Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

QUANDO AS AMIGAS CONVERSAM…

 

 

… eis a coluna de duas Senhoras à volta de um café cuja vasta cultura nos traz muitos temas para a nossa meditação. Já por cá têm andado mas só agora formalizam esta já antiga pertença.

 

Continuemos…

 

Henrique Salles da Fonseca

  

OS ESTEIOS DE NARCISO

 

O Dr. Salles da Fonseca pediu-me uma fotografia da minha amiga e minha sentadas à mesa do café, com ela a comandar os referentes da sua experiência de leitura ou audição de noticiários, eu a tomar afanosamente as notas do seu discurso esbracejante, dos seus conceitos generosos ou inconformistas, do seu tom altaneiro de quem, tendo atravessado a ponte aos solavancos, desde a outra margem, continua na margem de cá a patinhar no lodo em que nos vamos afundando, sem esperança para os nossos netos. A minha amiga logo protestou, avessa às fotos deste nosso entardecer, ela que um dia me ofereceu uma foto dos vinte anos, com os dizeres da sua escrita rápida e angulosa, expressiva de liderança – “Esta fotografia é do tempo em que nos conhecemos - também por fotografias – através da Fernanda” (minha irmã). “Por isso é dos bons velhos tempos”.

 

 

Pensei que ressalvaria o seu narcisismo, se à fotografia das duas velhas senhoras da cavaqueira desarrumada acrescentasse essa foto elegante, dos anos da sua Zambézia de praias, e amizades e trabalho competente.

 

 

A minha filha Paula achou excelente a ideia do Dr. Salles e logo se prontificou a tirar a foto com o seu telemóvel, num dia de conversa a três, mas logo o meu narcisismo exigiu parceria na questão dos vinte anos, levando-me a procurar uma fotografia também do mesmo ano – 55 – tirada com capa emprestada, por ser avessa a praxes, arrimada toscamente ao meu pinheiro de forte tronco da Lousã, como a minha amiga se postara elegantemente à árvore moçambicana da sua pose.

 

Desta forma se resolveria a questão do vaidoso repúdio dos maus efeitos causados pela nossa figura actual, revelando o que já fôramos, mantendo embora, como símbolo de persistência no tempo, os troncos narcísicos do nosso arrimo e jeito de batalhar: a minha amiga, no rebuscamento saleroso dos seus contorcionismos frásicos irónicos que a sua árvore denuncia, a minha figura mais atarracada prolongando-se no tronco forte do pinheiro generoso e protector mas duro, na opinião de alguns, definitivamente tímido, na opinião própria

 

Berta Brás

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D