Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

AS CONFERÊNCIAS DE LISBOA – 2


Foi pelo “Fórum Desenvolvimento e Cooperação” (1) que tomei conhecimento da realização no ISEG durante o ano lectivo 2004-2005 do “II Ciclo de Conferências sobre África” organizado pelo Professor Doutor Manuel Ennes Ferreira, docente da cadeira de “Economia Africana” na licenciatura de Economia e do Mestrado em “Desenvolvimento e Cooperação Internacional”. Assisti a todas as conferências realizadas em Novembro e Dezembro de 2004; gostei e decidi continuar em 2005 a assistir às conferências a que calendário e horário me permitam.

Constatei já que – salvo casos especiais – este ciclo de conferências tem servido para lançar os mestrandos na qualidade de conferencistas e creio que esta é uma acção da maior importância tanto para os oradores como para a própria assistência, maioritariamente constituída por colegas de mestrado. Não se compreende que um especialista em temas de desenvolvimento possa ter uma má comunicação oral pois, caso contrário, fica limitado à escrita e em países mais atrasados esta não é tão acessível como a conversa. Grande desapontamento será o de quem se proponha transmitir ideias por escrito a um mar de analfabetos ou em regiões em que não existam jornais. Timbre de voz, ritmo de respiração e postura “em cena” são factores que condicionam muito a captação da atenção da assistência e se esta não está disponível para ouvir, então não vale sequer a pena entrar na análise do conteúdo da mensagem que o orador pretende transmitir. Ou seja, num mestrado de “Desenvolvimento e Cooperação Internacional”, parece-me essencial que se saiba falar em público. Anoto, pois, muito pela positiva, esta experiência a que estes mestrandos se submetem bem como a preparação que pedagogicamente lhes é dada pelo Orientador.

Pelo desenrolar do calendário já não faz hoje muito sentido comentar as conferências de 2004 mas ainda vou a tempo de citar a que se realizou em 12 de Janeiro de 2005 intitulada “Serão as Maurícias e as Seychelles exemplos para Cabo Verde?” proferida pela Dr.ª Daniela Pereira.

Bom timbre de voz, boa postura “em cena”, discurso descontraído e com palavras correntes, sem “doutorices” pretensiosas e enfadonhas.

A tipificação dos desenvolvimentos das Maurícias, das Seychelles e de Cabo Verde à data das respectivas independências e os tipos de política que caracterizaram épocas especiais que se seguiram nas vidas políticas de cada um desses Estados, foi apresentado de um modo que todos os presentes entendemos com facilidade. Contudo, aquilo que me pareceu mais importante foi a fase conclusiva da conferência em que nos foi apresentado um cenário de desenvolvimento para Cabo Verde que eu temo que não chegue ao debate real e “no terreno” no próprio país interessado.

Trata-se de um modelo claramente liberal em que se potenciam as enormes virtualidades da diáspora cabo-verdiana na Europa e na América não apenas como fonte de divisas mas sobretudo – e aqui, a novidade – como “lobby” nacional. Na minha opinião, esta proposta “valia” por toda a conferência mas a oradora desenvolveu uma série de ideias que se poderão traduzir em políticas e projectos a que tanto o Governo como o empresariado nascente não deveriam ficar alheios. Por exemplo, construir em Cabo Verde o “free shop” do Atlântico à semelhança do que já é o Dubai no Médio Oriente e fazer do país um paraíso internético (“virtual island”). Mas houve muito mais sugestões que geraram animado debate com a assistência, nomeadamente em torno das pescas, do turismo, da indústria têxtil e da autonomia alimentar do país.

Sem qualquer espécie de ironia, um verdadeiro Programa Económico de Governo. Esperemos que tudo passe da Academia para a realidade (física e virtual).

Lisboa, Janeiro de 2005

Henrique Salles da Fonseca

NOTA (1): http://www.forumdc.net/forumdc/matriz.asp

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D