Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

MUDAR DE VIDA

 

 

Portugal sofre uma das crises mais dolorosas e exigentes. De facto existem vários tipos de choques económicos. Os piores vêm das guerras, que arruínam a própria sociedade. Existem também recessões por catástrofes, carestias, obsolescências, mudanças de hábitos. A mais irritante é a crise financeira, que aperta o cinto para pagar tolices da euforia anterior.


A actual situação começa por ser dominada pelo endividamento acumulado. Nisto assemelha-se às duas intervenções do FMI em Portugal, em 1978 e 1983. Mas elementos novos geram sinais insólitos, sobretudo o desemprego inaudito e astronómico. De facto esta crise é muito mais que dívida.


Portugal está hoje muito melhor que há 30 anos. Então era um país pobre e isolado; hoje tem o dobro do nível de vida e forte ligação com parceiros, incluindo moeda comum. Paradoxalmente estas vantagens indiscutíveis estão na origem da dificuldade, pois aumentaram-nos a capacidade de endividamento. Se em 1978 e 1983 havia uns três anos de desvario a pagar, desta vez são mais de quinze. Assim, em 1979 a nossa dívida externa bruta total atingiu o pico de 42% do PIB e em 1984 chegou aos 90%. Desta vez está acima dos 245%.


Mas muito pior que a dimensão do encargo são os enviezamentos que o delírio impôs na estrutura produtiva. Nos anos de loucura muita gente trabalhou em actividades rentáveis apenas por endividamento; muitas empresas faziam negócios porque os clientes se empenhavam. Nisto os gastos do sector público destacam-se, mas havia muito mais. O resultado é que boa parte da nossa economia é balofa, produzindo a preços exagerados coisas que ninguém quer.


Assim o que hoje se sofre não é apenas a travagem de consumo gerada pela austeridade financeira. Largas centenas de milhar de trabalhadores terão de mudar de vida, porque os seus empregos artificiais nunca vão voltar, mesmo que o crescimento retome. Milhares de empresas têm de fechar ou mudar de sector porque o negócio acabou. Importante percentagem da sociedade terá que encontrar
actividades realmente úteis. Portugal sofre uma das crises mais dolorosas e exigentes: a forçada reestruturação de quase vinte anos de distorção produtiva.


O debate político passa ao lado. As vozes que se levantam a pedir programas de crescimento não compreendem a questão. Portugal não precisa de crescer, mas de corrigir a estrutura produtiva para permitir um desenvolvimento sustentável. Uma injecção de fundos, doping empresarial, daria um arrebitar pontual só adiando a solução.

Esta tem como elemento decisivo precisamente aquilo que os portugueses melhor demonstraram em 1978 e 1983: a flexibilidade, que espantou o FMI pela rapidez e facilidade do ajustamento. Programas de reforma que demoravam muitos anos noutras latitudes aqui funcionaram num punhado de meses. Não se pode escamotear o enorme sofrimento envolvido, mas a paciência, imaginação, improvisação e resiliência dos portugueses foram impressionantes.


Desta vez a carga é maior, as exigências da geração superiores e fomos o último país a assumir a necessidade de ajustamento, quase três anos depois de iniciada a crise mundial. Apesar disso vários sinais encorajadores são visíveis. Claro que é tolice exigir já melhorias na conjuntura. Tendo adiado o tratamento para o último momento possível, estamos ainda bem dentro dos inevitáveis meses de queda. Mas os sinais sociais são evidentes.

A emigração, instrumento privilegiado de ajustamentos anteriores, recomeçou em força. Trata-se de um expediente que pode ser triste e perigoso, mas revela espírito inconformado e realizador e tem excelentes propriedades económicas. Também o empreendedorismo, apoio social e solidariedade, traços marcantes da nossa cultura, estão ao rubro. Acima de tudo a serenidade do povo perante a austeridade, incomparável com qualquer parceiro e tão irritante para os extremistas, é trunfo indispensável para a recuperação.


O essencial agora é esquecer tolices e mudar de vida. As gerações anteriores fizeram-no. Será que nós hoje seremos de novo capazes?

 

 JOÃO CÉSAR DAS NEVES

 

DN 2012-05-14

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D