Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

CATURRICES - 25

 

Detalhes - I

 

 

Uf! Finalmente um programa (o da troika) comme il faut: disciplina orçamental férrea, a Banca com a rédea curta (ou mais capital, ou mais modéstia) e reformas estruturais que, desta vez, é que são mesmo para levar por diante.

 

Um roteiro que, diz-se à boca cheia, nos levará a porto seguro. É certo que por mares tormentosos. Mas, vejam, está lá tudo! Haja vontade e empenho, que não nos perderemos.

 

Correcto? Não tanto, Leitor, porque...não está lá tudo. Não está lá a grande esquecida dos teóricos: a liquidez (melhor dizendo, o volume e a distribuição da liquidez no decurso de uma viagem há muito inevitável). Um detalhe que fará toda a diferença, como tentarei explicar a seu tempo.

 

Começando pelo princípio. Nos primeiros quinze anos da nossa aventura europeia, os Quadros Comunitários de Apoio financiavam, e justificavam, os persistentes desequilíbrios da Balança de Transacções Correntes (BTC). E a liquidez era como o maná: criaturas angelicais espargiam-na generosamente sobre as nossas pobres, mas ávidas cabeças.

 

com o euro: (1) endividava-se o Estado lá fora para gastar, com liberalidade, cá dentro (em remunerações, serviços de toda a espécie, equipamentos e infra-estruturas – despesa que empolava a procura interna, mas pouco contribuía para a qualidade da oferta nacional); (2) endividavam-se os Bancos lá fora para emprestarem, com não menor liberalidade, cá dentro; (3) pedia-se emprestado cá dentro para comprar no exterior, despreocupadamente, bens e serviços variados. A liquidez, essa, com tanta dívida, afluía que dava gosto.

 

Por muito que custe aos teóricos da dismal science (em vernáculo: a economia) e aos adeptos do Pacto de Estabilidade e Crescimento, não eram os deficits orçamentais que lançavam luz sobre o rumo que levávamos. Eram, sim, os deficits da BTC, a que ninguém parecia dar grande importância. Nesse tempo, quem sabia acreditava piamente em que, no âmbito de uma união monetária, “tudo se financiava”.

 

Talvez. Até ao dia de começar a pagar (nem árvores, nem cotações, nem dívidas crescem até aos céus que fazem chover maná). Ei-lo! É chegado o dia. Como pagar, então?

 

Em termos de simples contabilidade nacional, é certo e sabido que a procura interna vai contrair-se (tal como a troika quer no imediato), porque: (1) aquela parcela que, dia após dia, era paga com mais dívida levará sumiço; (2) vão desaparecer também as despesas públicas financiadas por impostos indirectos sobre comércios que só o endividamento externo tornava possíveis; (3) haverá que desviar para os juros da Dívida Pública uma parte do rendimento que se gastava, até agora, em importações de bens e serviços; (4) enfim, há que poupar o suficiente para ir amortizando a dívida em excesso (abater à Dívida Pública externa o equivalente a 60% do PIB 2010, e pelo menos outro tanto à dívida externa dos Bancos).

 

Para quem pensa que, na economia, os números são todos iguais, a solução está à vista: basta produzir e não gastar um cêntimo que seja durante os próximos 15-17 meses (cerca de 120% do PIB 2010, mais uns trocos, que os juros ao exterior têm de ser pagos também) para as contas ficarem, de vez, certinhas – e nós voltarmos a pôr o pé em terra firme.

 

O diabo está, uma vez mais, nos detalhes (mesmo se o PIB aguentar os solavancos da viagem): hoje por hoje, só 1/3 do que produzimos encontra comprador lá fora, pelo que não deveremos falar de 15-17 meses, mas de 4-5 anos (isto, com as importações de bens e serviços a zeros).

 

E para não ficarmos pelo caminho, algo teremos sempre que comprar à estranja: alimentos, energia, medicamentos, um ou outro serviço inadiável - mais as matérias-primas e os produtos intermédios que importamos para incorporar nas nossas exportações.

 

Contas feitas, com a actual capacidade exportadora, teremos para aí 40 anos, ou mais, de viagem atribulada pela frente. É bíblico! Não há melhor prova de que somos, na verdade, um povo escolhido.

