Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

BATERAM NO GADAFFI!!!

 

  (*)

 

 

Levantou-se um imenso clamor, mundial, sobre a morte do simpático e inofensivo Gadaffi (ou Kadaffi?).

 

De facto, os chamados rebeldes rebentaram mesmo com a cara dele. Tal a raiva que lhe tinham, ainda por cima vendo-o aparecer, saído dum cano, com uma pistola de ouro na mão. Foi demais. Tinha que levar uns tabefes.

 

Pus-me a pensar a quantos o mundo já tinha dado os mesmos tabefes, ou simples tiros na nuca!

 

Na China a presos políticos ou traficantes, fora os torturados por Mao.

 

Na democrática URSS o senhor Yussip, depois de mandar matar Lenine, matou o Trotsky, além de todos os seus principais e mais directos colaboradores.

 

Não tardou muito que, para fazer canhões bombas atómicas, matasse à fome uns milhões de ucranianos, confiscando-lhes a produção de trigo.

 

E quem se lembra, ainda a II Guerra não tinha acabado, do tratamento dado na Itália ao seu grande líder Mussolini? Esmurraram-no,
estraçalharam-no, rebocaram-no atrás de um carro por Roma e depois de não ser mais do que um pedaço de carne ainda o penduraram num poste para gáudio e aplausos dos felizes italianos. (Anos, poucos, passados, lembravam-no com admiração e saudade!).

 

Ao Lincoln resolveram o problema com uns tiros, mas depois da Guerra Civil, os republicanos/democráticos americanos, que diziam na sua Constituição que “todos os homens nascem iguais”, lincharam mais de 5.000 pessoas! Só em 1862 foram, numa fornada, 161. Negros, é evidente.

 

E em quantos pedaços esquartejaram o inofensivo Tiradentes?

 

E quando assassinaram o rei D. Carlos e o Príncipe? O que fizeram ao Buiça e Alfredo Costa?

 

Mas todos estes episódios são fruto de revoluções, quase sempre com finalidades financeiras e não ideológicas ou políticas, porque quem
ganha vira herói e rico, e quem perde... morto ou bandido.

 

Mas há muito pior do que censurar os tunisinos que espatifaram uma besta aparentemente humana, que os explorara durante mais de
quarenta anos e desviara do país, em proveito próprio, umas centenas de biliões de dólares. Além do divertimento que gostava de apreciar, como o enforcamento de uns quantos presos políticos, escolhidos aleatoriamente, para celebrar os aniversários da sua tomada de posse.

 

E quando outra besta é apanhada depois de estuprar e matar uma criança? Vamos tratá-lo com cerimónia e sopinhas?

 

Pior do que tudo isso é aquilo que outras bestas convencionaram chamar de desporto, e que se chama “Ultimate Fighting”! Trata-se de esmurrar e chutar o adversário até ele cair, e ainda no chão levar uma porção de murros na tromba para não ser estúpido!

 

Na civilizada Inglaterra esse magnífico “desporto” foi agora oficialmente autorizado para crianças, e os queridos paizinhos levam crianças
de nove e dez anos para andarem “à porrada”com amiguinhos, com quem deviam estar a jogar futebol ou ping-pong! E os evoluídos british parents, sorrindo de orgulho, vêm os filhos, que ainda mal sabem falar, esfolar a cara do outro ou sair esfolado.

 

Todos estes atrasados mentais aplaudem com tanto mais ardor quanto mais o perdedor fica sangrando ou mesmo K.O.

 

Eu tenho dois netos, gémeos, em Londres, com doze anos. Há dias uns garotos mais ou menos da mesma idade, foram lá a casa. Bateram à porta e, perguntados, disseram ao que vinham: queriam “andar à porrada”! Assim mesmo, só queriam bater-se!

 

E há quem se arrogue o direito de comentar o que os tunisinos fizeram a quem para eles representava a opressão, a corrupção, a pouca
vergonha?

 

O que faria qualquer um de nós se se encontrasse em posição semelhante? Chamaria uma massagista para lhe tratar das costas doloridas por ter estado dentro dum cano, e ainda lhe mandava servir um aperitivo, enquanto descansasse num quarto de hotel de seis estrelas?

 

E se um filho ou filha, ou neto/a nosso fosse vítima de violência? Eu lamento dizer, mas se tivesse a infelicidade de me defrontar com tal bestialidade, de certeza não dava bolinhos ao assassino. De certeza. Deveria despertar em mim o nosso primitivo, e útil, instinto de sobrevivência e defesa, e... nessas ocasiões acho que o melhor seria ter um taco de beisebol à mão!

 

Comentar e apontar o dedo, é aquilo que, parece, os homens (e as mulheres) melhor sabem fazer, sobretudo quando o problema não é com eles, está longe, e não os envolve directamente.

 

É tão fácil julgar os outros!

 

 

 

Rio de Janeiro, 27 de Outubro de 2011

 

 Francisco Gomes de Amorim

 

(*)http://www.google.pt/imgres?q=pega%2Bde%2Bcaras&um=1&hl=pt-PT&sa=N&biw=1024&bih=753&tbm=isch&tbnid=VywJecWG78p1GM:&imgrefurl=http://comunidade.sol.pt/photos/partebilhas/picture110636.aspx&docid=q7XhyOslGnu6IM&imgurl=http://comunidade.sol.pt/photos/partebilhas/images/110636/425x288.aspx&w=425&h=288&ei=xh6tTtuNN4jYsgbplLkE&zoom=1&iact=rc&dur=617&sig=108364103958560163334&page=2&tbnh=161&tbnw=273&start=10&ndsp=10&ved=1t:429,r:2,s:10&tx=139&ty=80

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D