Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CHILE - 2

SERÁ ESTA A HISTÓRIA DO FUTURO?

 

 

Aterrámos em Santiago que se situa numa planície encaixada entre a Cordillera Costera e os Andes pelo que as influências externas são difíceis. Para o bem e para o mal: mosquitos, ácaros e outras pragas não conseguem passar por cima das montanhas mas a humidade marítima também não e, portanto, a água é oriunda dos glaciares mas o ambiente é mesmo muito seco. Um dos cenários habituais na cidade é o smog mas as divindades incas devem ter querido que gostássemos do país e fomos dispensados desse inconveniente.

Catedral de Santiago do Chile.jpg

Catedral

 

Quando a estadia é breve, nada melhor do que recorrer a profissionais que nos mostrem superficialmente o que há para ver em vez de nos metermos em museus mais ou menos bafientos ou de andarmos «ao Deus dará» sem rumo, ou seja, aos baldões da sorte e do azar. Assim fizemos e não nos arrependemos.

 

Tivemos um guia que se revelou mais interessante do que as coisas que nos mostrou. Sei o nome dele mas não lhe pedi autorização para o citar e, portanto, vou referi-lo apenas como W.

 

W morreu de pé e fracturou o crânio quando caiu desamparado. Felizmente, acudiram-lhe de imediato, puseram-lhe o coração a bater novamente e trataram-lhe da fractura craniana mas o coma prolongou-se e W só acordou 3 meses depois de ter morrido. Capitão-de-Mar-e-Guerra da Armada Chilena, compreende-se que não tenha voltado ao activo. Mas W não é homem para «encostar às boxes» e decidiu continuar a ser útil. Fez um curso de guia turístico e ei-lo a mostrar Santiago a quem tenha a sorte de lhe caber nas voltas pois que dá verdadeiras aulas da História do seu país em vez de apenas papaguear os manuais que referem o número de lugares do estádio de futebol ou a altura da torre de não sei quê.

 

Um companheiro de circuito, jovem mexicano que devia estar em lua-de-mel, saudoso do socialismo chileno (é fácil ter-se saudades das experiências alheias e, de preferência, passadas em casa do vizinho), perguntou-lhe se ele achava possível que o socialismo voltasse ao Chile. W não hesitou muito na resposta: - A ética do guia turístico leva-o a não tecer comentários políticos. Fim de papo!

 

Mas foi só necessário chegarmos à Plaza de Armas e, frente ao Palácio de La Moneda, o mesmo jovem mexicano entusiasmou-se com a estátua de Allende e perguntou onde estava a de Pinochet. W sentiu-se picado e pediu para abrir uma excepção à questão dos comentários políticos. Todos lha concedemos (éramos só 10 turistas) e ele respondeu com a maior naturalidade: - Este cavalheiro (apontando para Allende) arruinou o país, deu liberdade aos maiores desmandos contra a propriedade e fracturou a Nação mas oficialmente respeitou os Direitos Humanos pelo que tem aqui esta estátua; Pinochet acabou com os desmandos, pôs o país a funcionar e promoveu o regresso da paz social mas não poupou os prevaricadores e por isso não tem estátua.

 

Minha conclusão: as estátuas são mandadas erigir pelos prevaricadores.

 

Estátua a Allende em Santiago do Chile.jpg

 Estátua daquele que afundou o país fracturando a Nação

 

Recordo que Allende presidiu aos destinos do Chile de 1970 a 1973 no âmbito de um processo muito «acompanhado» por Fidel Castro.


Descortino uma estratégia soviética de apertar os EUA por uma tenaz constituída por Cuba e Chile à semelhança do que fez de seguida em 1974 com a Europa apertando-a entre ela própria (a URSS) e Portugal. As «coisas» não correram exactamente como planeadas no Kremlin mas, mesmo assim, os comunistas mantiveram Cuba e apropriaram-se do Império Português.

 

Mas W está muito incomodado com a perda de soberania chilena pois as comunicações são da grande telefónica espanhola, a finança está dominada pelo banco com nome basco, as auto-estradas foram concedidas a empresas espanholas e mais não disse para ter a certeza de que o pace-maker não desatava aos pulos. Disse-me que está a crescer a ideia um pouco por todo o Chile de que se torna necessário enveredar pela «segunda conquista». Ele próprio não sabe ao certo o que isso possa vir a significar mas quando lhe referi a linha de Eduardo Frei ele ficou cheio de vontade de me dizer que sim. Mas não disse.

 

Finalmente, uma referência ao período de 25 anos entre cada dois grandes terramotos. O último foi há dois anos e, a cumprir-se o ritmo factualmente registado, faltam 23 anos de reconstrução nacional com um formidável volume de obras. Pergunto: o que andam as nossas empresas de obras públicas a fazer em vez de abrirem escritórios em Santiago do Chile para entrarem nesses trabalhos?

 

E como é desta que concluo as mini-crónicas sobre esta minha viagem, sinto-me no direito de estabelecer um paralelo entre a Argentina e o Chile: a Argentina é um país estupendo apesar dos políticos; o Chile seria um segundo Afeganistão se não fosse a qualidade da gente que lá tem dentro.

 

Haja saúde e continuemos...

 

Henrique Salles da Fonseca

(na cadeira do Poder Regional, Santiago)

6 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2005
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2004
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D