Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Turismo, oportunidades e promoção

 

A leitura da descrição do debate, portanto das declarações dos vários participantes nele, organizado pelo DN sobre o turismo motivou-me a produzir esta intervenção, pois sendo esta uma atividade económica essencial para o desenvolvimento de Portugal, continua a verificar-se a existência de preconceitos e incompreensões que têm vindo a atrasar o seu crescimento em quantidade e em qualidade e assim diminuir substancialmente os tão necessários novos postos de trabalho.

 

Este ano houve mais receitas, principalmente porque alguns destinos concorrentes tiveram problemas que nos foram favoráveis. Mas continuamos a ter taxa de sazonalidade elevada, desemprego preocupante e muitos projectos parados.

 

Convém por isso, antes de iniciar os comentários atrás anunciados, recordar a definição de turismo, que uso desde 1973, quando tive que aprofundar os meus conhecimentos em gestão hoteleira e em turismo para proceder à transformação do navio Funchal de transportador para cruzeiros. E que é: atividade económica sistémica e global cuja função distribuição, ao contrário da maioria das outras, consiste em trazer o cliente ao produto.

 

Donde a definição de produto turístico ser essencial para se estabelecer uma estratégia nacional eficiente tanto quanto a definição do cliente alvo.

 

A partir daqui há que definir que promoção se deve fazer, mas antes também é preciso ter em conta que esta palavra tem dois significados que não podem ser separados, como tantas vezes tem acontecido, pois o primeiro é subir o nível de qualidade do produto, para poder ter acesso a melhor clientela, e o segundo consiste em dar a conhecer a esta clientela potencial a sua existência de forma motivante.

 

Ora as componentes deste produto dividem-se em dois grupos a saber: as motivantes de primeira ordem de que o golf é um exemplo e as acessórias que funcionam por defeito, isto é, a sua inexistência poderá anular o valor da motivação primária, como acontece com os cuidados de saúde, com a segurança do trânsito automóvel, etc.

 

Por outro lado, como atividade económica, o turismo deve privilegiar as atividades que propiciem o máximo valor acrescentado, o que implica maximizar os consumos de origem nacional e, além disto, só recorrer a capitais estrangeiros quando isto for essencial para atrair clientes de elevado valor pois, doutra forma, se assim não for, tornar-nos-emos numa colónia como está a acontecer com o Algarve com a participação activa de alguns autarcas, a quem se poderia chamar neo-autocolonialistas, pois conseguiram em poucos anos destruir o comércio local em benefício dos grandes centros comerciais e ainda por cima a maioria dos equipamentos hoteleiros também pertence a proprietários exteriores.

 

(*)

Náutica de recreio

 

Outro erro frequente da promoção publicitária é gastar verbas importantes em festivais ou espetáculos durante a época do Verão, correspondente ao Sol e Praia, sem estar provado que isto tenha alguma influência nas receitas e em compensação pouco ou nada se tem feito para reduzir a alta taxa de sazonalidade, esquecendo o turista de Inverno, desde que se promova, isto é, se intensifiquem as atividades primárias e acessórias que motivem clientes a virem durante a actual época baixa, como é o caso da náutica de recreio, da caça e da pesca, da criação artística propiciada pela luz excepcional e  em especial da enorme capacidade do Sotavento Algarvio por explorar quanto às atividades náuticas.

 

Ainda há umas semanas atrás um prospetco promocional do Algarve não tinha qualquer referência a actividades náuticas. O que é de facto tão espantoso quanto deplorável, quando até o Presidente da República já vem defendendo o retorno ao Mar.

 

Aliás o abandono a que tem estado sujeito o Estuário do Tejo e o próprio rio é também causa da perda de alguns milhares de postos de trabalho, e tão grave ou ainda mais grave que isso, é a contribuição activa que tem sido dada para o afastamento da nossa população das actividades náuticas, que estar a pôr em perigo todos os esforços para Portugal ter o controlo das zonas do Oceano Atlântico, que por direito serão nossas se tivermos quem saiba e queira dedicar-se à Marinha, pois sem pessoas preparadas e motivadas nada se faz.

 

Lisboa, 4 de Outubro de 2011

 

 José Carlos Gonçalves Viana

 

Publicado no DN de 9 de Novembro de 2011

 

(*) http://www.google.pt/imgres?q=n%C3%A1utica%2Bde%2Brecreio&um=1&hl=pt-PT&sa=N&biw=1024&bih=753&tbm=isch&tbnid=ueraWvLZg84TpM:&imgrefurl=http://portugalpromar.blogspot.com/2009/06/nucleo-de-nautica-de-recreio-do-seixal.html&docid=TzT9bptrzhTmJM&imgurl=https://1.bp.blogspot.com/_patOguVf4D4/SjgSrM0GGrI/AAAAAAAAABw/AimuwV9CHjI/s320/DSCF5236.JPG&w=320&h=240&ei=ivy7TombAsn2sgbO5dgx&zoom=1&iact=hc&vpx=504&vpy=283&dur=2432&hovh=192&hovw=256&tx=114&ty=94&sig=108364103958560163334&page=3&tbnh=160&tbnw=241&start=32&ndsp=12&ved=1t:429,r:6,s:32

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D