Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

VERGONHA OU SEM VERGONHICE?

 

 

Como as multidões são previsíveis e ignorantes! Um dia aplaudem, gritos histéricos, um governante que está no poder, e tão logo ele
sai, volta o histerismo, o apedrejamento, o ódio e a maledicência.

 

E estas manifestações circenses e bestiais repetem-se, regularmente, à medida que o poder muda de mãos!

 

Julgar alguém no poder, ou acabado de sair, é sempre um acto de ignorância ou imbecilidade! Só a história, passados muitos anos, talvez passado um século ou dois, possa, sem a inflamação do momento, nem o poder da finança a influenciar, analisar o valor do indivíduo e a sua obra.

 

É fácil encontrar casos, muitos, de atitudes impensadas, irresponsáveis ou covardes. Ainda hoje, por exemplo, o paranóico Kim II-sum e
seu querido papá Kim Jon II, seu culto a si próprios, multidões de milhares, milhões, de animais de cabeça oca, a dar vivas aquela aberração política e social!

 

Luis XVI, Pinochet, Mussolini, o Xá Reza Pahlavi, os generais da ditadura brasileira e tantos outros, aplaudidos e amaldiçoados, a quem a história, um dia, quando liberta de pressões, fará um julgamento justo.

 

Todos eles deixaram pesos na balança, e foram vaiados na saída! Veremos, aliás, verão outros, no futuro, para que lado a balança pendeu.

 

O maravilhoso conto de Andersen, “O rei vai nu”, mostra bem a covardia das multidões.

 

Agora o que está na moda, depois dos cataclismos financeiros do civilizado mundo do Norte, é aplaudir o “êxito” do Brasil.

 

Governado oito anos, aliás, desgovernado, pelo ex-pobre metalúrgico, sem um dedo, que por sua capacidade de liderança de greves
ascendeu à presidência. E levou atrás de si o escol da esquerda ávida para encher os bolsos próprios e dos camaradas.

 

Mas o país, assim mesmo, cresceu. E vai crescer durante muito tempo ainda, qualquer que seja o governo ou desgoverno que tenha.

 

O Brasil é um país cheio de recursos naturais que lhe permitem uma pecuária e agricultura, ainda com muito por explorar, mas suficiente para dar de comer a todos e até exportar, recursos hídricos imensos, podendo dar-se ao luxo de evitar usinas nucleares ou termoeléctricas (que o governo pensa construir!!!) minerais de toda a espécie e elevados valores, petróleo, gás, e...

 

E... tem tudo para ser o primeiro mundo! Mas não é.

 

E porque o país tem todos estes recursos, imensos, os louros vão para quem praticamente nada fez, além de usar de toda a sua influência política para fechar olhos às denúncias contra os seus comparsas ladrões, familiares que enriqueceram do dia para a noite sendo pouco mais que analfabetos, e assegurando, com muita propaganda e favores que o dinheiro público alimenta, muito dinheiro público, uma estrutura pseudo esquerdista que se está a enriquecer, para seu eterno retorno ao poder.

 

Entretanto a sua fama conseguiu eleger uma senhora que jamais havida tido um cargo político ou administrativo, e continua a prestar
vassalagem ao antigo chefe, que é afinal quem determina quem deve ocupar os cargos, no mais alto escalão, que, normalmente por razões de corrupção exagerada, vão perdendo a mamata.

 

O actual sistema político brasileiro é decalcado na sinfonia Putin/Medvedev/Putin = Lula/Dilma/Lula. Lembra aquela modinha portuguesa: “Ora agora ficas tu, ora agora fico eu, ora agora ficas tu, ficas tu mais eu!”

 

E nesta mamata se mantém os mesmos cabecilhas, eminências pardas, os chamados “pensadores” marxistas, bajuladores (ainda!!!) do Fidel e do Chavez, alimentando o movimento guerrilheiro MST, que, de repente pode ser-lhes útil para continuar a dominar as finanças do país.

 

E vem a imprensa internacional elogiar a “grande” qualidade de governante do ex e da actual!

 

O ex, esperto, habilidoso, sofismado, que nem uma destas qualidades se lhe pode negar, desbocado e ignorante, é agora convidado por mais de cinquenta – 50 – universidades, que querem “honrar-se” dando-lhe o grau de Doutor Honoris Causa!

 

Como vai o mundo!

 

O lado selvagem do homem continua a dominar.

 

Reina absoluta a hipocrisia, coadjuvada pela finança, corrupção e tráfico de tudo: drogas, armas, mentiras.

 

Não adianta querermo-nos queixar.

 

Mas jamais nos podemos sentir uns idiotas porque recebemos de nossos pais, princípios inabaláveis de conduta e ética de que não nos
queremos, nem devemos, afastar.

 

Reclamamos, ofendemo-nos por sermos obrigados a pertencer a esta mesma espécie que insiste em atropelar o seu semelhante (?) e em se autodestruir, mas, ingénuos talvez, não abdicamos da nossa consciência.

 

Por isso somos obrigados a denunciar o crime, qualquer que seja a sua forma, e... fica tudo por isso mesmo!

 

 

Rio de Janeiro, 09/11/11

 

 Francisco Gomes de Amorim

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D