Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

VALEU A PENA?

 (*)

 

Viver em um país democrático, em franco processo de desenvolvimento industrial e tecnológico, é poder fazer escolhas. É aceitar ou não mudanças que a modernidade cobra. Se o progresso material traz benefícios, traz também poluição e perda na maneira simples e saudável de viver o quotidiano. Ter um pouco de cada talvez fosse a medida certa para se obter uma boa qualidade de vida.

 

A esperança utópica da felicidade e da imortalidade acompanha o homem desde a sua milenar existência. Ele ousa, revoluciona, descobre, experimenta, emprega toda a sua potencialidade intelectual, física e imaginativa, na busca da realização de seus objectivos e sonhos.

 

Nos tempos recentes, as conquistas da revolução industrial e tecnológica trouxeram para os países industrializados, mais desenvolvidos, conforto, facilidade de obter alimento e perspectiva de vida longa. O preço foi a destruição da maior parte dos seus recursos naturais e a poluição do meio-ambiente. A população cresceu e envelheceu. Hoje a juventude produtiva, paga caro para manter os benefícios dessas conquistas.

 

No planeta somos 7 biliões de seres disputando, desigualmente, espaço e alimento. Pagamos todos, igualmente, o custo ambiental do desenvolvimento de alguns. A medicina moderna aumentou a expectativa de vida e diminuiu o sofrimento físico. Se raramente morremos de infecções ou de ataques cardíacos, em contrapartida morremos mais tardiamente de doenças consuntivas e degenerativas da velhice, com todas as suas consequências. Será que valeu a pena?

 

Para aqueles que ainda têm na memória a experiência de uma época vivida, mais pura e saudável em termos afectivos e sociais, onde nem tudo era difícil, em termos de conquistas materiais, talvez a resposta seja um dilema. Para o jovem que não tem parâmetros de comparação ou para aqueles que tiveram um passado de vicissitudes será mais fácil dizer que hoje a vida é melhor, sem dúvida.

 

A natureza, no entanto, para subsistir está sempre à procura do equilíbrio. Morte e vida fazem parte um ciclo que mantém a sua existência. As mudanças evolutivas que os milénios anteriores trouxeram vieram de forma gradual e selectiva, dando tempo para que as adaptações necessárias ocorressem. Hoje, as enxurradas de novidades e acontecimentos que chegam todos os dias, tudo muda rapidamente. Será bom para o nosso corpo, será bom para a nossa mente?

 

Todo o conhecimento científico é provisório, até que surja outro, à luz de novas descobertas. Testar possibilidades, aprender com as experiências é vocação humana. Agir com inteligência e sabedoria é viver melhor o seu tempo. Para celebrar a vida e ser feliz cada um e cada povo têm a receita específica, baseada nos seus valores e cultura. E o futuro vai depender da maneira como a humanidade utilizará os conhecimentos aprendidos.

 

 Maria Eduarda Fagundes

Uberaba, 17 de Julho de 2011

 

(*)http://www.google.pt/imgres?imgurl=https://1.bp.blogspot.com/_pSiCXKtmoS8/RsSSbk_1vTI/AAAAAAAAAAc/-b6vDIE2wFE/s320/faage001.jpg&imgrefurl=http://arcadismo3c.blogspot.com/&usg=___tTroNopzKUUNHtG_4MNwVJEXpM=&h=207&w=300&sz=15&hl=pt-PT&start=0&sig2=NKXZQq7Nmlv-9pd8SDXUyg&zoom=1&tbnid=7v7JBk4S4JSIfM:&tbnh=120&tbnw=156&ei=gTYlTpnWFsuo8QOo9InmCg&prev=/search%3Fq%3Dbucolismo%26um%3D1%26hl%3Dpt-PT%26sa%3DN%26biw%3D1093%26bih%3D538%26tbm%3Disch&um=1&itbs=1&iact=hc&vpx=640&vpy=97&dur=5900&hovh=165&hovw=240&tx=160&ty=113&page=1&ndsp=15&ved=1t:429,r:3,s:0&biw=1093&bih=538

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D