Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

O PADRE MALAGRIDA JÁ ESTÁ EM COPENHAGA...

 ... e o Marquês de Pombal vai a caminho

As alterações climáticas sempre aconteceram e a instabilidade do clima sempre reduziu os homens à sua insignificância

 

Nas igrejas pode estar a diminuir o número de fiéis, mas nas ruas correm multidões de penitentes. Dizem que vão salvar o planeta e sobretudo comprazem-se em anunciar-lhe o fim, ora submerso como aconteceu à orgulhosa Atlântida, ora abrasado como terá sucedido em Sodoma e Gomorra.

Àqueles que ousam questionar tal Apocalipse acusam de incredulidade e casos existem em que tentaram mesmo criminalizar a formulação destas dúvidas que vêem como uma heresia. E assim, dois séculos e meio após ter sido escrito o Juízo da Verdadeira Causa do Terramoto Que Padeceu a Corte de Lisboa, no primeiro de Novembro de 1755, o padre Gabriel Malagrida tornou-se não só uma obra actual como global.

 

Tudo o que neste século XXI acontece na Terra, seja uma trovoada na Austrália ou um nevão no Canadá, é o resultado das alterações climáticas, agora transformadas em crime humanamente nefando no sentido setecentista do termo. Nesse século XVIII em que Malagrida foi pregador, o terramoto de Lisboa foi visto como um sinal da ira divina. Cabe perguntar por que se teria zangado Deus em 1755 com esta cidade de Lisboa. Depende da fé dos acusadores. Para o jesuíta Malagrida a zanga de Deus provinha dos "intoleráveis pecados", como a vaidade, praticados nesta cidade. Para os protestantes aquela catástrofe nascia do desagrado divino com esta Lisboa onde se adoravam imagens, existia a Inquisição e se dizia missa em latim, o que, segundo eles, impedia o conhecimento da palavra de Deus e gerava a sua consequente fúria.

 

O resto desta história é razoavelmente conhecido: o padre Malagrida acabou queimado num auto-de-fé e o Marquês de Pombal reforçou os seus poderes. Das fúrias de Deus com os lisboetas deixou de se falar, até porque outras fúrias se abateram sobre o reino e a sua capital. Entretanto descobriu-se que os nossos antepassados, tenham sido eles os fenícios ou os gregos, acharam por bem fundar esta cidade numa zona de risco sísmico que nos dá os terramotos como das raras certezas das nossas vidas alfacinhas, com pecados ou sem eles.  

 

Aquele espalhafato penitencial da pegada ecológica que esta semana (este artigo foi escrito e publicado no jornal Público em Dezembro de 2009) anda por Copenhaga tem de facto muito do palavreado dos pregadores que, como o pobre Malagrida, aterrorizavam os nossos antepassados, associando os seus pecados aos tremores de terra, à perda das colheitas, às secas ou à fúria das águas. As alterações climáticas sempre aconteceram e a instabilidade do clima sempre reduziu os homens, sejam eles das cavernas ou dos arranha-céus, à sua insignificância. Por isso em todos os tempos sempre existirão Malagridas a inventarem-nos responsabilidades naquilo que infelizmente não podemos evitar, como as catástrofes naturais, ou a agigantarem-nos os medo se as culpas como está a acontecer actualmente com o aquecimento global que, recordo, sucede ao terror duma nova idade do gelo e à explosão demográfica como os flagelos que, nas últimas décadas, nos garantiram que iam destruir o planeta.

 

Mas não sejamos inocentes: Malagrida não existe sem Pombal.

 

Por Copenhaga circulam os herdeiros do autoritarismo iluminista que em cada catástrofe, seja ela real ou anunciada, vêem uma possibilidade de aumentar o seu poder para níveis que, não fosse esta ambiência catastrófica, não se aceitariam. As propostas que em nome da salvação do planeta se têm feito ouvir por parte de líderes como Sarkozy, Lula da Silva ou Zapatero provavelmente ficarão pelo meio do caminho à excepção óbvia da produção de milhares e milhares de regulamentos que aumentarão o poder dos governos não para melhorar a vida do ou no planeta, mas sim para complicar a existência dos comuns mortais e torná-los cada vez mais dependentes do poder político.

 

Helena Matos

 

NOTA

Perguntarão os leitores por que é que estou a publicar um texto com mais de dois anos...

Porque nesta época de sérios problemas por que passamos considero importante que nos recordemos da razão pela qual a Conferência de Copenhaga foi inconclusiva.

Vão recordando comigo...

Lembram-se daquele cientista duma Universidade britânica cuja correspondência com outros colegas combinando a manipulação dos gráficos das temperaturas foi descoberta dias antes da dita Conferência?

Ficou conhecido como o «Climategate».

A questão era simples: em vez de apresentarem as medições reais que apontavam para a descida geral das temperaturas, os fulanos invertiam o gráfico e o que aparecia era o aquecimento global.

Revelada a manipulação nas vésperas da Conferência, lógico seria que a mesma fosse inconclusiva e a atrapalhação dos oradores políticos foi total pois já tinham mandado redigir os discursos e ficaram sem pinta de sangue à última hora.

E que será feito dos manipuladores? Não sei mas desejo que tenham sido postos no lugar que lhes compete, a rua.

Eis a questão que me parece importante nos tempos que passam: perante a falsidade então descoberta, não será altura de desmantelarmos tantas imposições que dificultam a actividade económica?

Meditemos antes de agirmos...

Henrique Salles da Fonseca

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2005
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2004
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D