Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

ARGENTINA – 8

 

 

NAVEGANDO

 

 

Dá para encarar a possibilidade de se ir viver para Palermo, arredores de Buenos Aires, numa daquelas moradias pequenas mas com aspecto muito confortável, à sombra de grandes acácias certamente mandadas colocar ali por alguém com muito gosto. E como era fim de Verão e início de Outono, o Sol moderado dava-lhe uma nostalgia digna de um sentido tango. Cumprindo a regra nacional, tudo no sítio certo, nenhum papel no chão, gente asseada, urbana, educada. Graffiti? Nem um!

 

E são quilómetros e quilómetros dessas moradias cercadas de pequenos jardins a mostrar à saciedade a dimensão da classe média que por ali vive confortavelmente.

 

Foi a caminho de Tigre para um passeio pelo delta do rio Paraná seguido da viagem de regresso a Buenos Aires ao longo da costa argentina do Rio de la Plata que fiquei a saber que in illo tempore houve quem imaginasse tigres na América do Sul. Confusão com a onça-pintada entretanto desaparecida daquelas paragens para tranquilidade dos muitos que ali vivem naqueles encantadores arredores da cidade autónoma.

 

 

Dará muito trabalho contar o número de ilhas que compõem o delta do Paraná na certeza, porém, de que todas as casas têm endereço
completo com número de lote e nome da ilha em que se localizam. E à semelhança de Veneza, há barcos para transporte público a que por ali não chamam «vaporetti» mas chamarão de qualquer outro modo que não apurei. A recolha do lixo tem barcos apropriados, a mercearia flutua e apita à porta da clientela, a ambulância tem proa e popa, as garagens são pelo método do guincho para que a «viatura» poise sobre o cais privativo e o transporte escolar é gratuito para que ninguém possa argumentar que não vai à escola porque não sabe nadar. Os bólides fazem grandes ondas mas todos abrandam quando se cruzam com outro barco de modo a que os solavancos e as molhas são acidentes e não acontecimentos normais. E como era Domingo de finais de Verão, as famílias estavam nos seus jardins à beira-canal, as praias artificiais públicas e privadas com tartan granulado a fingir de areia, todos com a certeza de que é bom viver ali. E nós, passantes, com gosto de os ver gostar. Castanha escura, a cor da água. Mas quem é que havia de a querer de outras cores?

 

Transporte público

 

A palafita é imprescindível a quem vive num delta.

 

E saímos do delta...

 

O Rio de la Plata é a perder de vista e foi só necessário entrar nele para percebermos como terá sido fácil a tanto descobridor de antanho julgar que aquela era a passagem para o outro lado daquele novo continente que abusivamente se interpunha entre a cobiça e as Molucas. Na lancha rápida, 50 minutos para a atravessar; de barco convencional, quase 3 horas.

 

Mas foi só começarmos a navegar ao longo da costa argentina e eis-nos a ziguezaguear entre muitos e muitos barcos e barquitos pertencentes aos inúmeros clubes de vela que por ali existem. Sim, recordemos que era Domingo e que o tempo estava amigo das férias de finais de Verão. Das bandas do Uruguai soprava brisa amiga dos navegadores novatos daquelas tantas escolas de vela e também amiga dos turistas que por ali passeávamos já encantados pelo país a que há pouco chegáramos.

 

Eram tantos que navegavam por ali...

 

Fiquei cheio de pena de não ter sido possível encaixar no nosso programa uma ida a Colónia de Sacramento mas o óptimo é inimigo do bom e a ex-colónia portuguesa lá terá que ficar à minha espera na margem norte do Rio de la Plata... 

 

 

Aportámos a Puerto Madero e logo nos disseram que aquela obra era uma das causas da dívida externa argentina. Podem dizer o que quiserem assim como nós somos livres de acreditar (ou não) no que nos digam. Admito que aquela obra possa não ter ajudado à resolução da crise da dívida externa argentina mas é para mim óbvio que as causas foram outras e de muito maior dimensão. Por favor, deixem Puerto Madero tranquilo, sem essas culpas. Leiam a História e meditem.

 

Siga a viagem!

 

(continua)

 

 Henrique Salles da Fonseca

8 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2005
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2004
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D