Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Videiras resistentes ao míldio e ao oídio

 Mildio

 Oídio

 

Creio que as principais doenças da videira continuam a ser o míldio e o oídio.

 

Esses dois fungos foram introduzidos na Europa nos meados do século XIX, vindos da América e causaram verdadeiros desastres nos países europeus onde a cultura da vinha era importante. Encontrou-se forma de os combater e passou a ser possível produzir bem as uvas mas com o encargo de várias aplicações de fungicidas e com os consequentes prejuízos para o ambiente. Tal como com outras doenças das plantas, o melhor "combate" é a utilização de variedades geneticamente resistentes a essas doenças.

 

Nas publicações do INRA (o Instituto Nacional de Investigação Agronómica, da França) que já referi em artigo anterior, refere-se que o Instituto já tem em fase avançada e com bons resultados a criação de videiras resistentes ao míldio e ao oídio, obtidas por cruzamentos com diversas espécies de videiras. Logo que se confirmem os bons resultados já conseguidos e se faça a necessária multiplicação, o INRA espera lançar na lavoura e incluir no Catálogo de Variedades essas videiras.

 

Não posso deixar de lembrar que, há já umas boas décadas, o saudoso Professor do Instituto Superior de Agronomia Engenheiro Miguel Pereira Coutinho tinha trabalhos sobre videiras resistentes ao míldio que, embora em fase inicial, se mostravam promissores. Se tais trabalhos tivessem sido continuados - e também extensivos ao oídio - talvez Portugal já tivesse hoje videiras de qualidade e com essas resistências. O que isso representaria para a nossa agricultura seria uma grande economia na aquisição e aplicação dos pesticidas e uma boa contribuição para o ambiente. Do muito que se pode fazer na criação de novas e melhores variedades de videira, o único caso de grande êxito de que tenho conhecimento foi a obtenção da uva 'D.Maria', resultado de cruzamentos e selecção, trabalho do também infelizmente já falecido Engenheiro José Leão Ferreira de Almeida.

 

Termino com a mesma frase do artigo anterior: Como eu gostaria que os governantes portugueses fossem capazes de aprender estas lições!

 

 

 Miguel Mota

 

Publicado no Linhas de Elvas de 10 de Maio de 2012

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D