Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

DOM TEOTÓNIO E O MOSTEIRO DE SANTA CRUZ

(*) 

 

 

 

Natural de Tui, Galiza, filho de Oveco e Eugénia, Teotónio, que em grego significa “divino”, desde cedo se mostrou virtuoso, amante do estudo e, levado a Coimbra por seu tio, Dom Crescónio, bispo da dita cidade, com Dom Telo, fundador do Mosteiro de Santa Cruz, aprendeu os primeiros passos da vida religiosa, a ler e a cantar. Morto o tio, Teotónio foi mandado para Viseu sendo recebido na Sé da Bem Aventurada Virgem Maria.

 

"Chegado à crescente idade da letra de Pitágoras, sem tardança largou o lado esquerdo, e começou, com o celestial desejo, a subir em todas as coisas, maduro e grave." *

 

Ordenado hostiário, foram-lhe, entre outras obrigações, confiadas as chaves da igreja que rigorosa e religiosamente guardou, lançando fora porcos, cabras, infiéis e excomungados que invadiam o lugar sagrado. Com sua conduta e conhecimentos ensinava o catecismo e alguns anos depois foi ordenado diácono, servindo a igreja com todo o fervor.

 

Mais tarde, já presbítero, foi nomeado prior dessa igreja. A sua vontade e fé, haviam de levá-lo à Terra Santa, para percorrer e orar nos lugares da vida de Cristo, para o que entregou o priorado a seu colaborador. No regresso não quis mais ser o prior, dedicando-se com toda a sua força e devoção aos pobres e doentes.

 

Dom Telo, que em Coimbra principiava a criar o mosteiro de Santa Cruz, convenceu-o a não voltar a Jerusalém, onde queria levar uma vida de oração, mas a praticar a sua oração e caridade em Portugal, entrando para o primeiro grupo de monges, doze, que em pouco tempo eram armados cavaleiros de Cristo da Ordem de Santo Agostinho.

 

O Mosteiro precisava de um prior, e Dom Telo, humildemente e bem mais velho, recusou tal liderança e foi Dom Teotónio escolhido então, como o primeiro prior de Santa Cruz.

 

Homem de impecável rectidão, contam-se dele algumas histórias, com toda a possibilidade de serem verídicas, que mostram o seu carácter de rectidão:

- Quando prior em Viseu, estavam um dia a assistir à missa a rainha Dona Tareja e seu... amante Fernando Peres de Trava. Dom Teotónio, na homilia, indignou-se com a presença na igreja dos que viviam “mal casados”! Dona Tareja e Fernão Peres, levantaram-se, saíram da igreja, envergonhados, mas nenhuma represália sofreu o prior;

- Ainda em Viseu, um domingo, Dona Tareja preparava-se para assistir à missa; mandou dizer a Dom Teotónio que “se despachasse e dissesse azinha aquela missa”! Ele respondeu que “outra Rainha estava no céu e muito mais nobre sem comparação, à qual com muita reverência e muito devagar havia de celebrar aquela missa, e que ela, a Rainha, se podia ir ou ficar na igreja a ouvi-la, que em seu poder estava tudo. Dona Tareja conheceu seu erro e considerou-se culpada. No fim da missa mandou chamar Dom Teotónio, e logo mui humildado seu espírito, chorando lágrimas, se lançou a seus pés e pediu que rogasse a Deus por ela.”

- Bem mais tarde, a nova Rainha, Mafalda, mulher de Afonso Henriques, quis por todos os modos visitar o interior do Mosteiro de Santa Cruz, cenóbio exclusivamente reservado aos monges; o prior, “com bons modos lhe disse que havia dentro outra Rainha, e que não era regra nem costume deixar entrar mulheres num local em que habitavam os que haviam fugido do mundo, o que desagradou à Rainha, mas demonstrou o padrão de honestidade de vida daquele santo prior.”

 

A fama do bom prior (hoje seria chamado de abade) crescia e o Rei tinha por ele, e por toda a obra do Mosteiro a maior consideração, enchendo-o de dádivas. Inclusive o Rei o chamava quando se encontrava doente, porque era conhecida a “força” da sua presença e orações, e tanto nele confiava, que nas vésperas de atacar Santarém “com um tipo de combate não costumado, a saber, furtivamente e como se fosse um assalto, pois nunca o tinha conseguido com aparatos bélicos (o lugar era inacessível por causa da sua situação), foi ter com aquele homem de Deus e manifestou-lhe só a ele o seu plano, ao mesmo que lhe encomendou a sua alma como se fosse partir deste mundo; indicou-lhe, bem assim o dia em que pensava actuar e pediu-lhe empenhadamente que nesse dia, com os irmãos fizesse oração de comunidade por ele, e partiu.

 

No dia marcado o prior expôs o assunto a todos os irmãos, e que de pés descalços se fizessem ladainhas públicas e orações privadas.

 

No dia seguinte um bom mensageiro se apresentou a trazer a boa notícia e a anunciar, cheio de alegria que a cidade tinha sido tomada e submetida ao Rei.

 

Faleceu a 18 de Fevereiro de 1163 (?), aos cinquenta e seis anos da vida Del Rey, e trinta e cinco de seu reinado, com setenta e oito anos.

 

Terá sido canonizado no aniversário do primeiro ano após a sua morte, em cerimónia presidida por Dom João Peculiar, arcebispo de Braga e D. Miguel, bispo de Coimbra.

 

Só em 1234 é que a canonização passou a ser reservada ao Papa, com as Decretais de Gregório IX.

 



Rio de Janeiro, 26/07/2011

 

Francisco Gomes de Amorim

 

 

* Como tendo sido inventada por Pitágoras seria o Y, letra mística, significaria a vida humana, as duas direcções de vida com que se encontra o adolescente. Pela esquerda seguiria o caminho do mal; pela direita a rectidão, juízo e honradez.

 

Todos estes apontamentos sobre o Mosteiro de Santa Cruz, foram colhidos no livro “Hagiografia de Santa Cruz de Coimbra” – edição crítica do Prof. Aires A. Nascimento.

 

(*)http://www.google.pt/imgres?q=S%C3%A3o%2BTeot%C3%B3nio&um=1&hl=pt-PT&sa=N&tbm=isch&tbnid=c_95MSFt02b5xM:&imgrefurl=http://www.folclore-online.com/feriados/textos_feriados/valenca-steotonio.html&docid=6KXCiHiXJO53VM&w=242&h=315&ei=aYpaTuTfA4LC8QPd2IWLDA&zoom=1&iact=hc&vpx=401&vpy=55&dur=3044&hovh=252&hovw=193&tx=86&ty=131&page=1&tbnh=124&tbnw=100&start=0&ndsp=19&ved=1t:429,r:2,s:0&biw=1093&bih=538

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D