Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

NEM TODO O PROJECTO DE INFRA-ESTRUTURA DEVE USAR RECURSOS DO TESOURO

 

 

 Já não resta dúvida de que a indústria de transformação brasileira passa por um momento difícil. O nível de produção actual ainda não superou o atingido em 2008, logo antes da deflagração da fase mais aguda da grande crise global. São muitas as causas apontadas para o fenómeno: câmbio valorizado, competição chinesa, retraimento dos mercados ricos (que causa sobre-oferta) e diversos entraves ligados ao chamado custo Brasil.

 

É nesse último item, porém, que a história se complica um pouco. É comum a afirmação de que uma das acções para aumentar a competitividade da indústria nacional que depende apenas do esforço e da capacidade de decisão dosbrasileiros — ao contrário do câmbio, da China e da desaceleração nos EUA, Europa e Japão — é melhorar a infra-estrutura do país. Afinal, com melhores estradas e portos, nossos produtos escoarão de forma mais eficiente e barata, tornando-se, consequentemente, mais competitivos.

 

É absolutamente certo que o Brasil deva melhorar a infra-estrutura, mas, infelizmente, ao contrário do que muitos preconizam, isso pode não facilitar a vida da indústria de transformação. Tudo vai depender do tipo de investimento que será feito.

 

A razão é simples. As deficiências de transporte e logística têm um impacto negativo muito maior na competitividade das commodities do que na dos manufacturados. A participação do frete e dos custos portuários na exportação de soja, por exemplo, é muito maior proporcionalmente do que nas vendas externas de automóveis ou de calçados.

 

Em 2010, segundo a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), as despesas portuárias e de frete reduziam a receita líquida do exportador de soja em US$ 70, isto é, de US$ 412 por tonelada (preço FOB, free on board) para US$ 342. Em comparação, a perda nos Estados Unidos, graças aos subsídios, era de apenas US$ 2, para o mesmo preço FOB. Na Argentina, era de US$ 164, por causa da política das “retenciones”, que significa um imposto de exportação de 35%.

 

No que tange ao automóvel, o custo de transportar um carro brasileiro exportado para a Argentina é de R$ 875,64, segundo trabalho de Rachel Ballardin, Antonio Cezar Bornia e Rafael Tezza. Uma simples passada de olhos sobre a relação entre custo de transporte e preço da mercadoria sugere que, no caso brasileiro, a exportação de soja é significativamente mais onerada do que a de produtos manufacturados, como veículos.

 

Se houver ganhos de eficiência nas estradas e nos portos brasileiros, portanto, os preços dos bens primários no embarque cairão bem mais do que os dos manufacturados. Dessa forma, a vantagem das commodities se ampliará, suas exportações crescerão e o Brasil ficará ainda mais especializado em produtos da natureza. E uma das consequências desse processo será a continuação da valorização do câmbio, que tornará a situação competitiva dos manufacturados ainda mais problemática.

 

Um provável efeito da melhora das estradas e dos portos é o de desestimular a produção de óleo de soja e incentivar a exportação da leguminosa em grão. A lógica aqui é a mesma que afecta os efeitos diferenciados da maior eficiência da infra-estrutura nos custos de matérias-primas e de produtos acabados, descrita acima. Assim, por mais paradoxal que possa parecer, as más condições das estradas e os altos custos portuários são favoráveis à indústria de esmagamento de grão de soja no Brasil.

 

Assim, quando se fala na redução do custo Brasil como factor de aumento da competitividade da indústria de transformação, é necessário verificar se as melhorias planeadas afectam de forma positiva o sector manufactureiro especificamente.

 

No entanto, parece incontestável que melhores estradas e portos sejam uma prioridade nacional, e que trarão ganhos para a sociedade brasileira, independentemente do impacto na indústria de transformação. O que é necessário, portanto, é que a estratégia nacional de ampliação e aperfeiçoamento da infra-estrutura leve em conta o custo e o benefício dos diversos projectos, no lugar de simplesmente se colocar recursos nos empreendimentos à medida que estes vão surgindo.

