Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

ARGENTINA – 10

 

A LUA

 

 

Nuvens benignas atravessadas sem tremeliques de nota, eis-nos a sobrevoar a Patagónia. Começam os lagos a aparecer por aqui e por ali e o avião continua a descer paulatinamente... Até que surge uma imensidão de água a fazer de crianças aos que viramos antes. E lá fomos descendo... até constatarmos que não era ilusão óptica: não fora o lago e diríamos que estávamos a alunar e não a aterrar – nem uma única erva, tudo completamente estéril, deserto.

 

 

A pista do aeroporto é na margem do Lago Argentino – é esse o nome dele – e o contraste é tal que mereceu uma foto logo que saímos da manga. Pena foi que não nos tivéssemos lembrado de fotografar também o outro avião que ali estava estacionado de cores branca e azul celeste com letras bem visíveis proclamando que pertencia à “REPÚBLICA ARGENTINA”. Já lá vamos...

 

 

A dezena de quilómetros do aeroporto à cidade é de paisagem lunar e logo tentei descortinar a razão de tanta desolação. Os ventos
predominantes sopram da Polinésia para leste mas quando chegam à costa chilena logo encontram os Andes, são empurrados para cima, condensam e a humidade transforma-se em neve. Essa neve faz glaciares nas duas encostas e os que pendem para o lado argentino lá vão criando os lagos que já referi. Mas o vento, esse, continua o seu percurso. Só que já sem a humidade que largara nos Andes e, conjugado com o Sol, «em vez de criar, seca».

 

 

Mas Deus é grande e lá permite que a vida prossiga mesmo onde não era suposto ela medrar. Assim, no sentido dos Andes, os arredores de El Calafate transformam-se em estepe e é nessa que se criam os ovinos que deram origem à cidade. 

 

Nunca eu ouvira falar de Gerónimo Berberena. Contudo, a muito educada população local sabe que se trata do verdadeiro fundador da sua cidade. Mais: até deixam que se digam outras coisas pois sabem que ele é que foi o verdadeiro fundador.

 

Havia por ali «haciendas» de extensíssima produção pecuária com dias de marcha entre elas e sempre que precisavam do mais pequeno
apoio externo, tinham que se deslocar a umas centenas de quilómetros até à capital provincial, Rio Gallegos (pronuncie-se «gaxegos»).

 

E foi no já longínquo 1915 que Gerónimo Berberena decidiu emigrar da sua Espanha natal para a Argentina a fim de conseguir alimentar a família. Teve sorte: arranjou emprego no dia em que pôs pé em terra, nesse remoto Rio Gallegos, como empregado da Sociedade Anónima de Importação e Exportação da Patagónia. É claro que não discutiu a função que lhe atribuíram: instalar um posto comercial (mercearia, diríamos hoje) no interior da Província para abastecer as «haciendas» por lá perdidas e comprar o que elas tivessem para vender.

 

 

E para se resguardar da ventania fria e seca, começou por construir um casinhoto de chapa ondulada lá no meio da estepe, fronteira com o deserto mas à beira de um imenso lago, a trás dumas moitas ressequidas. Esse arbusto é o calafate e, pronto, foi ali mesmo que as pessoas começaram a ir comprar isto e aquilo que a mercearia tinha para vender. E a Sociedade Anónima também comprava a lã que os fazendeiros tinham para vender pelo que as gentes se foram instalando por ali... Passados uns tempos, Berberena decidiu-se por fazer da sua casa um posto de Correio e passados alguns anos foi o próprio Governo argentino que o nomeou Juiz de Direito. Tudo pareceu normal quando ele pediu (e conseguiu) a instalação de uma escola primária e hoje já ninguém poderia imaginar El Calafate sem a sua escola secundária, os seus hotéis, restaurantes, agências bancárias e mais não sei quê, até à casa particular da Presidenta Cristina Kirchner.

 

Fica assim explicada a presença do avião branco e azul celeste estacionado no aeroporto de El Calafate: Sua Excelência a Presidenta
estava a passar o fim-de-semana (que ela prolongara por Decreto) na sua casa privada na Patagónia.

 

 

Passei-lhe à porta a pé e de carro mas não a vi. Foi pena pois que, segundo as fotos, até parece que se apresenta bem!

 

(continua)

 

Henrique Salles da Fonseca

 

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2005
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2004
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D