Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

TEATRO RÁPIDO

 (*)

 

Truz, truz – batem à porta.

Vem um Senhor muito empertigado abrir mas logo diz, peremptório: - Tenha paciência! - e fecha a porta.

Truz, truz – batem novamente à porta.

Regressa o empertigado e afirma: - Já lhe disse que tivesse paciência; não damos esmolas.

Mas antes de ter tempo de fechar a porta, vem lá de fora a voz do forasteiro: - Mas, meu Senhor, eu não venho pedir esmola. Eu venho pedir-lhe um empréstimo, já que o Senhor é o chefe de um país tão rico como este.

- E quem é Você? - pergunta o empertigado.

- Eu sou o chefe de um país muito pobre mas quero fazer umas obras para deixar de ser tão pobre.

- E que obras quer Você fazer?

- Quero construir um caminho-de-ferro para trazer os minérios do interior do meu país para a costa, quero construir um porto para poder embarcar esses minérios e quero comprar uns navios para fazer o transporte até aqui ao seu país tão rico.

- Ah! Muito interessante esse seu projecto. Mas é claro que lhe empresto o dinheiro todo de que Você vai precisar e até lhe arranjo os construtores do caminho-de-ferro, do porto, dos comboios e dos navios. E é claro que também lhe posso sugerir uma ou outra empresa mineira que lhe poderá prestar o serviço de extracção desse minério todo.

- Ah! É muito gentil da sua parte.

Acertado o montante de 100 mil milhões e assinados os contratos de empréstimo e de fornecimento do caminho-de-ferro, do porto, dos comboios e dos navios, logo o chefe do país muito rico se prontificou para pagar aos fornecedores do caminho-de-ferro, do porto, dos comboios e dos navios à medida que eles fossem cumprindo os respectivos contratos. E assim foi que o chefe do país muito pobre se viu livre de todo esse trabalho tão burocrático e tão maçador. Mas nem sequer viu a cor do dinheiro uma vez que este nem sequer chegou a sair do país muito rico passando directamente dos cofres do seu chefe para os dos fornecedores do caminho-de-ferro, do porto, dos comboios e dos navios.

Cumpridos os contratos de fornecimento, logo o chefe do país muito rico telefonou ao chefe do país muito pobre a perguntar se estava satisfeito com o caminho-de-ferro, com o porto, com os comboios, com os navios e com a empresa que iria extrair o minério. Ao que o chefe do país muito pobre lhe respondeu que sim mas...

- Mas quê? – perguntou um pouco ansiosamente o chefe do país muito rico.

- É que nós não temos ninguém que organize a circulação dos comboios, faça a manutenção da via-férrea, organize o funcionamento do porto que ainda não tem guindastes e quem ponha os navios a navegar.

- Ah! O meu caro amigo não se preocupe com isso que eu lhe arranjo todos esses técnicos e quem lhe forneça os guindastes. Só há um pequeno problema.

- Sim, qual? – agora foi a vez do chefe do país muito pobre a ficar ansioso...

- É que essa gente é cara: não vai para fora sem ganhar muito mais do que o que lhe pagamos cá. E vamos também ter que reforçar a linha de crédito por causa desses guindastes em que não pensámos logo no princípio da nossa conversa.

- Ah! Pois é. E quanto acha que vai ser preciso mais?

- Bem, até que a mina se comece a pagar a si própria, devem ser precisos aí mais uns 20 mil milhões...

- Seja, então. Que remédio...?

E assim ficou o país pobre a dever 120 mil milhões sem sequer lhes ver a cor. Mas, há que reconhecê-lo, tudo começou a funcionar até que...

- Trrriiimm, trrriiimm – toca o telefone do chefe do país muito pobre.

- Então como estão as coisas a correr? – pergunta o chefe do país muito rico.

