Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

ENTRE CILA E CARIBDIS

 

(*)

 

Caturrices XXIX

 

v     Goste-se ou não, só há três saídas possíveis para quem está endividado até aos cabelos:

-            Ou recebe uma herança que lhe permita pagar a pronto tudo o que deve, e seguir vivendo (ganhar o Euromilhões vem dar ao mesmo);

-            Ou espera que a inflação vá aliviando o “esforço financeiro” (ou seja, o peso das dívidas no rendimento disponível) desde que continue a ter rendimentos, e que esses rendimentos acompanhem a inflação, claro está (mas, se as dívidas estiverem de alguma maneira indexadas à inflação, como no caso dos empréstimos com taxa variável, reze-se-lhe por alma);

-            Ou é declarado insolvente – e terá de começar de novo.

 

v     Pagar dívidas antigas com novas dívidas não é solução. Na melhor das hipóteses, se o rendimento disponível der para ir pagando por inteiro os juros da dívida acumulada, pelo menos o endividamento não aumentará. Na pior das hipóteses, porém, se houver que contrair mais dívida para pagar os juros que entretanto se vencerem, o endividamento crescerá, crescerá...até ao momento em que os credores percam a paciência, dêem os créditos por perdidos e ponham fim ao fartote.

 

v     As duas primeiras saídas têm em comum a vontade de pagar. Na última, essa vontade é de todo irrelevante. Até pode estar ausente, que a realidade se impõe às intenções, por melhores que elas sejam.

 

v     Uma coisa é certa, porém: quem esteja endividado em excesso e queira mesmo pagar, não pode continuar a viver de empréstimos. E o que é verdade para o comum mortal, verdade será para empresas, organizações e Estados.

 

v     Que estamos endividados até aos cabelos, já ninguém hoje duvida:

-            Estão endividadas as famílias e as empresas aos Bancos de cá - e, em menor proporção, ao Estado (dívidas ao Fisco e à Segurança Social);

-            Estão endividados os Bancos de cá perante os seus depositantes, uns quantos Bancos estrangeiros e, também, os seus empregados (por força de responsabilidades com pensões futuras insuficientemente capitalizadas);

 -            Está endividado o Estado junto de investidores institucionais estrangeiros e dos Bancos de cá.

 

v     Neste emaranhado, é pelo Estado que o nó das dívidas cruzadas pode ser desatado - pois só ele tem acesso a ajuda externa de médio prazo. É certo que o BCE está em condições de proporcionar algum alívio aos Bancos (é o que tem feito com generosidade digna
de nota), mas apenas por prazos curtos que não dão para modificar grande coisa. E está-lhe vedado financiar directamente os Estados.

 

v     Temos assim que o Estado Português vai ter de se endividar ainda mais até conseguir gerar saldos primários (receitas fiscais menos despesa pública com pessoal, material e serviços): que sejam, para já, não negativos; e que, mais tarde, dêem para cobrir totalmente os juros, comissões e encargos (5%, ou mais, do PIB actual) com a Dívida Pública entretanto acumulada.

 

v     Se tudo correr bem (leia-se: se a economia não entrar em recessão profunda), a primeira meta será alcançada lá por 2013. E a meta seguinte não será atingida antes de 2016. Só depois se poderá falar em reduzir a Dívida Pública (sobretudo, a parcela externa) - e, de novo, em investimentos públicos, desde que modestos. Até lá, o Estado é um devedor que sobrevive no dia-a-dia graças ao dinheiro que mais ninguém, excepto a troika, estará na disposição de lhe emprestar.

 

v     Daí em diante, ir aos mercados só se for para “rolar” (isto é, pagar com novas dívidas as dívidas que se vencem) uma boa parte da Dívida Pública Externa – sendo pouco provável que, antes de 2020, os investidores estrangeiros estejam dispostos a financiar mais dívida
(salvo se, entretanto, ocorrer um surto de crescimento económico espectacular, quase miraculoso).

 

v     Os Bancos de cá, esses, conseguirão começar a desendividar-se no estrangeiro (por agora, o grosso desse endividamento está nas mãos do BCE) quando a BTC registar superavits – ou talvez um pouco antes, se o investimento estrangeiro (directo e de carteira) afluir em volumes estatisticamente visíveis. Os equilíbrios financeiros que o crescente endividamento externo do Estado lhes ia, até há pouco, permitindo (a Dívida Externa dos Bancos, a curto prazo, era substituída por Dívida Pública Externa, a médio/longo prazo) foram chão que já deu uvas.

 

v     Até que tal seja conseguido (muito para lá de 2016, certamente), por mais que os Bancos de cá encolham os seus Balanços e retirem liquidez à economia, a Dívida Externa permanecerá intacta.

 

v     E é aqui - não na conjuntura externa, mas aqui - que reside a fragilidade do programa económico gizado pela troika: a redução brusca do volume de liquidez em circulação que não é acompanhada por uma diminuição simétrica da Dívida Externa (do Estado e/ou dos Bancos, tanto faz).

 

v     Acontece que, desde meados da década de ‘90, a nossa economia tem sido alimentada com a liquidez proveniente, não dos excedentes da BTC, mas do exercício orçamental do Estado (financiado por Dívida Externa) e dos empréstimos bancários (financiados pela dívida dos Bancos de cá junto de uns, poucos, Bancos estrangeiros).

