Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

MISSAL

 (*)

 

Foi a minha neta Ana que me ofereceu o livro pelos anos, com recomendações: era indispensável o conhecimento d’ Os Lusíadas, da Ilíada, Odisseia, Eneida, da Bíblia e do Santo Graal da busca de Deus, e mais uns quantos famosos, em que perpassava o Paraíso Perdido de Milton - que eu docilmente procurei na Internet - para se poder penetrar na floresta densa do livro e do seu autor, tão vastamente premiado e tão universalmente já traduzido.

 

Uma Viagem à Índia”, de Gonçalo M. Tavares, jovem de 41 anos, de admiráveis qualidades de pensamento, como fio condutor de uma intriga sem intriga, que vai ziguezagueando, em busca da Índia, ou do sentido da vida, ora em reflexão sardónica, ora em reflexão de uma sensibilidade vivida que nos deixam boquiabertos pela inteligência da percepção revelada, aparentemente incompatível com tão juvenil idade, lembrando Rimbaud, lembrando Mozart, o nosso Cesário, embora mais velho do que todos eles, provocador como eles, genial em destreza mental, implicando multiplicidade de leituras e de vivências.

 

“Uma Viagem à Índia”, um livro para ler e reler. Pela sabedoria que emana, os conceitos disseminados sem tréguas, da aventura simbólica, de uma simbólica personagem – Bloom – português de Lisboa, viajante de avião, por Londres, onde sofre uma aventura policial, Paris, onde Bloom “passeia e vê coisas que o fazem pensar noutras coisas” e onde pousa para contar a sua aventura a um Jean M., cuja identificação poderemos extrapolar, em confronto com “Os Lusíadas”, como sendo o Rei de Melinde, como narratário directo do Gama/Bloom, este, por seu turno, narratário muitas vezes do próprio narrador, num complexo entrecruzar de intervenientes directos e de pistas de acção ou de excursos.

 

Porque se trata de uma epopeia, arbitrariamente e ludicamente assim designada, estruturalmente imitando Os Lusíadas, em igual número de cantos, repartidos em igual número de estrofes, também arbitrariamente assim designadas, na sua sequência prosística ora narrativa ora conceptual, sem ritmo nem rima, quebra-cabeças de astúcia argumentativa, com imagens e paradoxos de uma extraordinária densidade e engenho criativo, caixinha de surpresas a cada passo revelada, lâmpada de Aladino ou “abre-te Sésamo” propiciadores de riquezas de maravilha, no emaranhado de informações da modernidade contemporânea, ocidental e indiana, em que, na concisão do pensamento, o elo de ligação preferencial da acção sem intriga, no simbolismo dos dados verbais, foram os dados narrativos d’ Os Lusíadas.

 

Mas, contrariamente ao sentido da epopeia clássica, que narra feitos de heróis individuais, ou da epopeia camoniana, que narra feitos heróicos de um povo - o Gama figurando como personagem sem mola interior, manipulada pelas intrigas dos deuses oponentes ou defensores da sua chegada à Índia - “Uma Viagem à Índia” apresenta antes, como personagem central, um ser comum (simbólico, embora), apanhado nas malhas da vida moderna, de sofisticação e corrupção e ansiedades e aspirações, em busca de um sentido existencial em que não crê, procurando uma Índia de fuga e esquecimento de um crime que aparentemente cometeu –

 

Tem agora pressa, um morto atrás de si

E na sua cabeça uma linha imaginária

Para a qual se deve dirigir.

Sabe que deve correr sempre, sem parar,

Mas não o suficiente para alcançar o objectivo.

Eis a história. Acabou.

(I-14).

 

A viagem marítima lusíada que se inicia “in media res” na estrofe 19 do canto I, -

 

Já no largo oceano navegavam

As inquietas ondas apartando;

Os ventos brandamente respiravam…

 

 - é referida, na estrofe 15 do livro de Gonçalo Tavares, em relação aos ventos:

 

Mas a natureza também aparece, e muito, nesta viagem.

O vento, por exemplo, que poderá parecer elemento neutro,

Que distribui os ligeiros incómodos por ricos e pobres,

Mas na verdade é apenas hábil:

Nos fracos provoca frio e nos fortes é leve brisa que

Acalma o calor excessivo.

 

E, na estrofe 16:

 

Aos palácios chega pela ventoinha domesticada,

Enquanto sobre casas frágeis

Se abate robusto como a tempestade.

O vento (de certos países)

Maltrata a cabeça de quem acabou de cair e

Massaja os pezinhos de quem está no topo.

O vento, meu caro Bloom, não é um elemento da natureza
Em que possas sonhar.

 

Quanto à referência ao mar, eis a estrofe 20:

 

Atravessa as águas também, excelente amigo Bloom,

Quebra o mar em dois.

O mar é um mamífero,

O barco, o punhal do sacrifício.

