Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

PÉRONISMO À BRASILEIRA

 «CUSTO LULA»

 

Uma das broncas do então presidente Lula com a Vale estava no assunto siderúrgi­cas. A companhia brasileira deveria progredir da condição de mero fornecedor de minério de ferro para produtor de aço, tal era o desejo de Lula.

 

Quando lhe argumentavam que havia um problema de custo para investir no Brasil — e não apenas em siderúrgicas — o ex-presidente apelava pa­ra o patriotismo. As empresas privadas nacio­nais teriam a obrigação de fabricar no Brasil.

 

Por causa da bronca presidencial ou por er­ros próprios, o facto é que a Vale está envolvi­da em três grandes si­derúrgicas — ou três imensos problemas — conforme mostra em detalhes uma reportagem de Ivo Ribeiro e Vera Saavedra Du­rão, no "Valor". Em Mara­bá, no Pará, o projecto da planta Alpa está parado, à espera da construção de um porto e de uma via fluvial, obri­gação dos governos federal e estadual e que está longe de começar. No Espírito Santo, o projecto Ubu tam­bém fica no papel enquanto a Vale es­pera um cada vez mais improvável sócio estrangeiro. Finalmente, o pro­jecto de Pecém, no Ceará, está quase saindo do papel, mas ao dobro do custo original.

 

E quer saber? Seria melhor mesmo que não saísse.

Acontece que há um excesso de oferta de aço no mundo e, mais importante, os custos brasileiros de instalação das usinas e de pro-adução são os mais altos do mundo.  Não, a culpa não é só do dólar nem dos chineses. Estes fazem o aço mais barato do planeta, com seus méto­dos tradicionais. Mas o aço brasileiro sai mais caro do que nos EUA, Alema­nha, Rússia e Turquia, conforme um estudo da consultoria Booz.

 

A culpa nossa é velha: carga e sistema tributário (paga-se imposto caro até durante a constru­ção da usina, antes de facturar o primeiro cen­tavo), burocracia infer­nal e custosa, inclusive na disputa judicial de questões tributárias e trabalhistas e custo da mão de obra.

 

Dados do economista Alexandre Schwartsman mostram que os sa­lários estão subindo no Brasil na faixa de 11 a 12 % anuais. A produtivi­dade, estimado em 1,5%. Ou seja, aumen­ta o custo efectivo do trabalho e mais ainda pela baixa qualificação da mão de obra. Jorge Gerdau Johanpeter, eterno batalhador dessas questões, mostra que a unidade de trabalho por tonelada de aço é mais cara no Brasil do que nos EUA.

 

Não há patriotismo que resolva. Mas uma boa acção governamental ajudaria. Reparem: todos os proble­mas dependem de acção política
e, es­pecialmente, da liderança do presi­dente da República. Trata-se de re­formas tributária e trabalhista, medi­das legais para arejar o ambiente de negócios, simplificar o sistema de li­cenças ambientais, reforma do Judi­ciário e por aí vai, sem contar com um impulso na educação.

 

Se isso não anda, é falha de gover­no, não do mercado.

A crise global é a mesma para todo mundo, mas afeia os países diferentemente, conforme suas condições locais. O Brasil preci­saria turbinar os investimentos, mas não há como fazer isso num ambien­te tão desfavorável e tão custoso, o governo cai então no estímulo ao consumo e no proteccionismo para barrar e/ou encarecer os produtos estrangeiros. De novo, não consegu­indo reduzir o custo Brasil, aumenta o custo mundo.

 

A situação é ainda mais grave no la­do dos investimentos públicos. Uma das obras de propaganda de Lula era a Ferrovia Norte-Sul, tocada pela estatal Valec. Pois o Tribunal de Contas da União verificou que o dormente ali saía por R$ 300, enquanto na Transnordestina, negócio privado, ficava por R$220. O actual presidente da Valec, José Eduardo Castello Branco, nomeado há um ano, depois das demissões por denúncias de corrupção, conta ainda que vai comprar a tonelada de trilho por R$ 2 mil, contra o preço absurdo de R$ 3 mil da gestão anterior, que vi­nha lá do governo Lula. Claro que um presidente da Republica não pode saber quanto custa uma tonelada de trilho, muito menos o preço de um dormente. Nem pode acompanhar as licitações. Mas o ritmo "vamo-que-vamo" imposto pelo ex-presidente, junto com o loteamento político criou o ambiente para os malfeitos e, mais impor­tante, porque mais caro, para os enormes equívocos na gestão dos projectos.

 

O director do Departamento Nacio­nal de Infraestrutura de Transportes, general Jorge Fraxe, também nomea­do por Dilma para colocar ordem na casa, conta que encontrou contratos de obras no valor de R$ 15 biliões — ou "15 biliões de problemas".

 

Quando o mundo vai bem, todos crescendo, ninguém repara. Quando a coisa aperta, aí se vê o quanto não foi feito ou foi feito errado.

 

CARLOS ALBERTO SARDENBERG

E-mail: sardenberg@cbn.com.br

 

In jornal “O GLOBO”

 

Rio de Janeiro, 12/07/2012

 

Francisco Gomes de Amorim

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D