Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Heresias - VI

A ARITMÉTICA DO DESEMPREGO

 (*)

“Que horrível surpresa! Desemprego nos 15%! Quem poderia imaginar?” diz o pessoal do Governo.“Malandros! Que só espalham desgraças!” ouve-se para as bandas da Oposição.

v     Não me parece que esta desgarrada entre lamentações e imprecações leve longe. Interessante, sim, seria ter uma ideia, não tanto do que nos espera, mas daquilo que deveríamos razoavelmente esperar.

 

v     Para tal, o ponto de partida será 2006 (o último ano das “vacas gordas”). Ignorando, porém, o malabarismo estatístico que exclui dos números do desemprego todos aqueles que desistiram já de procurar trabalho. Aqui o que interessa é a população residente em
Portugal, em idade de trabalhar e que tenha alguma vez procurado trabalho remunerado (excluo, pois, as “fadas do lar” full-time).

 

v     Vou repartir essa população (a população activa) pelos seguintes grupos:

-          Grupo A – população que trabalha para satisfazer a procura externa – quer directamente, quer ao longo da cadeia de produção (incluindo o turismo que nos visita, naturalmente);

-          Grupo B – população que trabalha para satisfazer a procura interna (incluindo a população empregue na função pública) – de novo, quer directamente, quer ao longo da cadeia de produção;

-          Grupo C – população sem trabalho (excepto a que transita entre empregos).

 

v     O Grupo C, obviamente, não contribui para o PIB (esqueçamos, por momentos, a economia paralela) – e, em 2006, andaria pelos 7% da população activa. Por esse tempo, o número de funcionários públicos seria um pouco mais do dobro do número de desempregados.

 

v     Desconheço estatísticas “por fileira” (que, forçosamente, teriam de assentar na contagem, não de cabeças, mas de tempos trabalhados por destino da produção: procura interna/procura externa), mas a cobertura das importações pelas exportações na Balança
de Bens e Serviços pode dar uma pista: o Grupo A seria 55% do Grupo B.

 

NOTA: A BTC não serve tão bem para este efeito porque inclui transferências unilaterais e outros movimentos transfronteiriços que, ou não têm origem na esfera real da economia (logo, no emprego), ou envolvem uma parcela insignificante da população activa.

 

v     Assim, a traço largo, quando a crise nos bateu à porta, a população activa teria mais ou menos a seguinte composição: Grupo A, 33%; Grupo B, 60% (14%-15% na função pública); Grupo C, 7%.

 

v     Desconheço o que possa ser visto como uma distribuição harmoniosa entre os Grupos A e B. Mas numa economia que tem de importar muito do que come, quase toda a energia que usa e boa parte das matérias que transforma (para além de outros bens e serviços cuja procura é mais “elástica”), seria de esperar que o Grupo A (o que gera haveres sobre o exterior) tivesse muito maior peso. Desde logo, porque o consumo de alimentos e de energia (que há que comprar no exterior, recordo) é proporcional, não à população que trabalha, mas à população total – e não varia tanto assim com as flutuações do rendimento disponível.

 

v     Chegou-se a este ponto da maneira mais displicente que é possível imaginar:

-          Os Bancos a privilegiarem o financiamento da procura interna e as actividades orientadas para satisfazê-la (construção,
habitação, distribuição) – o que não dava um trabalho por aí além;

-          Os Governos, iludidos pelos impostos indirectos que cobravam, iam expandindo a Despesa Pública – sem perceberem que as receitas fiscais provinham (e dependiam), em larga medida, da procura interna que o crédito bancário estava a alavancar.

 

v     Mas nem os Bancos se limitavam a reciclar a liquidez da economia, nem os Governos se limitavam a gastar as receitas fiscais que cobravam. Uns e outros, a partir de 1997-99, endividavam-se despreocupadamente no exterior. Os Bancos para concorrerem entre eles por quota de mercado – no financiamento da procura interna, obviamente. Os Governos para fazerem mais umas obras destinadas à procura interna – ou para aumentarem os quadros da função pública.

 

v     Os Bancos poderiam ter-se atido aos recursos financeiros internos? Poderiam. Mas teriam de reduzir os empréstimos às importações e de remunerar melhor os depósitos – e veriam, então, os seus Balanços expandir-se, inevitavelmente, ao ritmo do PIB. Que, diga-se de passagem, era bastante vagaroso. Logo, “no big results, no big bonus”.