Porque como todos os animais

O mar só é arrogante

Até encontrar o seu dono.

Falamos do mar, mas talvez

Seja a terra e o céu que exigem ser descritos.

Bloom, Bloom, Bloom.

 

E o consílio dos deuses das estrofes 20-41 é, em “Uma Viagem à Índia”, transposto para um discurso aparentemente corriqueiro, cheio de advertência política e cívica:

 

Poderás acusar os deuses de serem possuidores

De uma técnica de governo muito particular,

Que no fundo se poderá resumir dizendo:

Tudo deixa acontecer até ao fim.

Não poderás, pois, Bloom,

Atribuir demasiada complexidade a este modo alto

De fechar os olhos, baixar os braços

E repousar as pernas. São os deuses, Bloom,

Não são o teu assunto.

(estr., 21).

 

Os deuses actuam

Como se não existissem, e assim

Não existem de facto, com extrema eficácia.

É verdade que entre os deuses  

Existe uma hierarquia,

Exactamente como entre os brutos

Numa carpintaria

Ou entre os carregadores de mercadorias de certos portos da Europa,

(estr. 22)

 

E o mais forte de entre os deuses,

Sendo dextro, necessita pelo menos

Dessa mão livre para agir.

Hierarquias existem, pois, nas flores,

Nas ervas daninhas e no divino.

Da bondade ou da maldade poderás fazer

Gráficos de competência, atribuir medalhas;

Disparar mais balas a um que a outro.

(estr. 23)

 

“No fundo, a organização do universo

É um assunto de galões militares,

E o informe assusta (precisamente)

Porque não sabemos se havemos de lhe dar ordens

Ou obedecer.

Mas falemos ainda, Bloom, da ironia que muito

Aplicaremos.

De que forma a catástrofe

Traz perturbações ao velho método

De aplicar uma distância ao mundo?

(estr. 24) …

 

E a leitura prossegue, no espanto de uma sucessividade de conceitos, em que a ironia desmistificadora na aparente banalidade dos dizeres compactua com uma sabedoria que desliza do princípio ao fim, e os temas da viagem do Gama são “virados do avesso” de uma forma extremamente irreverente e original.

 

Dificilmente num texto que se pretende breve, caberiam mais amplas referências a um livro de tão grande riqueza conceptual.

 

Finalizamos com a tradução, no canto III d’ Os Lusíadas, da apresentação do Gama ao Rei de Melinde, do seu país, após o percurso europeu:

Eis aqui, quase cume da cabeça

Da Europa toda, o Reino Lusitano

Onde a terra se acaba e o mar começa 

E onde Febo repousa no Oceano

(III 20)

 … e

Esta é a ditosa pátria minha amada

À qual se o céu me dá que eu sem perigo

Torne, com esta empresa já acabada

Acabe-se esta luz ali comigo

(III, 21),

 

Estrofe 20:

Chego, pois, ou a minha voz em meu nome,

Chego, dizia, finalmente, ao sítio de onde parti:

Portugal, Lisboa, Rua Actor Isidoro, nº 31, 1º direito.

É um bairro simpático,

Com uma mercearia em cada esquina.

Mesmo estando no centro da cidade, barulhenta

E com fumos de carros,

Se tens maçãs e laranjas na tua rua

Então estás praticamente no campo.

 

Estrofe 21:

Ausência de indústrias e de fábricas significativas,

Eis a higiene de um país como o nosso.

E quando não há chaminés importantes

Até o fumo do cigarro conta para efeitos estatísticos.

Não é grande nem é enorme mas é simpático, este país.

Dois lados dão para a terra, dois lados para o mar.

E a coisa assim quase dá certo.

 

Estrofe 22:

Gostava de um dia regressar a Lisboa, claro,

Mas já com a alegria reencontrada

E com uma mulher. (…).

 

Um amplo livro, espécie de missal que se pode ir estudando, vagarosamente, e saboreando, em cada partícula do seu discurso caricatural, dissonante, à maneira de certas composições musicais atonais contemporâneas, ou da própria pintura modernista de vários quadrantes - expressionismo, cubismo, simbolismo, o próprio impressionismo nele se impondo, na sua explosão de luz e cor.

 

 Berta Brás

 

(*)ttp://www.google.pt/imgres?q=Viagem%2B%C3%8Dndia%2BGon%C3%A7alo%2BM%2BTavares&um=1&hl=pt-PT&sa=N&biw=1140&bih=562&tbm=isch&tbnid=JsPCcgBoB27itM:&imgrefurl=http://entretenimento.uol.com.br/ultnot/livros/resenhas/epopeia-de-um-homem-comum-uma-viagem-a-india-retoma-o-modelo-de-os-lusiadas.jhtm&docid=pTD_HimcSyM5kM&w=200&h=285&ei=x0xiTrX-KILC8QO2y_T5CQ&zoom=1

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D