Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CAPITALISTAS RICOS E ENRIQUECIDOS… (DEVANEIOS)

Forrest Lucas

 

 

À primeira vista, os étimos ricos e enriquecidos apresentam-se aparentemente como sinónimos, muito embora exista um mundo de divergências entre um e outro pelos processos adoptados. É facto vulgar que um homem trabalhador, honesto, poupado e com tino de bom economista faz e multiplica seus lucros e investe-os em novos empreendimentos até atingir um alto nível. De contrário procede o enriquecido que por negócios escuros e à custa de muita corrupção, numa rapidez inexplicável, faz-se um grande capitalista (Cf. Os étimos riqueza e enriquecimento in Dicionário da VERBO/ACL).

 

Para os Cristãos, a riqueza não é pecaminosa. Ela é legítima, útil e necessária para o desenvolvimento dum país, desde que não esteja associada à política da exploração de assalariados com baixos proventos, sem protecção adequada de reformas, de seguros contra acidentes de trabalho, de doenças ambientais e de desemprego, este chocantemente afectando milhares dos nossos compatriotas.

 

A riqueza individual ou empresarial produzida no país deve estar sempre ao serviço dos mais carenciados e nunca deve ser posto o seu uso em escandalosas mordomias e chorudos salários aos dirigentes, por via de favoritismo partidário. Esta calamidade tem de ser combatida por todos portugueses e, sobretudo, pelos que no Parlamento são os representantes do povo! É inconcebível que empresas nacionais do Estado Português, na sua actual situação deficitária, continuem a fomentar as mordomias para seus apaniguados…

 

O grande moralista húngaro Prof. Dr. Rev. Tihamer Toth no seu livro “Leis Esquecidas” (Coimbra, 1950) dedica todo o Capítulo XLIX (“Os perigos da riqueza”, págs. 726 a 740) a este assunto, com judiciosos comentários sobre esses perigos e os métodos para seu combate. Fala do poder tirânico do dinheiro, condena as lutas familiares de heranças em que o filho seja capaz de matar o pai… (Pág.729), mais acrescentando que “desde que lhe cheire a dinheiro, tudo desaparece a seus olhos” (loc. cit.).

 

A riqueza pode ser o grande motor do desenvolvimento do País e do seu povo. Urge apenas que a Administração Pública saiba dirigir a máquina financeira com crédito e muito saber, sem as fantasias de rede ferroviária TGV e de aeroportos no sul de Portugal. Para remate: a revista “FORTUNE” (Volume 165, Nº3, de 27-02-2012), relata-nos a vida dum mecânico de reparações de camiões, filho dum pedreiro alcoólico, que deixou a casa aos 15 anos (1958), para honestamente fazer diversos negócios até se tornar um potentado petrolífero, “Lucas Oil & Co.”, com lançamento de aditivos para motores de 200 espécies em 27 países. É um belo modelo de capitalista rico, de seu nome Forrest Lucas, digno de imitação pelos portugueses!  

 

Alcobaça 27-02-2012

 

 Domingos José Soares Rebelo

 

Para saber mais, ver: http://money.cnn.com/2012/02/15/smallbusiness/lucas_oil_forrest.fortune/index.htm

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2005
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2004
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D