 

Para encurtar a viagem, só três soluções contam: (1) um súbito interesse dos estrangeiros por bens e serviços que, até à data, só têm tido clientes em Portugal; (2) reorientar para a produção de bens e serviços exportáveis uma boa parte da actividade económica que tem vivido exclusivamente da, e para a procura interna (o Sector de Bens não Transaccionáveis: SBnT); (3) a entrada de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) em catadupa.

 

Não, Leitor, o pacote financeiro do FMI e da UE não conta para este efeito. Limita-se a trocar dívida por dívida. Com a agravante de substituir credores que, em processo de renegociação, seriam credores comuns (do Estado e dos Bancos) por credores com privilégios absolutos e inegociáveis sobre todos nós, contribuintes.

 

Confiar em que, de um momento para o outro, bens e serviços aqui produzidos vão revelar insuspeitadas capacidades exportadoras, em volumes que se façam notar nas estatísticas, parece-me pouco sensato. Não é que tal não possa acontecer. Claro que pode. Mas serão sempre casos pontuais, por certo muito estimáveis, mas com contributo insignificante para o reequilíbrio da BTC.

 

“Para o Sector de Bens Transaccionáveis (SBT), rápido e em força” – é, talvez, o sound byte mais ouvido nos dias que correm. Se, por obra e graça das exportações, e de alguma moderação nas importações, a BTC passasse a exibir excedentes da ordem dos 5%-8% do PIB 2010 (e seria obra), a viagem encurtaria: duraria então só 15 a 20 anos.

 

E já só se perderiam duas gerações: a actual (que, mesmo assim, teve a oportunidade de faire la grand vie antes de a Dívida Externa descambar) e a que entra agora no mercado do trabalho (levada à força para uma viagem que não quer nem merece).

 

Mas, tudo somado, o SBT teria de passar do actual 1/3 para, pelo menos, 50% do PIB 2010. Quer o destino que não seja só descobrir o que começar a produzir para exportar. É também: (1) ter qualidade e preços capazes de competir nos nossos tradicionais mercados de exportação; (2) encontrar novos mercados que paguem a tempo e horas o que lhes vendermos; (3) criar empresas com dinâmica suficiente para se lançarem com ganho na aventura que é vender nos mercados externos; (4) conseguir reunir o capital necessário para que as novas empresas não nasçam já carregadas de dívidas; (5) e, acima de tudo, dar trabalho a mais 15%, se tanto, da população activa (o SBT é bastante capital intensivo).

 

Tudo isto em 3 anos - vá lá, 4 anos? Tenho de ver para acreditar. E convém não esquecer a população hoje desempregada (12.6%), mais todos aqueles que a rápida contracção da procura interna e o consequente “emagrecimento” do SBnT (quanto a isto não há alternativa) vão lançar no desemprego (por alto, outros 20%).

 

Resta o IDE. Por via das privatizações pouco ou nada contribuirá para a criação de emprego e para a expansão do SBT. Mas sempre ajudará a financiar os deficits que a BTC vai ter de registar ainda nos próximos tempos (não é de um dia para o outro que se passa de deficits a rondarem 10% do PIB para superavits acima de 5%).

 

O IDE que estabeleça entre nós novas empresas orientadas para os mercados externos é o mais desejável: (1) ajuda a financiar a BTC; (2) supre a descapitalização do país; (3) expande o SBT; (4) e cria empregos. Venha ele (eis a grande aposta da troika) – e, por isso, exigem-se mudanças que tornem o contexto apetecível aos investidores vindos de fora.

 

E se Paris valia bem uma missa, o IDE que trouxer até nós empresas destas valerá, sei lá, que abjuremos as sacrossantas teorias dos direitos adquiridos à revelia de qualquer relação contratual livre e consciente? Ou as burocracias que se auto-justificam? Ou os corporativismos medievais de roupagem progressista? Ou os legisladores bacocos?

 

(cont.)

 

PS: Os valores aqui referidos são simples ordens de grandeza que têm por único propósito ajudar a ver claro o que está verdadeiramente em causa.

  A. PALHINHA MACHADO

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D