Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

DISCOS PARTIDOS

 

Disse a minha amiga a respeito daquele risonho jovem da bancada socialista, Pedro Santos, que afirmou estar-se marimbando para a dívida à Europa, e que não a devíamos pagar, no rasto do pai Sócrates. Certamente, todavia, sem os estudos que este se esforça por adquirir nas universidades por onde passa, com o conforto preciso.

 

- Quando estes fazem parte do conjunto, que gente é esta? Que qualidades é que esta gente tem para fazer parte dum partido? E os partidos também estão entregues a gente assim!

 

Eu embirro com a displicência contida no colectivo depreciativo “esta gente”, que suponho foi buscar ao salero megalómano da Clara do Eixo, e assim lho expressei. Mas ela estava encolerizada, lançada nas suas memórias de véspera:

- Eu digo uma coisa: entreguem os governos às mulheres.

 

Não cheguei a soltar um “Credo!” assustado, na antevisão da inflação de sensibilidades, ao lembrar-me das vozes apaixonadas e esganiçadas das nossas parlamentares de esquerda, e logo me recompus pensando nas vozes serenamente inteligentes das nossas parlamentares de direita e o trabalho consciencioso de algumas ministras. E fiquei na dúvida, pois também confio no Passos Coelho e os seus homens, que se estão a revelar com inteligência, honestidade, serenidade e firmeza, na actual conjuntura, mas, de resto, a minha amiga nem me deu tempo a abrir a boca:

- Eu ontem ouvi uma advogada, uma rapariguinha nova, num caso de crianças e de pais separados, no programa da Fátima Lopes. Um caso alarmante! Um pai que começa por difamar o novo companheiro da mãe no espírito das filhitas, aquando das suas visitas ao pai, e acaba escondendo-as, impedindo-as de irem à escola, de comunicarem com a mãe, acusando o sujeito, com quem as crianças se davam bem, de intenções pedófilas, sujeitando as crianças a observações médicas para provar a honra do homem e o direito à posse das crianças pela mãe. E depois disso voltaram para o pai, e nem a polícia acode à pobre mãe, e a nossa Justiça não anda, nem desanda.

 

A minha amiga estava indignada:

- E é isto no século XXI! Aquelas crianças ficam traumatizadas para o resto das suas vidas!

 

Lembrei-me de um texto que escrevera nos idos de setenta, a respeito da Justiça protectora dos homens, vá-se lá saber porquê, e discriminatória relativamente às mulheres, apesar dos direitos de protecção social destas e das crianças, consignados na Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948, e desenvolvidos sucessivamente em outros organismos legislativos.

 

Foi este o texto, extraído de “Prosas Alegres e Não”:

«PERGUNTAS MINUCIOSAS»

 

«Quando se põe uma pergunta com brilho, os espíritos das pessoas em geral deslumbram-se. As casas onde se fazem mais perguntas deste género, além das escolas, onde a maior parte das vezes, por natural timidez, elas ficam sem resposta, são os tribunais onde, pelo contrário, cada pergunta recebe duas e mais respostas, todas demonstrativas da infinita variedade das interpretações humanas.

 

É por esse facto, certamente, que em alguns casos onde a maioria preferiria reserva, se usa de uma desmedida prolixidade, para que se admire a argúcia nos interrogatórios a que se expõem as pessoas visadas.

 

É, por exemplo, o caso da legitimação dos filhos a que determinados papás de facto, pretendem furtar-se por direito. As felizes mães – felizes porque em muito destaque então – são sujeitas a um interrogatório em forma, em sala onde entra quem quer, ouve e observa quem quer e mesmo quem não quer, embora estes últimos em minoria, dada a natural e sempre fecunda curiosidade humana.

 

Certas mães recusam-se a responder, entendendo que para se provar a legitimidade de um filho há pormenores escusáveis.

 

Mas essas mães estão erradas. Porque tudo interessa a quem interroga. Para formar a tese
sobre a possível filiação da criança, factos, detalhes, atitudes, caracteres, romance naturalista em suma, tem um interesse infinito.

 

Quantos mais argumentos encadeados sabiamente, mais o caso terá probabilidades de êxito, e a criança em questão terá então o seu pai, após a perfeita humilhação da sua mãe.

 

Chama-se dialéctica a esta arte feliz dos argumentos e para isso não houve outro como o nosso Padre Vieira – embora sobre outros motivos que também deram que falar.

Mudam-se os tempos, e como já não temos índios nem cristãos-novos a defender, usamos a dialéctica a defender as crianças, o que é sempre uma atitude de enternecer, conquanto os meios usados o sejam menos, segundo alguns pensadores severos.

 

Cristo mandou que as criancinhas se chegassem a Ele, é certo, mas também obstou a que a Madalena levasse pedradas. Possivelmente só o primeiro gesto de Cristo é conhecido, ignorando-se o das pedradas.

 

É por se ignorar isso, com certeza, que alguns interrogatórios se fazem tão minuciosamente.»

 

A mulher conquistou direitos e as crianças também. Aparentemente. Porque, talvez por falta de meios mediáticos, talvez por convencionalismos inibitórios, talvez porque, apesar de tudo a Justiça funcionasse melhor, em todo o caso dantes não se punham tanto estes graves problemas de violência doméstica, de pedofilia, de monstruosidades incestuosas, como actualmente.

 

Mas o que se espanta é que neste ano 2011, a terminar, a Justiça não acorra célere, para salvar estas duas crianças raptadas pelo pai vingativo, entregando-as à mãe, permitindo os traumas hediondos que estão a sofrer, longe da mãe, da escola, da luz.

Resta-nos pedir um milagre.

 

 Berta Brás

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D