Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

A RIQUEZA DA CIÊNCIA / A CIÊNCIA DA RIQUEZA

 

Jean de La Fontaine (1621 - 1695)

 

A vantagem da ciência” é o título

Que La Fontaine dá a uma sua história

Não dos costumeiros animais, 

Mas de seres racionais,

Que são sempre os mais funcionais

Nas coisas fundamentais da existência

Quais sejam as da sobrevivência,

E a complementar subserviência.

Vejamos então esta

Vantagem da Ciência”

Que prova com muita pertinência

Que o estudo resolve tudo

Embora muita gente creia

Que se trata de inútil panaceia

Para enganar os simples:

 

Entre dois Burgueses duma cidade

De muita qualidade,

Um diferendo se desencadeou que potenciou

Sobretudo a ironia

Do mais bem dotado

Em riquezas materiais,

- Embora mais desprovido

De dotes espirituais -

Pois que o mais letrado não podia

Fazer alarde

Da sua sabedoria,

- Já por modéstia, já por cortesia -

E bens materiais não possuía.

Mas o ricaço pretendia

Que todo o homem sábio deveria

Homenagem prestar ao poder

Material.

Bem parvo era, por sinal;

Porque, porquê prestar culto

A bens desprovidos de mérito?

A razão parece-me ínfima.

“Meu amigo, muitas vezes ele dizia

Ao homem culto,

Vós achais-vos pessoa de vulto,

Mas dizei-me, tendes farta mesa

Com franqueza!?

De que serve aos vossos congéneres

Ler sem cessar

Se eles vivem num terceiro andar

E se vestem de igual maneira

Em Julho como em Dezembro,

Tendo apenas por lacaio

A sua sombra foleira.

A República está mesmo interessada

Com pessoas que não gastam nada!

Eu não conheço homem mais necessário

Do que aquele cujo luxo espalha inúmeros bens.

E se nós o usamos, sabe-o Deus!

O nosso prazer ocupa

O artesão, o vendedor, o que fabrica a saia,

E aquela que a usa, e vós, que dedicais

Aos Senhores importantes
das Finanças

Maus livros pagos com benemerência.

Estas palavras cheias de impertinência

Tiveram a sorte que mereciam.

O homem letrado calou-se,

Muito havia que dissesse.

A guerra vingou-o, melhor que qualquer sátira

Que fizesse.

Marte destruiu o lugar onde cada um vivera.

Ambos deixaram a cidade, que desaparecera.

O ignorante ficou sem asilo,

Em toda a parte foi injuriado.

O outro, em todo o lado,

Recebeu algum favor

Por conta do seu saber.

Isso decidiu a questão.

Deixai falar os parvos:

O saber colhe sempre galardão.”

 

Ora esta questão

Que assim valoriza a razão,

Não sei se por cá colheria

Tanta empatia.

É que o nosso existencialismo

Faz que a tradição

Do culto da Razão

Seja soterrada pelo materialismo,

Como afinal já era

No século do racionalismo,

Apesar do La Fontaine,

E de outros defensores

Do saber ser

Contra o saber fazer.

Porque hoje, o que mais se vê

É que o dinheiro é o verdadeiro

Esteio da razão

E o estudo é treta,

Para pateta.

Pois por cá até

- Pura aberração! -

A língua mãe foi adulterada

Sem nenhum pudor,

Por conta do poder.

Além de outras anomalias

Que se poderão citar,

Que o dinheiro faz criar,

Em libertina escalada,

Sem ninguém se importar.

Apesar dos velhos quezilentos

Conservadores atentos.

 

 Berta Brás

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D