- Ah! Que surpresa tão agradável receber uma chamada sua! – responde o chefe do país muito pobre, surpreso pelo telefonema do chefe do país muito rico. – As coisas estão a correr muito bem. Já começámos a exportar o nosso minério e estamos à espera do primeiro pagamento.

- À espera de quê?

- Do pagamento da primeira remessa de minério.

- Ah! Eu julgava que Você sabia que esse dinheiro já foi pago mas que nós ficámos cá com ele para amortizar os juros do empréstimo.

- Juros? Quais juros?

- Os juros da dívida que Você tem para connosco.

- Mas nós nunca falámos sobre isso...

- Você não perguntou e eu julguei que não quisesse saber. Mas é claro que todo o empréstimo vence juros.

- Então quando é que nós vamos começar a receber algum dinheiro?

- Quando tiverem pago toda a dívida e respectivos juros.

- E quando é isso?

- Olhe: será tão mais rápido quanto mais minério recebermos.

- E será que a mina tem minério suficiente para pagar tudo isso?

- Ah! Isso é coisa que não lhe sei responder. Julguei que Você soubesse.

- Mas como é que eu haveria de saber se quem fez as sondagens foram os vossos técnicos?

- E então eles não vos disseram nada?

- Não. Nós nada sabemos quanto aos resultados dessas sondagens.

- Mas esses técnicos estão a ser pagos com o dinheiro que vocês nos pediram emprestado. Eles deviam ter-vos dito alguma coisa.

- Mas não disseram nada. E se as reservas não são suficientes para podermos pagar a dívida?

- Vão ter que arranjar outra fonte de rendimentos para nos pagarem o que nos devem e entretanto vão contando com os juros sobre o que estiver em dívida.

- Mas...

- É assim!

- Então nós vivíamos pobremente mas não devíamos nada a ninguém e agora continuamos pobres mas carregados de dívidas.

- Foi Você que veio ter comigo a pedir um financiamento.

- Isso significa que devíamos ter tentado crescer apenas com base na nossa poupança interna.

- Nunca iriam chegar a qualquer lado.

- Mais valia termos seguido lentamente em frente do que bruscamente para o fundo.

- Deram um passo maior do que a vossa perna.

- Então o que deveríamos ter feito?

- Ah! Isso, eu não sei. Apenas sei que nós começámos há muitos anos por educar e formar a nossa gente e foi essa gente que nos fez subir até ao nível em que hoje nos encontramos.

- E como se ensina as pessoas a enganar os outros? Na Escola dos Gatunos?

- Se quiser...

 

Cai rapidamente o pano da cena do Teatro do Terceiro Mundo.

 

 

Lisboa, Maio de 2011

 

 Henrique Salles da Fonseca

 

(*)http://www.google.pt/imgres?imgurl=http://img0.rtp.pt/icm//thumb/phpThumb.php%3Fsrc%3D/images/72/72264cca17feb6617dc82b68d50d1c61%26w%3D420%26sx%3D0%26sy%3D0%26sw%3D620%26sh%3D456%26q%3D75&imgrefurl=http://www.rtp.pt/icmblogs/rtp/noite-noticias/%3Fm%3D10%26y%3D2009%26d%3D29&usg=__I6J_B2_Tg_02M3QgVEzHYiyauDM=&h=308&w=420&sz=41&hl=pt-PT&start=60&zoom=1&tbnid=1-UB6Br3TSSA3M:&tbnh=160&tbnw=229&ei=kJHnTZmwK9GLhQf-_7G1Cg&prev=/search%3Fq%3Dteatro%252Bdo%252Bterceiro%252Bmundo%26um%3D1%26hl%3Dpt-PT%26sa%3DN%26biw%3D1007%26bih%3D681%26tbm%3Disch&um=1&itbs=1&iact=hc&vpx=719&vpy=327&dur=3893&hovh=192&hovw=262&tx=132&ty=103&page=5&ndsp=12&ved=1t:429,r:11,s:60&biw=1007&bih=681

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2005
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2004
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D