Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

A força deles veio do Mar

 

 

 

Allain Peyrefitte, Membro da Academia Francesa e professor do Collège de France, decidiu valer-se da História para estudar a divergência Norte-Sul que caracterizou o processo do desenvolvimento económico europeu. Destes seus estudos e conclusões dá-nos conta no seu livro La Societé de Confiance[1].

 

A forma como aborda a questão mostra que Peyrefitte é historiador mas não é historicista. Considera que a ética económica não nos foi dada, imposta, ou revelada, e não obedece a leis imutáveis. Comporta-se como um sistema inteligente que se transforma a si próprio.

Mesmo assim, o autor admite que nas remotas origens da formação do modelo económico europeu se encontra a Teologia. Não concorda porém com leituras - como a de Max Weber - que atribuem ao Protestantismo a progenitura da ética capitalista moderna, uma vez que a sequência cronológica dos factos as desmente.

 

Os mosteiros e as ordens religiosas medievais teriam sido os primeiros agentes económicos europeus de consequência e isto porque organizaram o espaço social para a produção e comércio. (Os nossos reis afonsinos que trouxeram as ordens religiosas para Portugal e aqui as protegeram, sabiam o que faziam). A Ordem dos Templários/Cristo adicionou o crédito financeiro ao quadro existente e assim ajudou a expansão do comércio. Diferente das restantes Ordens que visavam a satisfação das necessidades básicas, a dos Templários já tinha em vista a acumulação de riqueza. Começou-se pois a distinguir entre capital e trabalho. O sistema transferia regularmente proveitos da periferia para o centro (ao tempo, Roma). Isto tudo prova que a mentalidade da época configurava uma ética, senão já capitalista, com certeza pré-capitalista ("capitalismo antigo" como o autor lhe chama).

 

A inovação da contabilidade de partidas dobradas adoptada no Norte de Itália, no século XIV, abriu irreversivelmente o caminho à laicização. A prestação de contas fiável dispensou o recurso aos monges para guarda de activos líquidos. A actividade bancária passou a ser gerida por agentes privados laicos entre si associados. O instituto da dívida pública veio no encalço. As famílias de banqueiros privados tornam-se tão poderosas que tiveram que ser prontamente assimiladas pelo centro hegemónico. Banqueiros, eclesiásticos e senhores feudais tornaram-se patronos dos artistas. A Itália produziu a Renascença e o centro continuou a sujeitar - e, a partir de agora, também a deslumbrar - a periferia.

 

Para se apropriar de mais-valias, o centro hegemónico criou "produtos" (ontem, como hoje). Coletas, dízimos, heranças, confiscos, sucederam-se e, por fim, as indulgências provocaram a revolta dos agentes periféricos, encabeçada por Martim Lutero. As indulgências terão sido o mais tóxico de todos os "produtos" daquele tempo. Em resposta àquilo que considerou abusivo, o monge agostinho afixou as suas "Noventa-e-cinco Teses" à porta da igreja de  Wittenberg (1517). Estava criada a divergência religiosa. A divergência económica é contudo anterior à religiosa. Vejamos.

 

Ao longo de todo o período medieval, Veneza e Génova mantiveram as vias comerciais marítimas abertas. Três séculos antes da Reforma religiosa, a Liga Hanseática organizou o comércio no Báltico e Mar do Norte em moldes corporativos semelhantes aos de Veneza e de Génova. O comércio marítimo produziu ali um padrão de ética laica sui generis. Sendo a fonte de riqueza o mar - e não a terra, presa fácil das hierarquias continentais - os que navegavam em oceano aberto e comerciavam além-mar passaram a dispor em larga medida de liberdade de movimentos negada aos restantes.

 

Abre-se assim o caminho à valorização do indivíduo em detrimento do sistema, da iniciativa em prejuízo da disciplina, da concorrência em vez da conformidade.

 

A própria Liga Hanseática não resistiu ao surto de individualismo que o comércio marítimo gerou. Os armadores de Amesterdão, beneficiados pela geografia que lhes abria o Oceano, acabaram por centralizar todo o comércio de cereais e produtos florestais da região. À data da Convenção de Westefália, - 1643, início do Período Moderno - a cidade de Lübeck, promotora da Liga Hanseática, já fora relegada para a posição apagada de periferia sobrevivente. O fenómeno repetir-se-ia em várias épocas e várias latitudes. Os Holandeses aperceberam-se qua via do enriquecimento rápido passava pela apropriação do comércio externo alheio e tornaram-se mestres em tal arte que passaram a exercer nas mais diversas longitudes e altitudes. Dois séculos mais tarde, Amesterdão seria, por seu turno, marginalizado a favor de Londres. Mas Londres pouco acrescentou à ética que se formou na Holanda. Portanto é o fenómeno holandês que deve ser estudado para quem quiser conhecer a origem e natureza da divergência da ética económica a Norte e a Sul.