 

v     Acontece também que superavits orçamentais significam menos liquidez a circular no mercado interno - e que a contracção do crédito bancário tem exactamente o mesmo efeito (atenuado, apenas, pelo crédito malparado, o que não deixa de ser irónico). Assim sendo, a procura interna vai diminuir por uma única razão: a liquidez de que pode dispor será cada vez mais escassa (embora mantenha intacto o seu poder aquisitivo no exterior). E quando a liquidez falta, tudo pára.

 

v     Pelo contrário, numa desvalorização cambial, a procura interna contrai-se apenas porque perde poder aquisitivo relativamente a bens e serviços importados. Mas a liquidez interna continuará a não faltar (provavelmente, até se expande, pois os processos de ajustamento “macro” baseados na taxa de câmbio são quase sempre acompanhadas de inflação) - e, graças a isso, o ónus das medidas recessivas vai recair, quase por inteiro, sobre as actividades ligadas à importação (nomeadamente, a distribuição comercial). Consequência que não pode ser ignorada por quem, como nós, importa a maior parte do que come e da energia que consome.

 

v     Heranças e Euromilhões podem ser solução para uma ou outra família (ou, mesmo, para alguma empresa) mais endividada, mas não têm efeito que se veja na Dívida Externa dos Bancos e do Estado. Só a descoberta de petróleo no Beato, de gás natural no Algarve ou de um pomar inteiro de árvores das patacas, algures, num qualquer descampado, nos valeria. Isto, se entretanto a “doença holandesa” (com a qual convivemos alegremente nos idos de D. João V) não nos liquidasse de vez.

 

v     Para escaparmos sem grande esforço à insolvência pura e dura, só com a conjugação virtuosa de rendimentos em crescendo (leia-se: exportações de bens e serviços, umas transferências da UE, investimento directo estrangeiro – Euros Externos, em suma) e de inflação q. b. na Zona Euro.

 

v     Aliás, se não fosse pedir muito, o que nos dava mesmo jeito era uma inflação da ordem de 10% durante uns bíblicos 7 anos, para que, aritmeticamente, a Dívida Externa descesse abaixo de 180% do PIB (PIB a preços correntes) e a Dívida Pública voltasse a respeitar os sacrossantos 60% do PIB (idem).

 

v     Mas é pedir muito. Inflação, na Zona Euro? Nem pensar! A Alemanha (e com ela os países da esfera de influência germânica, como Holanda, Áustria, Eslováquia e Finlândia) opor-se-á resolutamente. E mesmo que não o fizesse, lá estaria o Tratado de Lisboa (art. 123º) a vedar ao BCE a monetarização das Dívidas Públicas - que é, por sinal, a via mais rápida para surtos inflacionistas persistentes e bem sustentados, capazes de aligeirar o esforço financeiro de servir dívidas.

 

v     Contudo, goste a Alemanha ou não, inflação é o que se seguirá às injecções de liquidez que o BCE tem feito, logo que os Bancos mais solventes deixem de depositar junto dele, por precaução, praticamente a totalidade dessa liquidez acabada de emitir.

 

v     Rendimentos em Euros Externos? Só com uma transferência massiva de empregos e de capital do Sector de Bens não
Transaccionáveis para o Sector de Bens Transaccionáveis – o que exige tempo, muito tempo, mobilidade geográfica e um quadro normativo das actividades económicas (leis laborais, leis das sociedades comerciais, lei da insolvência, processo civil, tribunais cíveis, esquemas arbitrais, etc.) completamente novo. Eis medidas que só dependem de nós – mas de efeito a prazo e cujo sucesso em tempo útil depende inteiramente das conjunturas externas.

 

v     Resta-nos sempre a bancarrota que arraste connosco os Bancos de cá e alguns dos credores externos. Solução que só terá um módico de racionalidade se nos devolver o instrumento cambial – uma maneira delicada de referir a saída da Zona Euro e a suspensão temporária de pelo menos duas das quatro liberdades fundamentais da UE (as que respeitam à movimentação transfronteiriça de mercadorias e de capitais).

 

v     Como se vê, não vai ser nada fácil, para nós, singrar em canal tão estreito, e de águas tão agitadas, nestes anos mais próximos.

 

Novembro de 2011

 

  A. PALHINHA MACHADO

 

(*) http://www.google.pt/imgres?q=fim%2Bdo%2BCarnaval&um=1&hl=pt-PT&sa=N&biw=1024&bih=753&tbm=isch&tbnid=LIwhkzwuxbz1jM:&imgrefurl=http://blogdoisraelbatista.blogspot.com/2011/03/acabou-o-carnaval-ufa.html&docid=5GGEooeVf6qZ_M&imgurl=https://1.bp.blogspot.com/-LIVLbaSrNbg/TXGmr22oBHI/AAAAAAAAHQw/C08q8qro8Ng/s1600/acabou-se-carnaval%2525255B1%2525255D.jpg&w=427&h=442&ei=V7LETraFCvGQ4gTV8JS9DQ&zoom=1&iact=hc&vpx=368&vpy=264&dur=1644&hovh=228&hovw=221&tx=123&ty=142&sig=108364103958560163334&page=4&tbnh=181&tbnw=175&start=47&ndsp=13&ved=1t:429,r:5,s:47

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D