Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

LIÇÃO DE CIVISMO A TIRAR DA OBRA DE CAMÕES

 (*)

(...)

 

Para este ilustre historiador e economista [Alberto Sampaio], amigo de Oliveira Martins, cujos preconceitos tanto mal nos causaram, se Portugal não voltou à sua antiga pátria [Galiza], isso deve-se a um aventureiro feliz, acentua, cujo triunfo resultou principalmente da adesão "de uma cidade do norte - do Porto, que se separou do sentimento comum dos homens da sua raça, dos seus irmãos e compatriotas". Ora eu não posso admitir, de modo nenhum, estas ideias, porque elas brigam com a verdade histórica e com o nosso brio patriótico.

 

Ao terminar a primeira dinastia, não víamos, é verdade, dentro da Península, para onde nos expandirmos, mas os portugueses, apertados nos limites da estreita faixa do seu território, tinham realizado uma obra imponente, que denunciava a existência de um povo com caracteres bem definidos: lançaram-se bases sólidas para o desenvolvimento da indústria agrícola e do comércio; organizou-se a justiça; deu-se um impulso grande à instrução, e a língua portuguesa, mercê do génio de homens como D. Dinis, mostrou-se capaz de servir de instrumento a todos os géneros da literatura ...

 

Antes da expansão, Portugal já tinha Fernão Lopes, o maior prosador do seu tempo, o cronista de D. Pedro, de D. Fernando e de D. João I, e cuja obra não podia explicar-se se não tivesse havido já precursores, que ele aliás cita de vez em quando.

 

Mas, mesmo que admitíssemos a estranha teoria de Oliveira Martins e de Alberto Sampaio [de que a elite tinha saudades de regressar à pátria-mãe, a Galiza], a pergunta do cancioneiro galego ["Portugués, e rebelludo, fillo de tan mala lei: que che custaba decir: Viva, viva o nosso rei?"] só pode explicar-se pela ignorância e ingenuidade do cantor anónimo.

 

É que, depois da primeira dinastia, nós conquistámos Ceuta e outras praças do norte de África, devassámos os mares, percorremos os sertões e os desertos, esculpimos a cruz e as quinas em padrões que ficaram espalhados por todas as costas, a assinalar a nossa passagem, como assinalavam as gotas do nosso sangue, que caíam em toda a parte.

 

Em muitas lendas do ciclo de Nossa Senhora aparece Ela por vezes a deixar na terra os vestígios das suas pegadas santas.

 

Pois bem: nas nossas viagens quase lendárias, além de erguermos a cruz por toda a parte, também imprimimos as nossas pegadas pelas terras descobertas; a nossa língua, em 1580, já era falada na América, na África, nas ilhas do Atlântico e do Índico, nas costas da Arábia
e da Índia, na China e no Japão.

 

Nas próprias terras que nos tinham sido arrebatadas ela lá estava, e ainda hoje está, a atestar a existência de uma das nações mais perfeitas dos tempos modernos.

 

Tinham surgido poetas como Gil Vicente e Bernardino Ribeiro; historiadores como João de Barros e Castanheda; moralistas como Sá de Miranda; místicos como Frei Tomé de Jesus; as Relações simples, mas eloquentíssimas, que haviam de constituir a História Trágico-Marítima...

 

Mas, sobretudo, todas as energias da raça portuguesa - o concurso humilde mas eloquente das tradições populares e o esforço poderosíssimo de tantas camadas de escritores eruditos - cristalizaram num Homem, que representa para nós a segurança mais firme no meio destes tempos revoltos.

 

Os Lusíadas foram uma arma poderosa manejada desde 1580 a 1640 e constituem o nosso melhor escudo contra as tentativas de usurpação.

 

A obra lírica e épica de Luís de Camões, onde a língua portuguesa atingiu o máximo do seu esplendor, impõe-nos obrigações, sim, e é preciso que a mocidade de hoje as compreenda bem; mas concede-nos direitos, que não devem, nem podem ser esmagados, sejam quais forem as crises deste mundo doente.

 

Alphonse Daudet incluiu nos Contes de Lundi um conto impressionante -- La Dernière Classe : imagina um professor alsaciano a dar a sua última lição de francês aos alunos, porque chegara ordem de Berlim para se ensinar nas escolas apenas o alemão.

 

M. Hamel, dirigindo-se aos discípulos, ergue um hino à língua francesa, e pede-lhes que a não esqueçam, pois, enquanto um povo conserva a sua língua, é como se tivesse na mão a chave do cárcere.

 

Era a paráfrase do pensamento de Mistral, o poeta da Provença:


"S'il tient sa langue. -- il tient la clé qui de ses chaines le délivre".

Pois cultivemos a nossa língua, defendamo-la contra todos os ataques dos inimigos externos e internos, aprendamos a venerá-la como instrumento de que se serviu o nosso primeiro Poeta.

 

Ela é a espada mais poderosa com que devemos ferir os nossos inimigos, o escudo mais firme contra os ataques injustos e traiçoeiros... e seria num dia a chave mais segura para nos abrir a porta do cativeiro se um inimigo conseguisse infiltrar-se no País - perigo que Deus afaste.

..................................................................................................

 

Para nos mantermos à superfície, para resistirmos à corrente impetuosa, não esqueçamos o falar da nossa terra, e agasalhemos bem, bem aconchegados junto dos corações os Lusíadas - a obra maravilhosa em que a nossa língua se firmou para todo o sempre."

 

(Extracto da Introdução de "El-Rei Seleuco" de Luís de Camões, escrito por Augusto C. Pires de Lima, Ed. Domingos Barreira, Porto, s/d.)

 

 

Joaquim Reis

 

(*)http://www.google.pt/imgres?imgurl=https://1.bp.blogspot.com/-HlowlKIhmTM/TfEXLqwTW6I/AAAAAAAACdQ/mEDb3acdE1o/s1600/camoes.jpg&imgrefurl=http://voxnostra.blogspot.com/2011/06/camoes-e-os-lusiadas.html&usg=__ps1AjYaG_lGfXqnbXew-FJ22H4Q=&h=450&w=360&sz=37&hl=pt-PT&start=0&sig2=zbvt49B_bUChqbYBCjT-TQ&zoom=1&tbnid=2xDT74-dc131PM:&tbnh=125&tbnw=98&ei=Od75Td-CCYWXOr_l6boE&prev=/search%3Fq%3Dcam%25C3%25B5es%26um%3D1%26hl%3Dpt-PT%26sa%3DN%26biw%3D1192%26bih%3D587%26tbm%3Disch&um=1&itbs=1&iact=hc&vpx=365&vpy=225&dur=55&hovh=251&hovw=201&tx=105&ty=249&page=1&ndsp=24&ved=1t:429,r:18,s:0&biw=1192&bih=587

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D