 

***

 

Os Frísios, povos germânicos da borda do Mar-Oceano, com um historial de lutas pela liberdade que vem desde o combate contra as legiões do César até à resistência aos tércios do Duque de Alba, forneceram o elemento humano que, a partir do século XV, chamou a si a função anti-hierárquica. Nasceu assim a figura do lobo do mar destemido e sem escrúpulos, inspirador do gentil-homem pirata (que a Rainha Isabel I da Inglaterra tanto admirava) e antepassado longínquo dos robber-barons que dominaram o século XIX americano. EM 1483, quando a peste dizimou os braços que trabalhavam a terra na Europa, os Frísios puseram os seus vizinhos Gelderesen a laborar na agricultura, não para matar a fome, uma vez que o alimento lhes vinha do mar, mas tão somente porque a escassez do produto agrícola por toda a Europa tornava este comércio altamente lucrativo. Aí aprenderam que lucro e abundância raras vezes correm parelhas. Perceberam também que a desgraça alheia pode reverter em benefício próprio. Mais tarde, aprenderiam também que a estupidez humana pode produzir o mesmo resultado. Viriam assim a desenvolver múltiplas formas de criar escassez no mundo e provocar descaminhos noutras economias, conhecimentos que o Sul não absorveu.  

 

A atitude dos Frísios holandeses difere da de outros primos germânicos continentais também protestantes. Os outros prezam acima de tudo a disciplina, a perfeição e o rigor; já os Frísios elegem como valor supremo a confiança em si e nos seus companheiros. O mar ensinou-lhes que a solidariedade entre humanos perante o perigo ainda é o melhor garante da salvação terrena. A confiança seria pois a chave do modelo económico e social holandês. Para esta gente, a Bíblia era clara e inteligível e dispensava interpretações e interpretes. A missa, diziam-na eles. A ordem pública mantinha-se por voluntariado, como ilustrado pela "Ronda da Noite" de Rembrandt. Na administração da cidade, a unanimidade era de regra. E assim chegaram ao "não-governo" (ninguém mandava) estabelecido em Amesterdão a partir de 1648. A cidade tornou-se rapidamente sede da liberdade burguesa livre pensadora. Indivíduos do Sul de propensão liberal - judeus ibéricos, banqueiros de Antuérpia, huguenotes franceses, etc. - vieram e ali fixaram residência. 

A religião teve obviamente o seu papel no processo. Não poderia deixar de o ter uma vez que era ao tempo a matriz de comunicação. O Calvinismo deu forma ao clima cultural e intelectual local, ao zeitgeist daquele tempo e daquela gente. Mas apenas forma, não substância. Peyrefitte diz-nos que os rudes comerciantes de Amesterdão pensavam em Calvino, mas só ao Domingo. Os povos que tomaram Calvino à letra - Gelderesen, Escoceses e Genebrinos - tarde ou nunca progrediram. Por isso, Peyrefitte entende que a força da gente de Amesterdão vinha do mar, não da fé.

 

Não surpreende pois que a ética capitalista do Norte tenha assumido o cunho sórdido que vários analistas vindouros denunciaram. A ganância escabrosa que se apoderou dos holandeses choca a sensibilidade humanista do resto da Europa, mas os racionalistas locais, com as suas vistas virada para o lucro, decidiram que "o vício do cidadão acaba por ser a virtude da sociedade".

 

***

 

Quem procurou subordinar a Economia à Teologia foi o Sul. O Concílio de Trento (1563) decidiu que, para enfrentar a revolta periférica e restaurar a autoridade da Igreja Romana, haveria que lançar mão da centralização absoluta com exclusão dos recalcitrantes[2].

Anátema passou a ser a palavra-chave; condenar, excomungar e excluir, as práticas escolhidas. E o crente assimilou os hábitos do Inquisidor. Enquanto no Norte se instalava a confiança, no Sul, instalava-se a desconfiança. No Norte, estimulava-se a iniciativa privada, criavam-se instrumentos de cooperação, festejava-se a racionalidade e abriam-se as portas aos refugiados da perseguição tridentina, enquanto que, no Sul, perseguiam-se os empreendedores, confiscavam-se os capitais, expulsavam-se as elites e combatia-se a inovação. Ao longo dos 3 séculos seguintes, o Sul estagnou e o Norte prosperou. Pior, porém, a contribuição perene do Protestantismo foi o sentimento que se instalou no Norte de desconfiança em relação ao Sul, ali tido por aproveitador do trabalho alheio. O sentimento perdura e ainda hoje é a principal causa de mal-estar na União Europeia.

 

***

 

Agora que estamos todos metidos no mesmo saco, a única solução parece ser estudarmo-nos uns aos outros, racionalizar as diferenças, superar os desentendimentos; eliminar as desconfianças. Nem tanto ao mar, nem
tanto à terra. E assim poderemos finalmente aproveitar o que cada um tem de bom - e que não é pouco. Esperemos que isso aconteça.

 

Estoril, 8 de Julho de 2011

 

  Luís Soares de Oliveira



[1] Alain Peyrefitte, La Societé de Confiance, Odile Jacob, Nouvelle  Édition, Paris, 2005, 720 páginas.

 

[2] O que Peyrefitte nos diz, hoje, sobre as causa do atraso do Sul da Europa é precisamente o mesmo que disse Antero de Quental na sua contribuição para o ciclo de Conferências do Casino, (Lisboa, 1871), sob o título "Causas da decadência dos povos peninsulares nos últimos três séculos". Antero também atribuiu ao Concílio tridentino as causas do nosso mal.

 

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D