Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

RETOMAR O "BEM COMUM"

 (*)

 

 

Os tempos em que vivemos não se compadecem com ruído estéril. De esquerda ou de direita


Agora que o Governo tomou posse e que o respectivo programa foi aprovado, é fundamental que sejamos interpelados a revalorizar a salvaguarda do "bem comum" da sociedade portuguesa, neste momento que todos sabemos ser muito difícil. E essa salvaguarda passa por ultrapassar os interesses individuais e dos grupos corporativos de qualquer natureza. Partidos, sindicatos, associações empresariais e outras organizações são convocados a um elevado sentido de Estado e a deixar de lado as divergências mais marcadamente ideológicas. Porque os tempos em que vivemos não se compadecem com ruído estéril. De esquerda ou de direita.


A causa do "bem comum" exige ter os pés bem assentes na terra, exige realismo. Muito sério. Portugal tem de recuperar a credibilidade junto dos mercados internacionais (por mais que as medidas a implementar possam ser diabolizadas pelos sectores mais críticos), através de políticas bem consolidadas, para que seja solto de vez o "lastro" de país do final da linha. E Portugal tem de se credibilizar junto de todos nós, que estamos exauridos de tanto desregramento.

O esteio do esforço nacional tem de estar em cada um de nós. Tem de estar desde o mais alto responsável da Nação até ao mais humilde dos cidadãos. Todos temos de estar na primeira "trincheira" desta batalha que pode significar ganhar a guerra contra o declínio económico e financeiro. Uma guerra que tem de ser ganha, definitivamente.

 

Realismo é a palavra-chave dos tempos que vivemos. Porque muitas vezes há quem pense que os problemas se resolverão por si mesmos. Que haverá um homem providencial que chegará do meio do nevoeiro e fará com que a nossa dívida externa desapareça; que o número de desempregados baixe; que as empresas em crise sejam em menor número; que a Segurança Social dure para sempre e tudo garanta. Generosidade, honestidade e verdade são três lemas, três linhas orientadoras, que devem fazer parte do nosso dia-a-dia. E esperemos ver espírito de serviço exemplar nos detentores de cargos públicos, a quem mais compete o esforço de devolver credibilidade interna e externa ao país.

Como afirmou recentemente o Conselho Permanente da Conferência Episcopal Portuguesa, o país "tem de dar o seu contributo à evolução positiva, concretamente da União Europeia e da Zona Euro, e só o fará se resolver positivamente, reconquistando a credibilidade, o momento que passa". "Não é a mesma coisa partilhar generosamente e ser obrigado a distribuir", adianta a Conferência.

Os tempos em que vivemos não são fáceis, já todos sabemos. Por isso, lemas como os da solidariedade e do trabalho árduo em prol do colectivo são decisivos para quem herdou uma situação em que, mais do que chorar o que foi (mal) feito, há a necessidade de trabalhar para o "bem comum". Retome-se e viva-se o conceito.

 

 Pedro Botelho Gomes

Advogado

In Público, 7 de Julho de 2011

 

(*)http://www.google.pt/imgres?imgurl=http://websmed.portoalegre.rs.gov.br/escolas/montecristo/projetos/parceria/imagem/img5.jpg&imgrefurl=http://websmed.portoalegre.rs.gov.br/escolas/montecristo/projetos/parceria/mosaico.html&usg=__ufMHbTGZLP_LiRMuFMkiXLWZ0dI=&h=295&w=289&sz=19&hl=pt-PT&start=0&sig2=3aHPzV5veZB-xLIc1t1B4A&zoom=1&tbnid=fYA7qdrcSFjVrM:&tbnh=132&tbnw=129&ei=kj4ZTrWxNMeX8QPg2Pz-Dw&prev=/search%3Fq%3Dbem%252Bcomum%26um%3D1%26hl%3Dpt-PT%26biw%3D1093%26bih%3D538%26tbm%3Disch&um=1&itbs=1&iact=hc&vpx=484&vpy=200&dur=3875&hovh=227&hovw=222&tx=154&ty=110&page=1&ndsp=18&ved=1t:429,r:8,s:0&biw=1093&bih=538

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D