Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Heresias - VI

A ARITMÉTICA DO DESEMPREGO

 (*)

“Que horrível surpresa! Desemprego nos 15%! Quem poderia imaginar?” diz o pessoal do Governo.“Malandros! Que só espalham desgraças!” ouve-se para as bandas da Oposição.

v     Não me parece que esta desgarrada entre lamentações e imprecações leve longe. Interessante, sim, seria ter uma ideia, não tanto do que nos espera, mas daquilo que deveríamos razoavelmente esperar.

 

v     Para tal, o ponto de partida será 2006 (o último ano das “vacas gordas”). Ignorando, porém, o malabarismo estatístico que exclui dos números do desemprego todos aqueles que desistiram já de procurar trabalho. Aqui o que interessa é a população residente em
Portugal, em idade de trabalhar e que tenha alguma vez procurado trabalho remunerado (excluo, pois, as “fadas do lar” full-time).

 

v     Vou repartir essa população (a população activa) pelos seguintes grupos:

-          Grupo A – população que trabalha para satisfazer a procura externa – quer directamente, quer ao longo da cadeia de produção (incluindo o turismo que nos visita, naturalmente);

-          Grupo B – população que trabalha para satisfazer a procura interna (incluindo a população empregue na função pública) – de novo, quer directamente, quer ao longo da cadeia de produção;

-          Grupo C – população sem trabalho (excepto a que transita entre empregos).

 

v     O Grupo C, obviamente, não contribui para o PIB (esqueçamos, por momentos, a economia paralela) – e, em 2006, andaria pelos 7% da população activa. Por esse tempo, o número de funcionários públicos seria um pouco mais do dobro do número de desempregados.

 

v     Desconheço estatísticas “por fileira” (que, forçosamente, teriam de assentar na contagem, não de cabeças, mas de tempos trabalhados por destino da produção: procura interna/procura externa), mas a cobertura das importações pelas exportações na Balança
de Bens e Serviços pode dar uma pista: o Grupo A seria 55% do Grupo B.

 

NOTA: A BTC não serve tão bem para este efeito porque inclui transferências unilaterais e outros movimentos transfronteiriços que, ou não têm origem na esfera real da economia (logo, no emprego), ou envolvem uma parcela insignificante da população activa.

 

v     Assim, a traço largo, quando a crise nos bateu à porta, a população activa teria mais ou menos a seguinte composição: Grupo A, 33%; Grupo B, 60% (14%-15% na função pública); Grupo C, 7%.

 

v     Desconheço o que possa ser visto como uma distribuição harmoniosa entre os Grupos A e B. Mas numa economia que tem de importar muito do que come, quase toda a energia que usa e boa parte das matérias que transforma (para além de outros bens e serviços cuja procura é mais “elástica”), seria de esperar que o Grupo A (o que gera haveres sobre o exterior) tivesse muito maior peso. Desde logo, porque o consumo de alimentos e de energia (que há que comprar no exterior, recordo) é proporcional, não à população que trabalha, mas à população total – e não varia tanto assim com as flutuações do rendimento disponível.

 

v     Chegou-se a este ponto da maneira mais displicente que é possível imaginar:

-          Os Bancos a privilegiarem o financiamento da procura interna e as actividades orientadas para satisfazê-la (construção,
habitação, distribuição) – o que não dava um trabalho por aí além;

-          Os Governos, iludidos pelos impostos indirectos que cobravam, iam expandindo a Despesa Pública – sem perceberem que as receitas fiscais provinham (e dependiam), em larga medida, da procura interna que o crédito bancário estava a alavancar.

 

v     Mas nem os Bancos se limitavam a reciclar a liquidez da economia, nem os Governos se limitavam a gastar as receitas fiscais que cobravam. Uns e outros, a partir de 1997-99, endividavam-se despreocupadamente no exterior. Os Bancos para concorrerem entre eles por quota de mercado – no financiamento da procura interna, obviamente. Os Governos para fazerem mais umas obras destinadas à procura interna – ou para aumentarem os quadros da função pública.

 

v     Os Bancos poderiam ter-se atido aos recursos financeiros internos? Poderiam. Mas teriam de reduzir os empréstimos às importações e de remunerar melhor os depósitos – e veriam, então, os seus Balanços expandir-se, inevitavelmente, ao ritmo do PIB. Que, diga-se de passagem, era bastante vagaroso. Logo, “no big results, no big bonus”.