 

A opção de investir indiscriminadamente em infra-estrutura com recursos públicos deveria ter um pressuposto: as melhoras proporcionadas por estes investimentos deveriam ocorrer de forma abrangente e igualitária entre todos os segmentos sociais e económicos da vida nacional. Porém, como se viu em relação às manufacturas, aquela hipótese está equivocada. Os benefícios de novas e melhores estradas e portos distribuem-se de forma bastante desigual entre diferentes actores sociais e económicos (e também com forte componente regional, é claro).

 

Não é preciso nenhuma análise mais profunda para se perceber que a carteira brasileira de investimentos públicos em infra-estruturas está bastante orientada para a exportação de produtos básicos, com muitos projectos concentrados nos eixos que vão das zonas produtoras de cereais no interior do país aos portos de escoamento, com escassa conexão entre si. Esse padrão, aliás, tem raízes históricas, como fica claro na rede de ferrovias associada ao ciclo do café.

 

Quando se analisa a exportação de produtos básicos, principais beneficiados pelos investimentos em infra-estrutura viária e portuária, fica claro que, apesar das inúmeras vantagens que essa actividade traz para as empresas do sector e para o país em geral, há alguns efeitos colaterais indesejáveis. O mais conhecido deles é o câmbio valorizado, prejudicial à indústria.

 

Um problema adicional deriva do facto de o Brasil ser um formador de preços no mercado global de diversas commodities, dados os grandes volumes exportados pelo país. Dessa forma, as melhoras de infra-estrutura que barateiam a soja e o minério de ferro acabam trazendo benefícios para o consumidor final, que são as empresas chinesas, por exemplo.

 

Esse efeito é mais uma indicação de que o investimento em infra-estruturas deveria ser realizado a partir de uma estratégia que considerasse os diversos e complexos impactos na economia. Grandes corredores de exportação deveriam ser financiados por receitas derivadas dessa própria actividade económica, e não deveriam contar com recursos do Tesouro Nacional. É interessante notar que foi assim que se procedeu no caso das ferrovias de escoamento durante o ciclo do café.

 

Como é do interesse dos importadores baratear o custo logístico das matérias-prima brasileiras, fica evidente que o escopo para o financiamento privado é muito amplo no caso dos corredores de exportação. A China, aliás, com a sua gigantesca poupança excedente e a dependência de matérias-prima exportadas, não se tem acanhado em investir directamente ou financiar investimentos em infra-estruturas nos países fornecedores. Está claro que o dinheiro do Tesouro não fará falta para esse tipo de projecto.

 

A infra-estrutura, entretanto, não se limita a estradas para escoamento de matérias-prima e instalações portuárias. A economia que se deveria fazer nesses projectos poderia ampliar os recursos, por exemplo, para as obras de saneamento e infra-estrutura urbana em geral — estas sim, com impactos positivos amplos e bem disseminados entre a grande maioria da população brasileira.

 

Para os demais investimentos, o critério para utilização de recursos públicos seria o de que os projectos componham uma rede com ganhos que se espraiam entre diversos sectores e actividades. Diante da necessidade de conter a expansão dos gastos públicos e o aumento da carga tributária, de um lado, e a de fazer do investimento público um indutor do crescimento, do outro, é preciso focalizar muito bem a carteira de empreendimentos do Estado.

 

Não há sentido em usar recursos do contribuinte para financiar investimentos de forte interesse privado, inclusive estrangeiro, e para os quais não faltará financiamento com uma boa engenharia financeira. É preciso, portanto, aprofundar e sofisticar a análise de custos e benefícios dos projectos de infra-estrutura que demandam financiamento estatal.

 

 

 Ricardo Bergamini

 

Revista Conjuntura Económica – Fundação Getúlio Vargas

Vol 65 nº 11 Novembro 2011

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D