Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

O TEMPO E OS ALICERCES

 (*)

 

Há algum tempo, sem quase nada em que ocupar o espírito e o tempo, lembrei-me que era bom recordar aqueles amigos que mais marcaram as nossas vidas. Aliás é sempre uma bênção recordar os amigos.

 

E, à medida que me fui lembrando, fui colocando os seus nomes em duas listas. Uma, daqueles que ainda por aqui estão e que esperamos estejam ainda muito tempo, e outra dos que nos deixaram já.

 

Não tardou começar a transferir alguns nomes duma lista para a outra, e hoje essas listas mostram um tremendo desequilíbrio! Uma vai aumentando e a outra, mesmo com alguns bons amigos que o “virtual” da Internet proporcionou, encurta!

 

Ainda agora mais dois. E como é difícil falar deles! Rememorar tempos de juventude, de adultos, de avós, a simpatia e o verdadeiro sentido de irmandade que, por bondade de tantos, me encheram a vida, que agora, mesmo que não queira, se vai esvaziando!

 

Lembro com admiração e inveja (porque não?) das suas vidas sãs, correctas, humildes, e ainda assim, ambos alcançaram situações profissionais de destaque.

 

Um deles passou uns muitos e últimos anos da sua vida preso a uma cama, imobilizado por estranha doença, mas sempre com disposição positiva, não falando na sua doença, mas interessando-se pela saúde dos amigos.

 

O outro, os achaques da avançada idade foram-se multiplicando, e o corpo não aguentou mais. Um exemplar pai de família, um amigo de sempre, uma simplicidade de vida e ao mesmo tempo uma actividade notável, uma alma grande.

 

Cada vez que um amigo se vai, uma vontade imensa de estar com os que ainda por cá peregrinam, não dá sossego. Mas a distância é muito grande e cada vez mais difícil de a vencer.

 

A Internet veio unir-nos um pouco mais, mas essa troca de notícias, por muitas que sejam, sabem sempre a pouco; apesar das palavras amigas que por vezes nos enternecem e comovem, o contacto pessoal não existe. E faz tanta falta!

 

A vida terrestre, de todos, tem prazo para terminar. Ninguém sabe quando, mas com o avançar, e pesar dos anos, não é difícil imaginar que já pouco falta.

 

Às notícias, tristes, que de vez em quando nos chegam, soma-se a catarata de notícias que nos afogam em desumanidade. Pelos jornais, TV, Internet, parece que os jornalistas fazem gala em nos colocar frente a um mundo horroroso! A política mundial que se baseia na guerra, quer de tiros quer de finanças, as crises criadas por irresponsáveis desonestos, a fome que grassa em biliões de infelizes, a insegurança, sobretudo nas grandes cidades, as drogas, os assaltos, estupros e inacreditáveis casos de pedofilia de pais com filhos, os filmes com sexo mais que vivo, não só entre os dois sexos, mas entre homossexuais, homens ou mulheres, mostrados em horários de dia quando qualquer criança pode assistir, e demorando em detalhes nojentos, a violência exibida na sua mais profunda aberração, a mentira e traição, atributos de filmes das sociedades mais financeiramente abonadas, enfim, tudo isto leva a equacionar se vale a pena continuar a viver num mundo de tal forma depravado.

 

Chega-se a idade avançada e todas as violências e aberrações cada vez mais nos magoam. Será por estarmos mais frágeis, ou porque estamos super carregados com a insensibilidade e vergonha que grassam nas manchetes?

 

Futebolistas a ganharem por mês o que um engenheiro, bem pago, não recebe em doze anos! Uns pseudo artistas que se exibem escandalosamente, muitos deles também analfabetos a fazer fortunas com o dinheiro dos basbaques, ou mesmo um outro analfabeto, que chega a presidente dum país, e que depois o mundo inteiro se digladia para lhe conceder honoris causas!

 

Está tudo invertido. Os valores que me foram passados durante a infância e adolescência, o empenho e preocupação em levar uma vida íntegra, sem me desviar dos princípios éticos e sociais, parece que de pouco valeram.

 

Bandido, político, berrador de microfone, falso e covarde, é o grande atractivo da juventude de hoje.

 

Mas, vão ter amigos? Vão talvez ter dinheiro, e uma vida interior vazia.

 

Não se interessam por se debruçarem, mesmo um instante sobre alguns princípios, como esta máxima de Maomé: “Se tivesse só dois pães, daria um para alimentar o meu espírito!”

 

Os amigos, os verdadeiros, são um dos grandes alicerces da nossa vida. Não pelas suas qualidades externas, mas da alma.

 

E à medida que os vamos perdendo, o nosso edifício vai desmoronando.

 

 

Rio de Janeiro, 2 de Outubro de 2011

 

 Francisco Gomes de Amorim

 

(*)http://www.google.pt/imgres?q=lista%2Bde%2Bamigos&um=1&hl=pt-PT&sa=N&biw=1024&bih=753&tbm=isch&tbnid=TsPC_BsDnZsLpM:&imgrefurl=http://www.jobim.org/xmlui/handle/2010/10941&docid=1S6oN2mKmTqMqM&imgurl=http://www.jobim.org/xmlui/bitstream/handle/2010/10941/lista%252520de%252520amigos%252520falecidos%25252001-5.jpg%253Fsequence%253D6&w=861&h=1235&ei=q_G0Tsq8IonQhAeZ-4WfBA&zoom=1&iact=hc&vpx=471&vpy=106&dur=4414&hovh=269&hovw=187&tx=115&ty=192&sig=108364103958560163334&page=1&tbnh=127&tbnw=89&start=0&ndsp=21&ved=1t:429,r:2,s:0

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D