 

v     Os Governos poderiam ter optado por orçamentos equilibrados? Poderiam. Mas haveria menos obra para mostrar – e mais desassossego nas hostes dos respectivos partidos. E não poderiam ter optado por emitir Dívida Pública cá dentro? Poderiam. Mas teriam de sofisticar os empréstimos internos e de remunerá-los melhor – o que poria frontalmente em causa a “paz podre” que, a tão duras penas, os Bancos tinham conseguido instalar no mercado da captação do aforro. E não teria o mesmo glamour,

 

v     Deste modo, Governos e Bancos, cada um à sua maneira, endividavam-se no exterior para despejar liquidez sobre a procura interna, estimulando-a em crescendo: (i) gastos públicos, subsídios vários (em dinheiro e em espécie), serviços tendencialmente gratuitos - à conta dos Governos; (ii) endividamento - cortesia dos Bancos. Tudo empolava o rendimento disponível que a estabilidade cambial convertia em sucessivos acréscimos de poder de compra – e que a propensão para importar (elevada), por sua vez, convertia em deficits da BTC.

 

v     E aqui, sim, a BTC dá uma pista do excesso de procura interna: ano após ano, mais de 10% do PIB. Ora, este excesso tem de ser: (i) primeiramente, sustido - para travar o crescimento da Dívida Externa; (ii) depois, revertido – para que a Dívida Externa (a do Estado e a dos Bancos) retorne a um volume que possa ser gerido.

 

v     Isto significa uma quebra na procura interna (e do correspondente rendimento disponível) a dois tempos: (i) de imediato, uma quebra absoluta não inferior a 10% do PIB; (ii) ao longo de vários anos, um crescimento entre 2%-3% abaixo do crescimento do PIB (o que pode significar uma contracção também).

 

v     Nada de surpreendente. No rescaldo de uma “bolha” de crédito bancário (e as receitas fiscais também “surfavam” esta “bolha”), um tradicional processo de desendividamento: do Estado (mais carga fiscal, menos gastos públicos), dos Bancos (ou reforçam Capitais Próprios ou fecham para obras), das Empresas (alguns casos de recapitalização, muitos casos de insolvência) e das Famílias (insolvências e mais insolvências).

 

v     Tudo isto augura tempos difíceis: (i) para os Bancos – a verem o crédito malparado a arrastar rio abaixo os seus preciosos Capitais Próprios; (ii) para os Governos – porque as receitas fiscais, em valor absoluto, descem para um nível bem mais modesto, inferior às grandes rubricas orçamentais consideradas politicamente intocáveis.

 

v     Balanços dos Bancos a encolher, Despesa Pública a encolher – a liquidez que circula na economia só não encolherá também se a procura externa (e com ela o rendimento gerado no Grupo A) compensar, expandindo-se aceleradamente (acima de 30%/ano, mas a que o investimento directo estrangeiro daria uma ajuda). O que, convenhamos, não acontece de um dia para o outro.

 

v     É o Grupo B que irá sofrer por inteiro o choque da contracção da procura interna e os efeitos da redução da liquidez em circulação. Tudo aponta para que, sem o apoio financeiro da troika, a redução da procura interna (por via conjugada da tributação, da queda nos salários e do desendividamento) se situaria, no imediato, em 10%-12% do PIB. O que, traduzido em desemprego, corresponderia a 17%-20% da população activa – e que só a emigração poderia atenuar.

 

v     Assim, como não parece sensato
esperar que o nível de desemprego estrutural (os tais 7%, à partida) baixe durante o processo de ajustamento “macro”, a taxa de desemprego que deveríamos esperar, sem troika, oscilaria entre 24% e 27% da população activa (que só a expansão do rendimento gerado pelo Grupo A, o investimento directo estrangeiro e a emigração poderiam puxar para baixo). A par da Espanha, da Grécia e da Irlanda, aliás.

 

v     Até que ponto o pacote financeiro que a troika vai entregando às fatias amortecerá este choque? Não sei responder.

 

 

 A. Palhinha Machado

 (*)5906692&page=5&tbnh=132&tbnw=219&start=70&ndsp=16&ved=1t:429,r:12,s:70,i:257

 

10 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D