Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Privacidade, a grande protectora do crime

  (*)

 

Embora o homem viva em sociedade e em contacto com muitos dos seus semelhantes, a privacidade está a ser considerada, pelo menos na maioria dos países ditos civilizados, como algo importantíssimo que urge preservar a todo o custo. E esse custo pode ser muito elevado.

 

O chamado crime organizado, nas suas múltiplas facetas que vão desde sofisticados sistemas de assalto aos locais onde se acumulam riquezas às manigâncias da alta finança, com desvio de quantias avultadas e passando pelo tráfico de droga e armamento, tem-se desenvolvido muito nos últimos tempos. Combatê-lo é difícil pelo que seria de desejar o uso de todos os meios possíveis, incluindo os mais sofisticados, para acabar com esse flagelo social que, como temos visto, assume dimensões enormes, com graves prejuízos para as populações honestas e trabalhadoras. Portugal é hoje um bom exemplo desse mal.

 

Esse combate, no entanto, está a encontrar graves limitações devido exactamente à forma como está a ser considerada a privacidade. Poderia dizer-se que, se alguém quer privacidade absoluta, que se meta em casa, não saia à rua, não apareça à janela e, naturalmente, não fale ao telefone. Em vez disso geram-se leis limitativas dos processos de obter provas de crimes de tal forma que basta que uma prova tenha sido obtida de maneira considerada "ilegal" para o criminoso ficar à solta. Conversas consideradas "privadas" podem ser - e muitas o serão - formas de combinar crimes que, por esse facto, escapam à punição.

 

A pergunta que lanço aos cidadãos que sofrem as consequências de tais "ilegalidades" é para saberem se preferem o sistema que existe ou se não se importam de abdicar duma parte da sua privacidade em favor de processos como câmaras ocultas e escutas várias, que permitem desmantelar os perigosos sistemas do crime organizado, que toma hoje no mundo proporções astronómicas.

 

É claro que em países em que o crime organizado está infiltrado nas estruturas dirigentes, legisladores e governantes, não se pode esperar que algo se faça para o combater e a privacidade é um bom pretexto para lhe dar protecção, aparentemente com todo o aspecto de legitimidade.

 

A propósito, também se deve dizer que, para a opinião pública, não há melhor prova de culpabilidade do que a "destruição de provas". Se se alega que as provas destruídas não continham nada de mau - ou seja, eram inócuas - porque foi "necessário" destruí-las? Mas essa destruição aparece frequentemente como algo natural e legítimo.

 

Concluindo: vamos, a pretexto de protecção da privacidade, continuar a proteger criminosos?

 

 Miguel Mota

 

Publicado no Púbico de 5 de Março de 2012 com o título alterado para: "Crime e privacidade "

 

(*) http://www.google.pt/imgres?q=crime%2Bcolarinho%2Bbranco&um=1&hl=pt-PT&biw=1024&bih=735&tbm=isch&tbnid=AFhaA87sX5vKLM:&imgrefurl=http://mazelasdojudiciario.blogspot.com/2011/06/impunidade-colarinho-sujo-nao-e-punido.html&docid=Ejo9vLyuojswEM&imgurl=https://1.bp.blogspot.com/-g7A77efZBU8/Teui1UTAEFI/AAAAAAAAGh0/3ucLYkda84c/s400/impunidade%25252BDO%25252BCOLARINHO.JPG&w=382&h=400&ei=ygCZT_vaLoPR0QWt_6z2BQ&zoom=1&iact=hc&vpx=119&vpy=341&dur=214&hovh=230&hovw=219&tx=101&ty=113&sig=109573699884915906692&page=2&tbnh=158&tbnw=181&start=25&ndsp=19&ved=1t:429,r:0,s:25,i:122

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D