 

v     Os Governos poderiam ter optado por orçamentos equilibrados? Poderiam. Mas haveria menos obra para mostrar – e mais desassossego nas hostes dos respectivos partidos. E não poderiam ter optado por emitir Dívida Pública cá dentro? Poderiam. Mas teriam de sofisticar os empréstimos internos e de remunerá-los melhor – o que poria frontalmente em causa a “paz podre” que, a tão duras penas, os Bancos tinham conseguido instalar no mercado da captação do aforro. E não teria o mesmo glamour,

 

v     Deste modo, Governos e Bancos, cada um à sua maneira, endividavam-se no exterior para despejar liquidez sobre a procura interna, estimulando-a em crescendo: (i) gastos públicos, subsídios vários (em dinheiro e em espécie), serviços tendencialmente gratuitos - à conta dos Governos; (ii) endividamento - cortesia dos Bancos. Tudo empolava o rendimento disponível que a estabilidade cambial convertia em sucessivos acréscimos de poder de compra – e que a propensão para importar (elevada), por sua vez, convertia em deficits da BTC.

 

v     E aqui, sim, a BTC dá uma pista do excesso de procura interna: ano após ano, mais de 10% do PIB. Ora, este excesso tem de ser: (i) primeiramente, sustido - para travar o crescimento da Dívida Externa; (ii) depois, revertido – para que a Dívida Externa (a do Estado e a dos Bancos) retorne a um volume que possa ser gerido.

 

v     Isto significa uma quebra na procura interna (e do correspondente rendimento disponível) a dois tempos: (i) de imediato, uma quebra absoluta não inferior a 10% do PIB; (ii) ao longo de vários anos, um crescimento entre 2%-3% abaixo do crescimento do PIB (o que pode significar uma contracção também).

 

v     Nada de surpreendente. No rescaldo de uma “bolha” de crédito bancário (e as receitas fiscais também “surfavam” esta “bolha”), um tradicional processo de desendividamento: do Estado (mais carga fiscal, menos gastos públicos), dos Bancos (ou reforçam Capitais Próprios ou fecham para obras), das Empresas (alguns casos de recapitalização, muitos casos de insolvência) e das Famílias (insolvências e mais insolvências).

 

v     Tudo isto augura tempos difíceis: (i) para os Bancos – a verem o crédito malparado a arrastar rio abaixo os seus preciosos Capitais Próprios; (ii) para os Governos – porque as receitas fiscais, em valor absoluto, descem para um nível bem mais modesto, inferior às grandes rubricas orçamentais consideradas politicamente intocáveis.

 

v     Balanços dos Bancos a encolher, Despesa Pública a encolher – a liquidez que circula na economia só não encolherá também se a procura externa (e com ela o rendimento gerado no Grupo A) compensar, expandindo-se aceleradamente (acima de 30%/ano, mas a que o investimento directo estrangeiro daria uma ajuda). O que, convenhamos, não acontece de um dia para o outro.

 

v     É o Grupo B que irá sofrer por inteiro o choque da contracção da procura interna e os efeitos da redução da liquidez em circulação. Tudo aponta para que, sem o apoio financeiro da troika, a redução da procura interna (por via conjugada da tributação, da queda nos salários e do desendividamento) se situaria, no imediato, em 10%-12% do PIB. O que, traduzido em desemprego, corresponderia a 17%-20% da população activa – e que só a emigração poderia atenuar.

 

v     Assim, como não parece sensato
esperar que o nível de desemprego estrutural (os tais 7%, à partida) baixe durante o processo de ajustamento “macro”, a taxa de desemprego que deveríamos esperar, sem troika, oscilaria entre 24% e 27% da população activa (que só a expansão do rendimento gerado pelo Grupo A, o investimento directo estrangeiro e a emigração poderiam puxar para baixo). A par da Espanha, da Grécia e da Irlanda, aliás.

 

v     Até que ponto o pacote financeiro que a troika vai entregando às fatias amortecerá este choque? Não sei responder.

 

 

 A. Palhinha Machado

 (*)5906692&page=5&tbnh=132&tbnw=219&start=70&ndsp=16&ved=1t:429,r:12,s:70,i:257

 

1 comentário

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D