Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

QUANDO AS AMIGAS CONVERSAM...

SEM VOLTA

 

Falámos dos comentários que as nossas fotos mereceram no meu blogue – a minha filha, a fotógrafa, escrevera:” “Realmente a foto ficou tremida, porém as árvores também abanam com o vento. Mas que isto com imagem é outra coisa, é! Agora só falta a música.” Ao que eu respondera: “As tremuras são fruto da época, não se estranha. De l’âge aussi. Quanto à música… é toda interior, que a voz é de cana rachada. Mas eu agradeço à fotógrafa pelo momento-chave que soube captar”A minha amiga, posteriormente, acrescentou: “Só faltou acrescentar que as árvores morrem de pé”, o que não era o nosso caso. Reparou no tamanho excessivo das fotos colocadas no blogue, e eu respondi que pensara que o Dr. Salles lhes reduziria o formato, habituado que está a lidar com as imagens do seu blogue.

Desta forma, terminou o nosso momento de glória evocativa, inocente de intenções pecaminosas, embora não imodesta, em nada comparável, contudo, à de um tal Erostratus, que, desejoso de celebridade a qualquer custo, não fez mais do que incendiar o templo de Ártemis em Éfeso, uma das Sete Maravilhas do Mundo. Aquele permaneceu em obras que o recordaram, entre as quais um texto expositivo em inglês, de Fernando Pessoa,– «Celebridade e Génio – Erostratus» – outra de Sartre – novela (terceira) pertencente ao conjunto de seis novelas intitulado “Le Mur - “Erostrate” – que foca o problema do ódio pelos homens de um maníaco inteligente, o qual prepara conscienciosamente os seis assassínios que deseja perpetrar, a última bala da pistola destinada a si próprio, que irrisoriamente não teve coragem de disparar, fechado entre as paredes da casa de banho de um café para onde precipitadamente correra a refugiar-se. Um conto sobre um ser odiento, de um descritivo poderoso despojado de quaisquer resquícios de boa moral, feito pela personagem Paul Hilbert, na primeira pessoa, provavelmente já como exemplo da filosofia existencialista que coloca no homem ateu a responsabilidade única pelos seus actos.

 

E ao contar isto à minha amiga, logo ela lembrou os incendiários dos novos tempos, como seres perversos e impunes:

 

- Uma pergunta que eu já tenho feito muitas vezes: Quantos anos de cadeia lhes são atribuídos quando fica a prova de que foram eles os incendiários? Porque é um crime tão grande, tão grande, tão grande!… Tinha que ser uma pena muito grande. Mas a gente nunca mais ouve falar no final daquela história. Deve ser uma pena muito leve…

 

 

 

- Pois! O Erostratus primitivo praticou o crime de destruição de um templo célebre, para ser conhecido, e foi imortalizado, como símbolo, pelo menos no conto escabroso e violento de Sartre. Os miseráveis incendiários dos novos tempos praticam o crime encobertamente, talvez a mando dos outros miseráveis que lhes pagam para isso. Não têm direito a glória, pobres seres que a sociedade até protege, pois não lhes cita sequer os nomes, a merecer linchamento. Um país que arde, mas como arde a muitas frentes, não há coragem de pôr cobro a tais sevícias. É bem outra, a filosofia que a elas preside, nada de existencialismos responsabilizadores e formadores da personalidade humana, que se pode ir construindo até no ódio, com uma certa grandeza. Os nossos incendiários pululam no aconchego da obscuridade e da impunidade, como os demais fautores dos crimes nacionais. Não há volta a dar-lhes.

 

Berta Brás

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D