Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

TERÁ AINDA SOLUÇÃO A CRISE?

 

 

(A de 1918 ou a de 2011?)

 

Considerando que por todas as partes deste Reino haja falta de pão, de que entre todas as partes do mundo soi a ser muy abastado, e vendo como agora está posto em tamanha carestia, que não há quem se sustente, e isto por falta de homens de lavrarem as terras...

(Provisão de D. Fernando, dada em Santarém aos 26 de Junho de1375).”

 

 

Para a humanidade dividida em nações de interesses diferenciados e até opostos, há um princípio na política económica – o maior
enriquecimento nacional– não pela acumulação de stocks monetários, mas pelo desenvolvimento das forças produtivas.

 

Com tantas leis e decretos sobre o trigo e farinhas, em Portugal, em 1914/15, efeito da guerra, o trânsito de farinhas e do trigo foi então
enredado em exigências de justificações e guias. Reviveu a economia medieval.

 

E quanto mais apertadas foram as regulamentações e maior o número de imposições legais, mais a fraude alastrou e contaminou a tudo e a todos, frustrando os melhores intentos.

 

O primeiro passo de uma nação, para aproveitar suas vantagens, é conhecer perfeitamente as terras que habita, o que em si encerram, o que de si produzem, o que são capazes.

Abade Correia da Silva – 1750-1823.

 

(*)

 

No começo do século XIX já cientistas excluíam Portugal das zonas tipicamente cerealíferas, afirmando que a cultura dos cereais é
contrariada pelo clima.

 

Andam os desviados da nossa missão agrícola de país hortícola e pomícola, admiravelmente dotado pela natureza para as culturas
arbóreas e arbustivas.

 

Já não era pequeno mal que apoquentassem a lavoura, manietando-a a alta das rendas e, sobretudo, a falta de capital. Além da alta
taxa de juros que absorve a grande parte dos proventos que a empresa poderia dar. Pode-se dizer que ainda hoje a usura tem nas suas mãos a sorte da agricultura portuguesa.

 

Além disso, não sabemos produzir, nem sabemos vender.

 

A consciência nítida do interesse geral encontra-se apenas nas sociedades bem constituídas e num grau de força e prosperidade tal
que a consideração do bem público pode abafar os egoísmos que surgem.

 

Nos povos em decadência enfraquece o espírito nacional, o que quer dizer que a consciência dos laços de solidariedade se apaga ou
desaparece, como se deixasse de existir o interesse comum.

 

A nação não existe já como um todo vivo, mas como uma soma inerte de elementos quase independentes.

 

Não havia decerto necessidade de provações tão duras como a desta guerra (e desta crise), para o convencimento da decadência portuguesa. Tornou-se infelizmente bem patente o relaxamento dos laços sociais.

 

É exactamente um tal estado que nos explica como neste povo em que subsistem os defeitos de uma organização comunitária no que
respeita à falta de confiança e dependência do poder público para a solução de todos os problemas, o Estado de quem tudo se espera, é precisamente o menos apto a fazer alguma coisa.

 

Produz-se por interesse, não por patriotismo nem por filantropia.

 

- Terá ainda solução a crise?

 

Tem-se em geral uma impressão errada de resistência e vitalidade dos povos, quando estas se comparam à fraca resistência individual.

 

Há um tão natural e poderoso instinto de conservação e de vida no fundo das sociedades, quando porventura atacam pelo espírito as
instituições vitais para qualquer povo. É afinal difícil desorganizar por completo; e pode um povo descer na escala dos povos fracos, improgressivos, até à ínfima miséria social, mas não ultrapassando um limite mínimo as suas condições de vida, porque é nela tenaz e poderosa a resistência a toda a dissolução.

 

Por outro lado, nestes termos, são escusados temores.

Mesmo abandonado a si próprio, às suas decisões tradicionais, aos seus hábitos inveterados, ao seu trabalho, à monotonia do seu viver diário, mesmo portanto sem ministros, sem sábios, sem legislações complicadas – o povo conseguiria viver.

 

- Terá ainda solução a crise?

 

O que pelo menos se pode desde já asseverar é que, pelo caminho que as coisas levam, e convertidos afinal em novas causas do mal, os
remédios com que se tem procurado diminui-lo, tudo se irá agravando, porque certamente ainda há pior que o estado actual.

 

A nossa preparação para o futuro tem já neste momento todos os defeitos contrários ás qualidades exigidas.

 

Provavelmente nós sofreremos a guerra... quando começar a Paz.

 

(Texto retirado da “Questão cerealífera” e da “Crise das Subsistências” escritos por António de Oliveira Salazar em 1914 e 1918).

 

Mas... depois da tempestade, a bonança!

 

Rio de Janeiro, 27/10/2011

 

 Francisco Gomes de Amorim

 

(*)http://www.trekearth.com/gallery/Europe/Portugal/South/Beja/Mertola/photo384072.htm

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D