a cada tentativa frustrada, o sobe e desce dos moleques no pau-de-sebo. Um calor reconfortante aquecia aqueles que da fogueira crepitante se aproximavam para espantar o frio. A bandinha, em altos e baixos, marcava presença tocando maxixes e modinhas enquanto os rapazes e as moçoilas, vestidas com roupas de chita, rendas e fitas, ensaiavam a quadrilha. Estopins, bombinhas, fogos de artifício, faziam a alegria da meninada em reboliço. As senhoras dedicadas, sempre muito ocupadas, ajudavam nas prendas e barraquinhas.

 

O prestigiado grupo de letrados a tudo assistia, versejava, punha em pauta as últimas noticias. O médico, novo na vila, já com fama de bom doutor e de ser também um “gozador”, atraía a atenção dos interlocutores com suas estórias.

 

- Mas então doutor, porque falhou ao nosso encontro semanal? Tem tido muito serviço? Perguntou o juiz.

 

Com um sorriso maroto, despertando curiosidade, respondeu jovem esculápio:

 

- O amigo sabe como é o trabalho de médico. Não tem dia e nem hora para acabar... . Na quinta-feira, ao fechar o consultório, no final da tarde, quando já me aprontava para o nosso habitual encontro, recebi uma chamada telefónica que me fez sair da rotina e mudar de rumo. Passei então que passei uma noite extraordinária...

 

A última frase do médico deixou o padre um pouco desconfortável, enquanto o juiz, atiçado, estimulava a prosa. Sem se fazer de rogado o jovem médico continuou...

 

- Estava-me preparando para sair quando o telefone tocou e uma voz feminina, amigável, particularmente me sensibilizou ao relatar que estava preocupada. A filha estava com febre e pedia que eu fosse vê-la. O que prontamente eu atendi. Ao verificar que não era nada de grave, apenas um pequeno resfriado, tranquilizei a jovem senhora, que agora já descansada, insistente, me convidava para ficar e jantar com ela. Foi assim que saí da rotina e que passei uma noite muito agradável com minha mulher e filha, lá em casa... Concluiu o médico com um sorriso ao ver a cara aliviada dos ouvintes.

 

Histórias de vida daqueles que vieram e vivem nas nossas longínquas e interioranas paragens...

 

 Maria Eduarda Fagundes

 

Uberaba, 27/07/12

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D