Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

A DESCOBERTA DO BRASIL

 

 

ou

 

O BRASIL A DESCOBERTO

 

 

 

Há muito que se sabe que não foi o Pedro Álvares Cabral quem descobriu o Brasil, até porque às terras onde ele aportou a caminho das Índias, lhe chamou Terra de Vera Cruz.

 

O Brasil surgiu com a grana, com o negócio. Já nasceu doente! Foi preciso encontrar por aqui um pau que desse dinheiro, conhecido como bresile, para ter entrado a “civilização”!

 

Passaram-se alguns anos e depois de ter sido o Brasil do Açúcar, o Brasil do Ouro e Diamantes, o Brasil do Café, chegou a era do Brasil...
deles!

 

Deles? Sim, deles. Além dos asquerosos políticos e administradores públicos, felizmente não na totalidade, mas infelizmente numa
imensissima quantidade, que chupam a res publica até ao tutano, há problemas que mostra bem que “tudo isto” é deles!

 

Alguns exemplos, de fazer arrepiar até pelo de jacaré:

 

1 – Um automóvel Hyundai, made in Coreia, exportado para todo o mundo; EUA e Brasil. Nos States custa US$ 23 mil e no Brasil US$ 69 mil. SÓ o triplo? Para quem vai a grana, hein?

 

2 - E muito mais escandaloso. Nem escandaloso, mas criminoso. O meu genro teve que tomar um remédio, uma vitamina para o fígado, e após pesquisar pela Internet encontrou pela “barateza” de R$ 800,00. Nos EUA vende-se em todo o lado e custa US$ 36,50, equivalente a R$ 60, Aqui, SÓ 1.333% mais caro. Fazendo as contas ao contrário, nos EUA o preço é equivalente a 7,5% do preço no Brasil. E não é automóvel. É medicina para a saúde.

 

Há uns meses escrevi para o Ministério da Saúde expondo o absurdo da diferença de preços dos medicamentos, por exemplo entre Brasil e Portugal (nos EUA ainda é mais barato). As diferenças são absurdas: em média o preço no Brasil é entre três a cinco vezes o de Portugal e também, da Argentina!!!

 

O Ministério encaminhou a minha exposição para a ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária– a quem compete o controle dos
produtos farmacêuticos, e passado algum tempo recebi uma resposta admirável! Uma verdadeira lição de economia, eloquência e, sobretudo, arrogância e estupidez!

 

Informava a secretaria deste órgão público, que a lei determina que o preço de venda do medicamento não pode ultrapassar 170% do custo do produto básico da sua composição!!! E mais não disse. Uma lição de matemática para o ignorante que se atrevera a colocar, perante sexa o ministro, tão profunda questão!

 

Só se, e aí me curvo perante os sábios, o custo dos produtos básicos, aqui no Brasil, seja entre 500 e 1.333% mais caro do que nos EUA ou em outros países.

 

Você acredita nisso? Eu não.

 

Então para onde vai a grana? Sabido é que os medicamentos, por estas terras de Ver a Cruz, nesta terra de Via Sacra, pagam cerca de 40% de imposto. Mas não é isto que deforma esta monstruosidade.

 

Isto merecia uma violenta (em quantidade) manifestação pública, mas o problema é que se não tem carro de samba a abrir e fechar o cortejo, não vai ninguém.

 

Enchem-se as ruas com paradas gays e juntam mais de um milhão de pessoas. Tem samba. Mas saírem à rua para manifestar a profunda aversão à ignomínia da corrupção, exigir do judiciário que meta na cadeia a cadeia de ladrões, ou para pedir detalhadas explicações sobre este absurdo do preço dos medicamentos, bem se pode conclamar o povo, do modo como se quiser, inclusive
pelo Twitter, que não vão aparecer nem meia dúzia!

 

Do jornal “O Globo” de hoje, dia 31 de Agosto, algumas “maravilhas”:

 

= Governo já discute volta do imposto do cheque! “Precisamos de uma fonte extra para a saúde ”afirma o deputado vaccarezza do PT (evidente; tinha que ser do PT!).

 

= Falta de verbas ameaça fechar hospital em Niteroi.

 

= O político que na presidência cometeu a maior violência económica já feita no país, que foi deposto por impeachment e perdeu os
direitos políticos, está agora com poder de decidir como a sociedade terá acesso a informações públicas. O Brasil (já) não se espanta com factos estarrecedores, como o de que Fernando Collor, hoje senador, é relator do projecto que decidirá sobre a divulgação de dados oficiais. (Miriam Leitão, uma grande economista e jornalista).

 

= Dilma, numa reunião de militantes de esquerda, em 1969, em Teresópolis, em vez de discursar para os 60 colegas, cantou uma versão sua de “País Tropical” de Jorge Ben: “Este/É um congresso tropical/Abençoado por Lenin/e confuso por natureza...”(Viva a democrata dilma!).

 

= Um ex-secretário de Estado do Rio, que foi o coordenador da Lei Seca, a conduzir à noite com a cara cheia, atropelou primeiro uma mãe e dois filhos pequenos, e continuando descontrolado, atropelou e matou um pedreiro. A polícia nada disse e o bandido, isso mesmo, o assassino, só se apresentou para exame de alcoolemia no dia seguinte. Nada constou. Pode ser indiciado por homicídio doloso, mas neste país... abençoado por Lenin....

 

= A deputada jaqueline roriz, flagrada em vídeo, inequívoco, a receber propina de R$ 50.000,00, em 2006, foi indiciada e pedida a sua
cassação. Ontem a câmera dos deputedos votou contra a cassação da ladra. Alguns comentários dos raros políticos “melhorzinhos”: Um diz que “a absolvição legitima a impunidade” e outro “o Brasil continua sendo o país da impunidade. Só vai para a cadeia ladrão de galinha”!

 

= Ainda o PT não era DONO do governo, e o presidente do partido, então José Genoino, afirmava em alto e bom som: “O PT não rouba, nem deixa roubar”, Enganou-se? Não teria querido afirmar “O PT rouba e deixa roubar... às escâncaras”?

 

=  Desde 2005 só deputados processados foram 33. Destes, só 4 foram cassados, e um deles por não estar filiado em qualquer partido que o protegesse.

 

Por hoje chega... e sobra muito.

 

Mas continua sem ninguém ir para a rua exigir seriedade e ética. Só para as paradas gays!

 

 

Rio de Janeiro, 31 de Agosto de 2011

 

 Francisco Gomes de Amorim

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2005
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2004
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D