Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

DOM TEOTÓNIO E O MOSTEIRO DE SANTA CRUZ

(*) 

 

 

 

Natural de Tui, Galiza, filho de Oveco e Eugénia, Teotónio, que em grego significa “divino”, desde cedo se mostrou virtuoso, amante do estudo e, levado a Coimbra por seu tio, Dom Crescónio, bispo da dita cidade, com Dom Telo, fundador do Mosteiro de Santa Cruz, aprendeu os primeiros passos da vida religiosa, a ler e a cantar. Morto o tio, Teotónio foi mandado para Viseu sendo recebido na Sé da Bem Aventurada Virgem Maria.

 

"Chegado à crescente idade da letra de Pitágoras, sem tardança largou o lado esquerdo, e começou, com o celestial desejo, a subir em todas as coisas, maduro e grave." *

 

Ordenado hostiário, foram-lhe, entre outras obrigações, confiadas as chaves da igreja que rigorosa e religiosamente guardou, lançando fora porcos, cabras, infiéis e excomungados que invadiam o lugar sagrado. Com sua conduta e conhecimentos ensinava o catecismo e alguns anos depois foi ordenado diácono, servindo a igreja com todo o fervor.

 

Mais tarde, já presbítero, foi nomeado prior dessa igreja. A sua vontade e fé, haviam de levá-lo à Terra Santa, para percorrer e orar nos lugares da vida de Cristo, para o que entregou o priorado a seu colaborador. No regresso não quis mais ser o prior, dedicando-se com toda a sua força e devoção aos pobres e doentes.

 

Dom Telo, que em Coimbra principiava a criar o mosteiro de Santa Cruz, convenceu-o a não voltar a Jerusalém, onde queria levar uma vida de oração, mas a praticar a sua oração e caridade em Portugal, entrando para o primeiro grupo de monges, doze, que em pouco tempo eram armados cavaleiros de Cristo da Ordem de Santo Agostinho.

 

O Mosteiro precisava de um prior, e Dom Telo, humildemente e bem mais velho, recusou tal liderança e foi Dom Teotónio escolhido então, como o primeiro prior de Santa Cruz.

 

Homem de impecável rectidão, contam-se dele algumas histórias, com toda a possibilidade de serem verídicas, que mostram o seu carácter de rectidão:

- Quando prior em Viseu, estavam um dia a assistir à missa a rainha Dona Tareja e seu... amante Fernando Peres de Trava. Dom Teotónio, na homilia, indignou-se com a presença na igreja dos que viviam “mal casados”! Dona Tareja e Fernão Peres, levantaram-se, saíram da igreja, envergonhados, mas nenhuma represália sofreu o prior;

- Ainda em Viseu, um domingo, Dona Tareja preparava-se para assistir à missa; mandou dizer a Dom Teotónio que “se despachasse e dissesse azinha aquela missa”! Ele respondeu que “outra Rainha estava no céu e muito mais nobre sem comparação, à qual com muita reverência e muito devagar havia de celebrar aquela missa, e que ela, a Rainha, se podia ir ou ficar na igreja a ouvi-la, que em seu poder estava tudo. Dona Tareja conheceu seu erro e considerou-se culpada. No fim da missa mandou chamar Dom Teotónio, e logo mui humildado seu espírito, chorando lágrimas, se lançou a seus pés e pediu que rogasse a Deus por ela.”

- Bem mais tarde, a nova Rainha, Mafalda, mulher de Afonso Henriques, quis por todos os modos visitar o interior do Mosteiro de Santa Cruz, cenóbio exclusivamente reservado aos monges; o prior, “com bons modos lhe disse que havia dentro outra Rainha, e que não era regra nem costume deixar entrar mulheres num local em que habitavam os que haviam fugido do mundo, o que desagradou à Rainha, mas demonstrou o padrão de honestidade de vida daquele santo prior.”

 

A fama do bom prior (hoje seria chamado de abade) crescia e o Rei tinha por ele, e por toda a obra do Mosteiro a maior consideração, enchendo-o de dádivas. Inclusive o Rei o chamava quando se encontrava doente, porque era conhecida a “força” da sua presença e orações, e tanto nele confiava, que nas vésperas de atacar Santarém “com um tipo de combate não costumado, a saber, furtivamente e como se fosse um assalto, pois nunca o tinha conseguido com aparatos bélicos (o lugar era inacessível por causa da sua situação), foi ter com aquele homem de Deus e manifestou-lhe só a ele o seu plano, ao mesmo que lhe encomendou a sua alma como se fosse partir deste mundo; indicou-lhe, bem assim o dia em que pensava actuar e pediu-lhe empenhadamente que nesse dia, com os irmãos fizesse oração de comunidade por ele, e partiu.

 

No dia marcado o prior expôs o assunto a todos os irmãos, e que de pés descalços se fizessem ladainhas públicas e orações privadas.

 

No dia seguinte um bom mensageiro se apresentou a trazer a boa notícia e a anunciar, cheio de alegria que a cidade tinha sido tomada e submetida ao Rei.

 

Faleceu a 18 de Fevereiro de 1163 (?), aos cinquenta e seis anos da vida Del Rey, e trinta e cinco de seu reinado, com setenta e oito anos.

 

Terá sido canonizado no aniversário do primeiro ano após a sua morte, em cerimónia presidida por Dom João Peculiar, arcebispo de Braga e D. Miguel, bispo de Coimbra.

 

Só em 1234 é que a canonização passou a ser reservada ao Papa, com as Decretais de Gregório IX.

 



Rio de Janeiro, 26/07/2011

 

Francisco Gomes de Amorim

 

 

* Como tendo sido inventada por Pitágoras seria o Y, letra mística, significaria a vida humana, as duas direcções de vida com que se encontra o adolescente. Pela esquerda seguiria o caminho do mal; pela direita a rectidão, juízo e honradez.

 

Todos estes apontamentos sobre o Mosteiro de Santa Cruz, foram colhidos no livro “Hagiografia de Santa Cruz de Coimbra” – edição crítica do Prof. Aires A. Nascimento.

 

(*)http://www.google.pt/imgres?q=S%C3%A3o%2BTeot%C3%B3nio&um=1&hl=pt-PT&sa=N&tbm=isch&tbnid=c_95MSFt02b5xM:&imgrefurl=http://www.folclore-online.com/feriados/textos_feriados/valenca-steotonio.html&docid=6KXCiHiXJO53VM&w=242&h=315&ei=aYpaTuTfA4LC8QPd2IWLDA&zoom=1&iact=hc&vpx=401&vpy=55&dur=3044&hovh=252&hovw=193&tx=86&ty=131&page=1&tbnh=124&tbnw=100&start=0&ndsp=19&ved=1t:429,r:2,s:0&biw=1093&bih=538

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D