Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

A ESSÊNCIA DO PROGRESSO -4

 

 

Fica por saber o que sucederia se medíssemos o analfabetismo científico, ou seja, se fizéssemos a medição da ignorância relativa aos
conhecimentos mais básicos da Ciência e da Tecnologia de que qualquer pessoa necessita para sobreviver razoavelmente numa sociedade moderna.

 

Curiosamente, o ensino de Ciências no 1º e no 2º ciclos assenta nos princípios básicos da biologia, da física, da química, etc., – o que corresponde a conhecimentos bem distantes do quotidiano das pessoas – esquecendo a explicação de outras coisas de bem maior relevância tais como o motor, a lâmpada, a televisão, a Sida, o rolamento de esferas...

 

Resulta assim uma grande desmotivação da juventude para aquilo que lhe querem ensinar numa escola que nada tem a ver com a realidade da vida. Eis como surge aquele preocupante abandono escolar e, na população escolar que persiste, um enorme insucesso.
Temos que colocar a questão: - Quem está mal? A população escolar ou a Escola? A resposta tem que se inspirar na anedota sobre os tempos soviéticos: O povo não concorda com o Soviete Supremo. Temos que mudar de povo!

 

O modelo de ensino está claramente desajustado relativamente à motivação geral da juventude e essa deve ser razão suficiente para uma reflexão por parte de todos os profissionais do ensino.

 

O aparelho técnico educativo oficial tem que ser confrontado com a realidade do País pois está a formar ou a deformar a juventude a seu bel-prazer sem que se lhe exijam grandes responsabilidades e, pelas taxas de abandono conhecidas, pode-se dizer que está a esbanjar gerações que no futuro passarão por analfabetas e incompetentes.

 

Estamos a tratar do ensino obrigatório, de cultura geral básica, não de estudos avançados nem sequer de nível médio. Os verdadeiros cientistas formam-se noutros níveis muito mais elevados. Mas o sistema escolar em vigor quer fazer cientistas que pensem do geral para o particular logo à saída do berço e o resultado é um falhanço clamoroso. Poderá ser menos ambicioso em termos intelectuais ensinar do
particular para o geral mas tudo nos leva a admitir que a motivação dos jovens seria bem maior do que actualmente.

 

Este tipo de questões é da maior relevância para o tecido empresarial que trabalha com gente que tem sido mal preparada para as necessidades da vida moderna, nomeadamente para lidar com tecnologias de ponta. A via profissionalizante continua sem grande expressão em Portugal. Todos queremos ser Doutores e Engenheiros e ninguém quer ser Técnico intermédio. Se o problema está no título, façamos como os americanos que aos Mecânicos e Electricistas chamam Engenheiros e aos Engenheiros tratam pelo nome.

 

Segundo o Eurostat (http://epp.eurostat.ec.europa.eu/), na população entre os 25 e os 64 anos, que em 2006 tinham o ensino secundário ou mais, em %:



Republica Checa - 90.3
Eslováquia - 88.8
Estónia - 88.5
Noruega - 88,4

Lituânia - 88.3
Polónia - 85.8
Letónia - 84.5
Suécia - 84.1
Alemanha - 83.3
Dinamarca - 81.6
Eslovénia - 81.6
Áustria - 80.3

Finlândia - 79.6
Hungria - 78.1
Bulgária - 75.5
Roménia - 74.2
Reino Unido - 72.6
Holanda - 72.4
EU (27 países) - 70.0
EU (25 países) - 69.7
Chipre - 69.5
Bélgica - 66.9
França - 66.9
EU (15 países) - 66.7
Irlanda - 66.2
Luxemburgo - 65.5
Euro área - 64.9
Grécia - 59.0
Itália - 51.3
Espanha - 49.4
Portugal - 27.6
Malta - 26.5

 

(*)

 

E que sucede nesta perspectiva? O cenário não é brilhante e teremos ainda muito que fazer antes que possamos começar a estar satisfeitos com os progressos que vamos conseguindo.

 

(continua)

 

 Henrique Salles da Fonseca

 

(*)http://www.google.pt/imgres?q=burro%2Bcarregado%2Bde%2Blivros&um=1&hl=pt-PT&sa=N&biw=1024&bih=735&tbm=isch&tbnid=YOG4JKJN6NSTXM:&imgrefurl=http://epralevoraa2010-2011.blogspot.com/2011/12/um-burro-carregado-de-livros-e-um.html&docid=ct4gj3shtqae1M&imgurl=https://1.bp.blogspot.com/-7zbnCWvKWt4/TtzwIN2JfZI/AAAAAAAABPg/Zy94R-WLcSM/s320/burro%252Bmedico.jpg&w=320&h=274&ei=eIItT_b_Foay0QWaqeitCA&zoom=1&iact=rc&dur=484&sig=109573699884915906692&page=2&tbnh=165&tbnw=177&start=23&ndsp=17&ved=1t:429,r:15,s:23&tx=79&ty=102

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D