Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

ARGENTINA – 6

ATÉ HOJE!

 

 

Foi num dramático contexto económico que se realizaram eleições presidenciais em Maio de 1989 e, como seria de esperar, a vitória coube ao candidato da oposição, o peronista Carlos Menem, com 51% dos votos. Só a magnitude do caos económico-social justificou a vitória da oposição que, ironia das ironias, era a herdeira da linha que levara a Argentina à bancarrota uns anos antes. Mas, contudo, pela primeira vez na história da Argentina realizava-se uma sucessão entre dois mandatários civis constitucionais de diferentes partidos políticos.

 

 

 

Menem governou a Argentina de 1989 a 1999 recebendo o país mergulhado no caos económico e inflacionário. Durante o seu primeiro
mandato, Menem procurou estabilizar a situação inflacionária do país. Assim, avançou com a chamada Lei de Convertibilidade, igualando o valor do Peso ao do Dólar americano, o que provocou uma catástrofe económica por completa inaptidão ao novo valor atribuído à moeda nacional. Mas também privatizou empresas, abriu o mercado e firmou o Tratado de Assunção, que deu origem ao MERCOSUL. Na sequência da sobrevalorização artificial do peso, o segundo mandato de Menem caracterizou-se pelo aumento do desemprego, da pobreza e do trabalho ilegal com a dívida externa a aumentar quase 82 biliões de Dólares. No final de 1998, a Corte Suprema decidiu que Menem não se podia candidatar a um terceiro mandato consecutivo e, entretanto, iniciara-se uma recessão de quatro anos que se tornaria a mais longa e destrutiva da história argentina. Estes problemas continuaram em crescendo até 2001, o que provocou a resignação de Fernando de la Rua, advogado e membro da União Cívica Radical, que ganhara as eleições dois anos antes.

 

À crise económica junta-se então a crise política e há quem seja nomeado provisoriamente para assumir a presidência e lá fique apenas alguns dias (cinco Presidentes em apenas 15 dias), um dos quais anunciou urbi et orbi a suspensão de pagamentos da dívida externa. Para ornamentar o cenário, os distúrbios de rua a transferirem-se para dentro do próprio Congresso Nacional com zaragatas vergonhosas redundando em incêndios, vidros partidos e mobiliário espatifado.

 

Até que é finalmente nomeado um peronista e a calma regressa. Coincidências... 

 

Eduardo Duhalde foi o quinto Presidente provisório e ficou no cargo até Maio de 2003, ou seja, durante um pouco mais de dois anos. Promoveu um programa de assistência aos desvalidos pela débâcle e – fundamental – desvalorizou a moeda.

Malabarismos circunstanciais à parte, as eleições foram então ganhas pelo seu correligionário Nestor Kirchner.

 

Nova desvalorização e eis que, contra todas as expectativas, se dá início a uma política de equilíbrio orçamental. O PIB voltou a crescer e a vida política estabilizou.

 

 

E a Nestor seguiu-se a Cristina que lá está.

 

Eis a carga histórica que me acompanhou nas deambulações por Buenos Aires e arredores. Também me acompanhou um Peso que comprei ao câmbio de 5,4 relativamente ao Euro.

 

 

A ser verdade o que li num jornal «fueguino» (natural da Terra do Fogo – como se dirá em português?), em Janeiro de 2012, o saldo da balança comercial argentina terá sido positivo em 550 milhões de Dólares, o que me pareceu muito bom. Perante as hesitações do gerente do hotel em que me hospedei em Uchuaia, acho melhor repetir: a ser verdade...

 

Agora, sim, considero-me em condições de contar o que por lá vi.

 

(continua)

 

  Henrique Salles da Fonseca

7 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2005
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2004
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D