Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Turismo, oportunidades e promoção

 

A leitura da descrição do debate, portanto das declarações dos vários participantes nele, organizado pelo DN sobre o turismo motivou-me a produzir esta intervenção, pois sendo esta uma atividade económica essencial para o desenvolvimento de Portugal, continua a verificar-se a existência de preconceitos e incompreensões que têm vindo a atrasar o seu crescimento em quantidade e em qualidade e assim diminuir substancialmente os tão necessários novos postos de trabalho.

 

Este ano houve mais receitas, principalmente porque alguns destinos concorrentes tiveram problemas que nos foram favoráveis. Mas continuamos a ter taxa de sazonalidade elevada, desemprego preocupante e muitos projectos parados.

 

Convém por isso, antes de iniciar os comentários atrás anunciados, recordar a definição de turismo, que uso desde 1973, quando tive que aprofundar os meus conhecimentos em gestão hoteleira e em turismo para proceder à transformação do navio Funchal de transportador para cruzeiros. E que é: atividade económica sistémica e global cuja função distribuição, ao contrário da maioria das outras, consiste em trazer o cliente ao produto.

 

Donde a definição de produto turístico ser essencial para se estabelecer uma estratégia nacional eficiente tanto quanto a definição do cliente alvo.

 

A partir daqui há que definir que promoção se deve fazer, mas antes também é preciso ter em conta que esta palavra tem dois significados que não podem ser separados, como tantas vezes tem acontecido, pois o primeiro é subir o nível de qualidade do produto, para poder ter acesso a melhor clientela, e o segundo consiste em dar a conhecer a esta clientela potencial a sua existência de forma motivante.

 

Ora as componentes deste produto dividem-se em dois grupos a saber: as motivantes de primeira ordem de que o golf é um exemplo e as acessórias que funcionam por defeito, isto é, a sua inexistência poderá anular o valor da motivação primária, como acontece com os cuidados de saúde, com a segurança do trânsito automóvel, etc.

 

Por outro lado, como atividade económica, o turismo deve privilegiar as atividades que propiciem o máximo valor acrescentado, o que implica maximizar os consumos de origem nacional e, além disto, só recorrer a capitais estrangeiros quando isto for essencial para atrair clientes de elevado valor pois, doutra forma, se assim não for, tornar-nos-emos numa colónia como está a acontecer com o Algarve com a participação activa de alguns autarcas, a quem se poderia chamar neo-autocolonialistas, pois conseguiram em poucos anos destruir o comércio local em benefício dos grandes centros comerciais e ainda por cima a maioria dos equipamentos hoteleiros também pertence a proprietários exteriores.

 

(*)

Náutica de recreio

 

Outro erro frequente da promoção publicitária é gastar verbas importantes em festivais ou espetáculos durante a época do Verão, correspondente ao Sol e Praia, sem estar provado que isto tenha alguma influência nas receitas e em compensação pouco ou nada se tem feito para reduzir a alta taxa de sazonalidade, esquecendo o turista de Inverno, desde que se promova, isto é, se intensifiquem as atividades primárias e acessórias que motivem clientes a virem durante a actual época baixa, como é o caso da náutica de recreio, da caça e da pesca, da criação artística propiciada pela luz excepcional e  em especial da enorme capacidade do Sotavento Algarvio por explorar quanto às atividades náuticas.

 

Ainda há umas semanas atrás um prospetco promocional do Algarve não tinha qualquer referência a actividades náuticas. O que é de facto tão espantoso quanto deplorável, quando até o Presidente da República já vem defendendo o retorno ao Mar.

 

Aliás o abandono a que tem estado sujeito o Estuário do Tejo e o próprio rio é também causa da perda de alguns milhares de postos de trabalho, e tão grave ou ainda mais grave que isso, é a contribuição activa que tem sido dada para o afastamento da nossa população das actividades náuticas, que estar a pôr em perigo todos os esforços para Portugal ter o controlo das zonas do Oceano Atlântico, que por direito serão nossas se tivermos quem saiba e queira dedicar-se à Marinha, pois sem pessoas preparadas e motivadas nada se faz.

 

Lisboa, 4 de Outubro de 2011

 

 José Carlos Gonçalves Viana

 

Publicado no DN de 9 de Novembro de 2011

 

(*) http://www.google.pt/imgres?q=n%C3%A1utica%2Bde%2Brecreio&um=1&hl=pt-PT&sa=N&biw=1024&bih=753&tbm=isch&tbnid=ueraWvLZg84TpM:&imgrefurl=http://portugalpromar.blogspot.com/2009/06/nucleo-de-nautica-de-recreio-do-seixal.html&docid=TzT9bptrzhTmJM&imgurl=https://1.bp.blogspot.com/_patOguVf4D4/SjgSrM0GGrI/AAAAAAAAABw/AimuwV9CHjI/s320/DSCF5236.JPG&w=320&h=240&ei=ivy7TombAsn2sgbO5dgx&zoom=1&iact=hc&vpx=504&vpy=283&dur=2432&hovh=192&hovw=256&tx=114&ty=94&sig=108364103958560163334&page=3&tbnh=160&tbnw=241&start=32&ndsp=12&ved=1t:429,r:6,s:32

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D