Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

O DESEJO DE AFIRMAÇÃO

 

 

Mais um texto de militante convidado – o deputado do PS, Acácio Pinto - que o DN de 19 de Março publicou na rubrica “Fórum” sob o título “Afirmar o português no mundo”, a embirrar com os detractores do Acordo Ortográfico –“no momento em que um vasto conjunto de portugueses lhe decidiram fazer um ataque cerrado mas, em grande medida, serôdio.”

 

E o adjectivo ao jeito frutícola resulta da irradiante euforia de Acácio Pinto pelo facto de já não ser passível de eliminação o tal Acordo. A.P. joga pelo seguro e sabe que não haverá anulação, mesmo que seja disparatada grande parte dos argumentos dos que os protagonizaram e isso o faz ironizar com eloquência e saber, embora sem ter lido nunca os argumentos dos seus contrários.

 

A indignação de Acácio Pinto transparece no parêntese («Ou será que foi preciso Vasco Graça Moura chegar ao CCB e desautorizar o primeiro-ministro, para que este assunto voltasse à ribalta?»)

 

Realmente, Vasco Graça Moura chegou ao CCB e fez tropelias no Acordo ao rejeitá-lo no seu espaço de trabalho, em protesto inútil, tal como o é o dos mais reaças, que não seguem os ditames daquele.

 

Quanto a mim, admiro a sua coragem em desautorizar os fabricantes do A. O., talvez por se considerar um ser com peso intelectual bastante para se permitir fazê-lo. Quanto ao PM não sei se se achou desautorizado. Afinal, ele antes de o ser, também já o era, tal como a pescada, isto é, era contra o Acordo antes de ser PM. A menos que a sua posição passada visasse já o seu presente ministerial, infelizmente temos que admitir essa hipótese, já que agora o PM atirou com a querela às malvas.

 

Todo o texto de A.P. é um acervo de lugares comuns sobre os vários acordos, desde 1911 sem envolvimento da Academia Brasileira e os posteriores, de acordo com ela, de 31, 43, 45, 71/73, 75 e 86, em que “foi, finalmente, encontrado um texto comum que, podendo ter lacunas, é um acordo internacional e um acordo é, em si mesmo, um facto que encerra convergência, que é positivo e que importa, pois, enfatizar.”

 

Para além da alegação, talvez irónica, de que um acordo encerra convergência, ainda que não tenha sido solicitado referendo, e do falso argumento de que se trata de um acordo internacional, omitindo propositadamente os Palops que o não ratificaram, propõe os conhecidos exemplos de substituições antigas, de duplas consoantes: ph>f – (pharmacia>farmácia), sc>c - (sciencia>ciência, ct>t (aflicto>aflito), xh>x – (exhausto>exausto), cuja mudança em seu tempo também provocou excitações, gradualmente extintas.

 

Ninguém põe em dúvida a natural evolução das línguas, sujeitas a um processo simplificador, com leis específicas, como a do menor esforço, que origina fenómenos fonéticos como assimilações, dissimilações, nasalações, síncopes, apócopes, próteses, etc., etc., e que têm como efeito as transformações gráficas correspondentes. Nessa lei do menor esforço se integram as duplas supressões consonânticas citadas, como, por uma ordem de racionalidade, se propõe a passagem do ditongo único antigo, ãi de mãe, ao actual ãe, por inexistência do primeiro e sua assimilação gráfica ao ditongo do plural ães de cães, pães, proveniente do latim –anes. A língua brasileira, por arrastamento, o fez também, sem precisar de acordo.

 

O texto de Acácio Pinto omite tudo o que existe de insensato no novo Acordo, como a criação da nova homonímia - “ato”, o presente e o pretérito –“achamos” – a criação de absurdos linguísticos, como na onomástica – Egito, egípcio - tudo isso gerador de confusões, e de dificuldades ao nível da interpretação e da escrita, originando, para mais, uma língua sem carisma, própria de um povo atrasado e desclassificado como é, cada vez mais o nosso, indiferente ao legado clássico.

 

Por outro lado, nesta pretensão de absurda fraternidade luso-brasileira, que esconde reais sintomas de subserviência, por interesse económico, ignora-se o facto de a pretensa uniformização ortográfica não passar de falso argumento, já que tal uniformidade não é absoluta. Veja-se o caso dos binômios ou dos tônicos brasileiros com um chapeuzinho a resguardar dos calores, contra o acento agudo acutilante dos nossos.

 

Pessoas ambiciosas e idólatras como o deputado A. P. temo-las q. b. para a revolução ortográfica. Já as tivemos antes, para a revolução política. Estamos aqui. Assim.

 

 Berta Brás

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2005
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2004
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D