Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Privacidade, a grande protectora do crime

  (*)

 

Embora o homem viva em sociedade e em contacto com muitos dos seus semelhantes, a privacidade está a ser considerada, pelo menos na maioria dos países ditos civilizados, como algo importantíssimo que urge preservar a todo o custo. E esse custo pode ser muito elevado.

 

O chamado crime organizado, nas suas múltiplas facetas que vão desde sofisticados sistemas de assalto aos locais onde se acumulam riquezas às manigâncias da alta finança, com desvio de quantias avultadas e passando pelo tráfico de droga e armamento, tem-se desenvolvido muito nos últimos tempos. Combatê-lo é difícil pelo que seria de desejar o uso de todos os meios possíveis, incluindo os mais sofisticados, para acabar com esse flagelo social que, como temos visto, assume dimensões enormes, com graves prejuízos para as populações honestas e trabalhadoras. Portugal é hoje um bom exemplo desse mal.

 

Esse combate, no entanto, está a encontrar graves limitações devido exactamente à forma como está a ser considerada a privacidade. Poderia dizer-se que, se alguém quer privacidade absoluta, que se meta em casa, não saia à rua, não apareça à janela e, naturalmente, não fale ao telefone. Em vez disso geram-se leis limitativas dos processos de obter provas de crimes de tal forma que basta que uma prova tenha sido obtida de maneira considerada "ilegal" para o criminoso ficar à solta. Conversas consideradas "privadas" podem ser - e muitas o serão - formas de combinar crimes que, por esse facto, escapam à punição.

 

A pergunta que lanço aos cidadãos que sofrem as consequências de tais "ilegalidades" é para saberem se preferem o sistema que existe ou se não se importam de abdicar duma parte da sua privacidade em favor de processos como câmaras ocultas e escutas várias, que permitem desmantelar os perigosos sistemas do crime organizado, que toma hoje no mundo proporções astronómicas.

 

É claro que em países em que o crime organizado está infiltrado nas estruturas dirigentes, legisladores e governantes, não se pode esperar que algo se faça para o combater e a privacidade é um bom pretexto para lhe dar protecção, aparentemente com todo o aspecto de legitimidade.

 

A propósito, também se deve dizer que, para a opinião pública, não há melhor prova de culpabilidade do que a "destruição de provas". Se se alega que as provas destruídas não continham nada de mau - ou seja, eram inócuas - porque foi "necessário" destruí-las? Mas essa destruição aparece frequentemente como algo natural e legítimo.

 

Concluindo: vamos, a pretexto de protecção da privacidade, continuar a proteger criminosos?

 

 Miguel Mota

 

Publicado no Púbico de 5 de Março de 2012 com o título alterado para: "Crime e privacidade "

 

(*) http://www.google.pt/imgres?q=crime%2Bcolarinho%2Bbranco&um=1&hl=pt-PT&biw=1024&bih=735&tbm=isch&tbnid=AFhaA87sX5vKLM:&imgrefurl=http://mazelasdojudiciario.blogspot.com/2011/06/impunidade-colarinho-sujo-nao-e-punido.html&docid=Ejo9vLyuojswEM&imgurl=https://1.bp.blogspot.com/-g7A77efZBU8/Teui1UTAEFI/AAAAAAAAGh0/3ucLYkda84c/s400/impunidade%25252BDO%25252BCOLARINHO.JPG&w=382&h=400&ei=ygCZT_vaLoPR0QWt_6z2BQ&zoom=1&iact=hc&vpx=119&vpy=341&dur=214&hovh=230&hovw=219&tx=101&ty=113&sig=109573699884915906692&page=2&tbnh=158&tbnw=181&start=25&ndsp=19&ved=1t:429,r:0,s:25,i:122

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D